31/08/2009

“Giro “ de Albufeira tem uma nova linha

Os Transportes Urbanos de Albufeira – Giro – inauguraram uma nova linha que passará a ligar a estação de caminho-de-ferro de Albufeira ao centro da cidade, com passagem pela localidade de Ferreiras. Segundo a Câmara Municipal de Albufeira “trata-se de um serviço que irá contribuir para aumentar a qualidade no acesso a todo o concelho. Recorde-se que a Estação de Caminho de Ferro faz chegar a Albufeira, diariamente, centenas de utilizadores daquele tipo de transporte. Ao mesmo tempo, a freguesia de Ferreiras é hoje uma das que mais tem crescido em termos populacionais”. O Giro é um serviço de transportes urbanos, da responsabilidade da autarquia, contratualizado com a operadora Eva Transportes. O trajecto da nova linha, que será realizada por dois autocarros, com intervalos de passagem de 30 minutos, compreende as paragens Terminal Rodoviário, Parque de Campismo, Vale Paraíso, Rotunda de Ferreiras e Estação de Caminhos-de-Ferro. Em 2008, o “Giro” transportou cerca de um milhão de passageiros.

in: www.transportesemrevista.com de 31 Ago/09

29/08/2009

Carris cria carreira "780"


A partir de 31 de Agosto a Carris conta com mais uma carreira. A denominada carreira "780" vai ligar Benfica ao Saldanha, e será uma carreira "expresso", o que significa que se trata de uma carreira rápida, que servirá sobretudo, paragens próximas das estações do Metropolitano.
Esta carreira funciona apenas nos dias úteis entre as 7:00 eas 9:30, e entre as 16:30 e as 19:30.


Paragens da nova carreira "780"

Benfica (Av. Padre Álvaro Proença), Benfica (Av. Grão Vasco), Igreja de Benfica, Benfica (Av. Gomes Pereira), Escola Pedro Santarém, Calhariz, Av. Norton de Matos/Metro, Campo Grande Norte, Campo Grande (Av. Brasil), Entre Campos, Estação Entre Campos, Campo Grande (Av. República), Saldanha

Inaugurada hoje a linha vermelha que liga Saldanha a S. Sebastião

28/08/2009

Metro de Lisboa inaugura duas novas estações

O Metropolitano de Lisboa inaugura duas novas estações este Sábado dia 29 de Agosto.
Trata-se da extensão da linha vermelha ao Saldanha e a S. Sebastião, cruzando-se com a linha amarela e a linha azul respectivamente.
O metro da capital passa assim, a dispor de 52 estações, todas elas subterrâneas, tendo actualmente em construção a ligação da linha vermelha ao aeroporto, com inauguração prevista para o segundo semestre de 2010, e da linha azul à Reboleira, sendo esta ligação inugurada em 2011.

26/08/2009

Comboios regressam à Linha do Douro

A negociação entre a REFER, a CP, o IPTM e a CCDR-N quanto à ligação Pocinho-Barca D'alva, na Linha Ferroviária do Douro, está concluída, anunciou esta quarta-feira o governo.

Os comboios vão regressar à Linha do Douro. "Existe um compromisso de fazer uma intervenção na linha para criar condições que possibilitem a sua utilização por comboios", adiantou a secretária de estado dos Transportes, citada pela SIC.
No entanto, numa primeira fase, a circulação na linha será feita por um serviço especial com finalidade turística, acrescentou Ana Paula Vitorino.

in: tvnet.sapo.pt/notícias de 25 Ago/09

25/08/2009

Projecto CityMotion entra em velocidade de cruzeiro

Resultante de uma parceria entre a Faculdade de Ciências e Tecnologia da Universidade de Coimbra, a Faculdade de Engenharia da Universidade do Porto e o Instituto Superior Técnico, o projecto CityMotion entra em velocidade de cruzeiro com a adesão de autarquias, empresas de transportes, telecomunicações e logística. A associação destas diferentes entidades veio permitir criar uma base de dados única no mundo e o projecto pode alterar profundamente a mobilidade nas grandes cidades do país e do mundo. Entre os parceiros do CityMotion encontram-se empresas como a TMN, Carris, STCP, TIP, Metro do Porto, Frotcom, Geotáxis, bem como as autarquias de Lisboa e Porto. Esta conjugação possibilitou a constituição da maior e mais completa plataforma de informação a nível internacional, juntando os diversos actores da mobilidade e permitindo o desenvolvimento de um conjunto de tecnologias para uma imagem holística da cidade. No espaço de um ano, os investigadores do projecto CityMotion irão implementar nas cidades de Lisboa e Porto um protótipo de gestão inovadora da mobilidade que poderá alterar radicalmente os paradigmas da cidade.
“No espaço urbano há elementos que não conseguimos mudar, mas podemos gerir a envolvente digital que cada vez mais existe na cidade. Em vez de criar novos viadutos ou novas ruas, optimizamos a utilização dos recursos e infra-estruturas recorrendo a essa envolvente digital”, afirma Carlos Lisboa Bento, docente da Faculdade de Ciências e Tecnologia Universidade de Coimbra e coordenador da investigação. Um dos desafios importantes do projecto é a fusão dos dados provenientes de fontes muito heterogéneas, tais como os fornecidos por operadores de comunicações móveis, sensores, operadores logísticos e operadores de transportes públicos (autocarros e metro, p. ex.).
Esta plataforma integrada de informação em tempo real e com capacidade de detecção e previsão será muito útil, não só ao cidadão comum, mas também, às Forças de Segurança, Protecção Civil e Emergência Médica porque “em caso de catástrofe, terrorismo, incêndio e acidentes, podemos muito mais rapidamente percepcionar situações de risco eminente ou classificar um incidente, alertando de imediato a entidade ou entidades que lhe podem dar resposta como o INEM, a Polícia ou outros agentes”, refere Carlos Lisboa Bento.

in: www.transportesemrevista.com de 25 Ago/09

Dois anos de obras na Linha do Douro

As oito passagens de nível da Linha do Douro entre Caíde e Marco de Canaveses vão desaparecer. E os túneis de Caíde, Gaviara e Campainha serão reabilitados. A obra custa 70 milhões e começa nos primeiros meses de 2010.

O concurso público para a adjudicação das empreitadas de modernização dos troços Caíde-Livração-Marco de Canaveses já foi publicado em Diário da República. As propostas devem ser entregues até 19 de Outubro, sendo que a Refer espera ter a obra em marcha no primeiro trimestre do próximo ano. A empresa vai fornecer o material de via, avaliado em 4,9 milhões de euros, verba que não está contabilizada nos referidos 70 milhões de custo da obra, que deverá ficar pronta em dois anos.

O investimento é avultado, mas esgota-se nos 14,8 quilómetros de linha do Douro entre Caíde e o Marco. São cerca de 4,7 milhões de euros por quilómetro. Um investimento para garantir melhores tempos de percurso e maior segurança para os passageiros e para quem atravessa a via férrea.

"Esta intervenção inclui pequenas rectificações do traçado, a renovação integral da via, a sua electrificação, a remodelação das estações de Vila Meã, Livração e Marco de Canaveses e dos apeadeiros de Oliveira e Recezinhos, a construção de interfaces rodoferroviários, a beneficiação dos túneis de Caíde (1085 metros), Gaviara (258 metros) e Campainha (228 metros) e a supressão das passagens de nível ainda existentes", sintetiza a Refer.

O comunicado especifica que a empreitada possibilitará reparar as "diversas debilidades dos túneis", designadamente "ao nível dos dispositivos de drenagem". Nos troços enterrados, a via férrea será rebaixada para que a instalação da catenária não interfira com as abóbadas.

Das oitos passagens de nível existente, quatro (duas em Amarante e outras tantas no Marco) serão eliminadas no âmbito deste concurso lançado pela Refer. A empresa que ganhar o procedimento terá de construir um túnel rodoviário, uma passagem superior para peões e uma viaduto rodoviário com 170 metros de comprimento. Além disso, acrescenta a Refer, será responsável pelos necessários restabelecimentos de acessos (rodoviários e pedonais).

"Os restantes quatro atravessamentos [dois em Amarante, um em Penafiel e outro no Marco de Canaveses] serão suprimidos no âmbito de empreitada autónoma já adjudicada pela Refer", esclarece a empresa.

A Refer anuncia, ainda, que a modernização daquele troço também passa pela sinalização electrónica, o que "contribuirá para a optimização da oferta do transporte ferroviário, aumentando a sua capacidade, fiabilidade e segurança".

in: jn.sapo.pt secção "Porto" de 25 Ago/09

22/08/2009

Tua: um ano depois





*imagens RTP

STCP paga 19 mil euros de juros por dia

A STCP pagou, entre 2003 e 2007, 34,7 milhões de euros de juros ao banco - cerca de 19 mil euros por dia. A empresa só consegue sobreviver graças a empréstimos, dado o insuficiente e tardio apoio do Estado, constatou o Tribunal de Contas.

A situação mantém-se, até porque, de 2007 para 2008 (a auditoria já não analisou o ano passado), o passivo total passou de 274,7 milhões para 305,8 milhões e a empresa preparou uma nova operação bancária para equilibrar a dívida de curto prazo e a dívida de médio/longo prazo.

"Para além do financiamento público à exploração ser em montantes insuficientes, há ainda a acrescer a demora na entrega desses dinheiros às empresas [de transportes]", assinala uma auditoria realizada à STCP, sublinhando que o atraso do Estado na entrega do dinheiro leva a que parte da verba seja de imediato gasta com os juros dos empréstimos.

A complicada situação financeira da STCP mantém-se inalterada há muitos anos. Os sucessivos relatórios e contas da empresa sublinham a situação de falência técnica. A auditoria do Tribunal de Contas é clara: "Se a STCP não pertencesse ao sector empresarial do Estado, a sua continuidade seria posta em causa".

Os auditores alertam que o recurso ao endividamento bancário por parte da STCP, para ultrapassar o défice de apoio estatal, representa um mero adiamento do problema. "Esses empréstimos terão, inevitavelmente, e mais cedo ou mais tarde, de ser pagos. E o que se assiste é ao adiar do problema que se agrava continuamente, empurrando-o para gerações futuras", critica o texto da auditoria.

Nas recomendações, o documento sublinha que é preciso sanear financeiramente a empresa e estabelecer um contrato de financiamento do serviço público de transportes.

O tardio e insuficiente apoio do Estado, a concretização de investimentos com recurso a empréstimos bancários, a perda de receita e a falta de objectivos de gestão determinados aos sucessivos conselhos de administração (só em Maio de 2007 foi assinado um contrato de gestão com os responsáveis da empresa) são as principais razões apontadas pelo Tribunal de Contas para a "descapitalização" e para a "dependência financeira externa" da STCP.

Os auditores entendem que, apesar das dificuldades financeiras, a STCP presta um serviço "com padrões de qualidade cada vez mais satisfatórios". Destacam a "frota moderna e cómoda, de acesso fácil, nomeadamente para os possuidores de mobilidade reduzida", a "comunicação" e a "proximidade" com os clientes da empresa.

A avaliação do Tribunal de Contas não deixa, contudo, de apontar falhas ao serviço: o absentismo fez com que, em 2007, não se tenham realizado mais de 12 mil viagens e os abrigos "nem sempre têm as características ideais de conforto". Por outro lado, a auditoria considera que o tarifário intermodal é "excessivamente fragmentado e complexo", o que causa dificuldade aos passageiros e constitui uma barreira à entrada de novos clientes.

O Tribunal de Contas sublinha, também, que é urgente a entrada em funcionamento da Autoridade Metropolitana de Transportes e a criação de um "plano estratégico para a mobilidade da área metropolitana do Porto". Os auditores dão um prazo de seis meses para que as recomendações comecem a ser implementadas.

Entretanto, a partir de hoje e até ao próximo dia 8 de Setembro, os trabalhadores da STCP estarão em greve. Ainda assim, foram definidos serviços mínimos.

in: jn.sapo.pt secção "Porto" de 22 Ago/09

19/08/2009

Opinião: deveriam existir mais carreiras expresso


Ninguém gosta de esperar muito tempo por um meio de transporte. Ninguém gosta de perder muito tempo numa viagem. Para convecer alguém a deixar o seu carro em casa para usar o transporte público então, têm de existir alternativas que sejam fiáveis, económicas, rápidas e seguras.
O melhor meio de transporte é sem dúvida o ferroviário: seja o combóio, o metro, ou um sistema de eléctricos rápidos.
Em Lisboa a rede suburbana da CP é relativamente eficáz e abrangente. O Metro apesar de ser um excelente meio de transporte, tem ainda infelizmente, uma rede demasiado pequena para suprir as necessidades das populações, e não existe até ao momento um sistema de eléctricos rápidos.
Para quem precisa de atravessar a cidade como por exemplo, ir de Miraflores, ou do Restelo ao Oriente, resta-lhe apenas a alternativa autocarro.
Dada a extensão do percurso em carreiras como a 28 (Restelo/Portela), ou 750 (Algés/Est. Oriente), perde-se imenso tempo para chegar ao destino: não só pelos semáforos, ou eventuais filas de trânsito que possam existir, e que o transporte individual não pode escapar, mas sobretudo pelo imenso tempo que se perde nas paragens.
É incompreensivel que carreiras como a 28 e a 750 não tenham um serviço "Expresso" que permitisse únicamente servir as paragens mais importantes.
Mobilidade nos tempos que correm, é sinónimo de rapidez.

J.A.

17/08/2009

Eléctrico de Sintra voltou aos carris

O centenário Eléctrico de Sintra, que faz a ligação entre esta vila histórica e a Praia das Maças, voltou a circular durante o passado fim-de-semana. O eléctrico, que estava parado quase dois anos devido a obras de requalificação na linha, só irá circular aos sábados e domingos até Setembro, uma vez que o troço terá de ser alvo de novas intervenções. O objectivo é reabrir o serviço definitivamente em Abril de 2010. O eléctrico de Sintra foi inaugurado há mais de 100 anos, a 31 de Março de 1904. O percurso, com uma extensão de 8.900 metros, foi prolongado a 10 de Julho desse ano até à Praia das Maçãs, totalizando uma extensão de 12.685 metros. Mais tarde, o eléctrico chegou às Azenhas do Mar.

in: www.transportesemrevista.com de 17 Ago/09

13/08/2009

Metro Lisboa: linha vermelha encerrada


Os fins-de-semana de 15 e 16, 22 e 23 de Agosto, a linha vermelha do Metro de Lisboa estará encerrada para permitir a interligação com as futuras estações Saldanha II, e S. Sebastião II.
De acordo com o site da empresa, haverá autocarros da Carris a efectuarem todo o percurso correspondente ao troço encerrado (Alameda/Oriente) no horário compreendido entre as 6:30h. e a 1:00h, sendo aceite todos os títulos de transporte válidos para o metropolitano.
O percurso a efectuar pelas carreiras especiais da Carris será o mais próximo possivel das estações de metro correspondentes à linha vermelha, estando para o efeito assinalados com a indicação "Ao serviço do metro", bem como as referidas paragens.

09/08/2009

Comboios de passageiros vão parar "à porta" do metro

Os comboios de passageiros da linha de Leixões vão efectuar paragens, a partir de 2010, junto ao hospital de São João, Porto, para facilitar a interligação com a rede de metro, revelou hoje o administrador da CP Ricardo Bexiga.
Um dos pressupostos que alicerçou a decisão politica de abrir a linha aos passageiros tem por base precisamente o objectivo de "potenciar a intermodalidade", sublinhou o gestor, em declarações à agência Lusa.
Além do apeadeiro nas imediações do Hospital de São João - que ficará ligado à estação de metro por uma via pedonal de cerca de 200 metros - será construído um outro junto à Efacec, em Leça do Balio.

in: www.rtp.pt secção "País" de 9 Ago/09

06/08/2009

Porto e Faro ligadas pela Ryanair


Trata-se do primeiro voo doméstico operado pela Ryanair em território nacional.
A partir de 26 de Outubro o Porto e Faro passam a estar ligadas por uma companhia aérea de baixo custo.
Os voos serão operados às Segundas, Quartas, Sextas e Domingos.
A 27 de Outubro abrirão as rotas do Porto para Dusseldorf e Baden Baden.
Apartir de hoje será possivel adquirir os bilhetes para estas novas rotas, sendo que estarão disponiveis um milhão de bilhetes a um euro, taxas incluídas, em todas as rotas Ryanair para voos a realizar em Outubro e Novembro.

05/08/2009

Opinião: acções de fiscalização à vista de todos


Todos sabemos que alguns passageiros dos transportes públicos entram sem pagar bilhete.
É um fenómeno que ocorre em qualquer cidade do mundo desde os primórdios do transporte colectivo. Por isso, as empresas efectuam acções de fiscalização, e aplicam de acordo com a lei vigente, coimas a quem viaja sem título de transporte válido. Contudo, os agentes de fiscalização da Carris, de certo cumprindo rigorasamente as indicações da empresa, efectuam estas acções dando-se a mostrar a quem viaja no interior dos veículos da empresa.
Ponham-se no lugar de um passageiro sem bilhete. Se os fiscais entrarem nos veículos apenas quando estes param nas paragens, um individuo sem bilhete estará atento se na paragem seguinte estarão ou não agentes de fiscalização. Em caso afirmativo carrega no botão stop para sair, sem que haja a possibilidade de ser fiscalizado. Se em vez disso, os agentes entrassem em pontos intermédios sem a possibilidade de saída de passageiros, com certeza haveria menos gente a viajar na Carris sem bilhete.
Outra forma seria, os agentes entrarem à paisana e, identificarem-se sómente quando o veículo arrancasse.

J.A.

04/08/2009

Carris: dia 5 de Agosto alterações por motivos da Volta a Portugal em Bicicleta


Alterações nas carreiras Carris:
12 - Funciona em duas partes: Alcântara - M. Pombal (Hotel Fénix) e Sta Apolónia - M. Pombal (Av. Duque de Loulé).
22 - Efectua terminal na Av. Duque de Loulé.
36 - Funciona em duas partes: Odivelas ou Sr. Roubado - M. Pombal (Av. Duque de Loulé) e Cais Sodré - Rossio.
44 - Funciona em duas partes: Moscavide - M. Pombal (Av. Duque de Loulé) e Cais Sodré - Rossio.
53 - Funciona entre Centro Sul e M. Pombal (Hotel Fénix).
74 - Funciona em duas partes: Gomes Freire - M. Pombal (Av. Duque Loulé) e C. Ourique - M. Pombal (Rua Alexandre Herculano).
83 - Funciona em duas partes: Portela - M. Pombal (Av. Duque de Loulé) e Amoreiras - M. Pombal (Hotel Fénix).
702 - Funciona entre Serafina e M. Pombal (Hotel Fénix).
706 - Funciona em duas partes: Terreiro do Paço - M. Pombal (Rua Alexandre Herculano) e Sta. Apolónia - M. Pombal (Av. Duque Loulé).
709 - Funciona em duas partes: C. Ourique - M. Pombal (Rua Alexandre Herculano) e Terreiro do Paço - Rossio.
711 - Funciona entre Alto Damaia e M. Pombal (Hotel Fénix).
720 - Funciona em duas partes: Calvário - M. Pombal (Hotel Fénix) e Picheleira - M. Pombal (Av. Duque de Loulé).
723 - Funciona em duas partes: Algés - M. Pombal (Hotel Fénix) e Desterro - M. Pombal (Av. Duque de Loulé).
727 - Funciona em duas partes: Restelo - M. Pombal (Hotel Fénix) e Roma-Areeiro - M. Pombal (Av. Duque de Loulé).
732 - Funciona em duas partes: Caselas - Rossio e Hosp. Sta Maria - M. Pombal (Av. Duque de Loulé).
738 - Funciona em duas partes: Alto S. Amaro - M. Pombal (Hotel Fénix) e Qtª. Barros - M. Pombal (Av. Duque de Loulé).
745 - Funciona em duas partes: Prior Velho - M. Pombal (Av. Duque de Loulé) e Sta Apolónia - Rossio.
746 - Efectua terminal na Av. António Augusto Aguiar.
759 - Funciona entre Est. Oriente e Rossio.

Ainda em consequência desta situação, as dificuldades de trânsito deverão alastrar a outras zonas da cidade, podendo resultar em perturbações pontuais no funcionamento de outras carreiras.

in: www.carris.pt
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...
Custom Search