31/01/2009

Metro com decisão até Setembro

Se é pela Boavista ou pelo Campo Alegre, ainda não se sabe. Certo é que a ligação de metro entre S. Bento e Matosinhos-Sul arranca na segunda fase de expansão do Metro do Porto e vai ser levada a concurso até Setembro deste ano.
A linha vai ser integrada num pacote para concurso único com três linhas cujo traçado é consensual: Santo Ovídio - Vila D´Este; a segunda linha de Gondomar, que vai até Campanhã passando por Valbom; e a linha de S. Mamede, entre Vasco da Gama e a Asprela.
No caso da linha ocidental, será um grupo de trabalho, com representantes da Metro do Porto e da Câmara do Porto, a orientar os estudos necessários para decidir o essencial: por onde passa a linha que vai ligar Matosinhos Sul à estação de S. Bento, se é pelo Campo Alegre ou pela Boavista, em que pontos circulará à superfície ou enterrada. Jorge Morgado, da Metro do Porto, e o vereador Lino Ferreira, da Autarquia, vão liderar a equipa de seis pessoas.
O anúncio foi feito ontem por Rui Rio, no final da reunião da Junta Metropolitana do Porto (JMP) e, embora o autarca não se revelasse particularmente vitorioso - já que teve que abdicar de grande parte do memorando de entendimento pelo qual tanto se tem batido - foi claro quanto à satisfação pela calendarização conseguida.
"O Conselho de Administração [da Metro] tinha instruções para chumbar o memorando e ia passar a outra proposta [do ministro Mário Lino], mas com o Conselho de Administração partido, sem nenhum efeito prático", disse.
Daí que a JMP tivesse cedido para evitar um impasse: "Pondo uma pedra em cima da polémica, já disse vinte vezes que não cumprem [o memorando], o que é preciso é andar para a frente. Se é Boavista ou se é Campo Alegre, se é enterrado ou à superfície, se é enterrado total ou parcialmente, tudo isto são questões em aberto para quem não quer fazer o mais lógico, que é a Boavista".
Rio explicou que, enquanto administrador da Metro, votou a favor, "não por estar de acordo, mas para que o projecto do metro possa andar na medida do possível". Setembro é a data limite para o lançamento do concurso para a subconcessão da construção/manutenção pesada das quatro linhas da segunda fase da expansão do metro e, embora acreditando que a Metro do Porto definiu o prazo com "boa fé", Rui Rio deixou escapar não se surpreender se houver incumprimento.
"Acho que o Conselho de Administração da Metro está mesmo empenhado em cumprir. O que não me admirava era que, no âmbito das eleições de 2009, viessem ruídos partidários baralhar isto", afirmou.
O ponto da situação é, então, o seguinte: a primeira linha de Gondomar já foi adjudicada em Dezembro ao consórcio Somague/Soares da Costa/Mota Engil/Mon-te Adriano/Efacec no valor de 97, 5 milhões de euros; a linha da Trofa, em via dupla, será adjudicada em Fevereiro com arranque da obra em Março; e, em Setembro, entram em concurso as restantes linhas. A intenção é encurtar a execução da segunda fase, com fim previsto para 2018.

in: jn.sapo.pt secção "Porto" de 31 Jan/09

30/01/2009

Concessões para salvar Moveaveiro

A Moveaveiro - Empresa Municipal de Mobilidade de Aveiro, irá ser objecto de concessão, que implicará um investimento de 1,34 milhões de euros. O Plano Anual de Actividades e Orçamento de 2009, aprovado pela administração, prevê a concessão independente do Transporte Público de Passageiros’ (MoveBus)’, ‘Transporte Fluvial de Passageiros’ (MoveRia), ‘Estacionamento Onerosos de Superfície’ (MovePark) e ‘Transporte Ciclável Público de Aveiro’ (MoveBuga). O objectivo é fazer face ao passivo da Moveaveiro que ascendeu a 4,35 milhões de euros em 2008, um aumento de 188 mil euros do que no ano anterior. As previsões para 2009 apontam para valores ainda deficitários. Entre as novidades destaque para a recuperação dos táxis da ria com 37 mil euros inscritos no programa de investimentos. O passivo da Moveaveiro atinge os 4,3 milhões mas a empresa pretende receber cerca de 3,5 milhões, o valor pago pela concessão e os subsídios do Instituto de Mobilidade dos Transportes Terrestres (IMTT) para a compra de duas viaturas para transportes de deficientes e “50 por cento do valor do equipamento para a bilhética, deduzidos da correspondente reposição do exercício, bem como a reposição da parte referente ao valor da concessão por 10 anos, ou seja, 233 mil euros.” O orçamento estima uma previsão de quatro meses de remunerações com uma actualização de 2,9 por cento e a “reorganização derivada das concessões”. Os valores para 2009 baseiam-se na manutenção dos níveis de actividade do ano passado “acrescidos do valor estimado para os novos parques de estacionamento em parceria com a REFER”. Como proveitos suplementares, o orçamento refere que o aumento previsto “resulta das concessões, nomeadamente da MovePark, de 50 mil euros por mês e reposição da parte referente ao valor da concessão por 10 anos, ou seja 233.333 euros”. A Moveaveiro assegura actualmente o transporte em autocarros, incluindo escolar, no ferry e lanchas entre S. Jacinto e o Forte da Barra, serviço de Bugas, exploração e gestão de estacionamento, turismo e publicidade.

in: www.transportesemrevista.com/arquivo_passageiros.com de 27 Jan/09

Faro com mais duas rotas da Ryanair

A Ryanair vai inaugurar duas novas rotas a partir do Aeroporto de Faro, para Bremen na Alemanha, e Bournemouth no Reino Unido.
Com data prevista de 31 de Março, para o arranque das novas rotas, a Ryanair passa a dispor de onze rotas a partir do Algarve com destino para a Europa.

16/01/2009

AirFrance compra 25% da CAI

O grupo franco-holandês AirFrance-KLM comprou 25% da CAI (ex-Alitalia) por cerca de 300 milhões de euros.
O restante capital, está disperso por um grupo de empresários italianos, que salvou a Alitalia da falência.

12/01/2009

CP abre concurso para novos comboios

A CP recebeu recentemente autorização do Governo para renovar o seu parque de material circulante, obtendo permissão para comprar 74 novas locomotivas e carruagens de passageiros. Os novos comboios destinam-se às redes suburbanas de Lisboa e do Porto e do serviço regional, num investimento de cerca de 370 milhões de euros. Segundo declarações de Ana Paula Vitorino, secretária de Estado dos Transportes, ao Diário Económico, “na Linha de Cascais, serão investidos 180 milhões de euros, para a aquisição de 36 unidades, enquanto na linha do Sado, o investimento é de 25 milhões de euros para cinco unidades. O serviço urbano do Porto receberá oito unidades, cujo investimento é de 40 milhões de euros. Para o serviço regional irão 25 unidades, no valor de 125 milhões de euros". A razão da metade do investimento ser direccionada para a renovação da linha de Cascais, prende-se com o facto de alguns comboios já terem mais de meio século de existência, pois “ são comboios decentes em qualquer parte do mundo, têm ar condicionado, música, informações na hora (...) o grande problema é a manutenção, que além de ser muito cara, se depara com a falta de peças" declarou Francisco Cardoso dos Reis, presidente da CP, ao mesmo diário. No que respeita ao serviço regional, as unidades a adquirir serão automotoras a “diesel”, com possibilidade de posterior adaptação a alimentação eléctrica, sendo que estas unidades serão especialmente dirigidas aos serviços regionais das linhas do Algarve, Douro e Oeste. O concurso será dividido em dois lotes para os comboios suburbanos e regionais, havendo a possibilidade dos interessados concorrer a um ou aos dois lotes simultaneamente.

in: wwww.transportesemrevista.com/arquivo_passageiros de 12 Jan/09

Bragança com novas ligações aéreas

A partir de hoje a carreira aérea regional Bragança/Vila Real/Lisboa tem uma nova operadora. A Aero Vip vai passar a assegurar as ligações até 2011 e em cada ano vai receber mais de dois milhões de euros de subsídio do Governo.
No entanto, a empresa de aviação assegura que não terá condições financeiras para garantir voos se estiver mais de seis meses sem receber a compensação por parte do Estado.
Problemas semelhantes já se registaram com anteriores operadoras, como foi o caso da Aerocondor que durante vários anos assegurou a ligação aérea.
No início de 2008, a empresa começou a deixar de realizar os voos diariamente, alegadamente por dificuldades financeiras. O Governo retirou-lhe a concessão e desde Maio que as viagens eram feitas pela Aeronorte, a empresa que terminou a prestação do serviço na passada sexta-feira. Esta firma assegurou a carreira aérea regional durante cerca de oito meses e ainda não recebeu o subsídio correspondente que é de um 1,2 milhões de euros.
A nova operadora diz que se estiver mais de um semestre sem receber, não poderá continuar a assegurar a ligação. "É lógico que nós não estamos preparados para estar à espera mais tempo do que aquilo que está publicado no caderno de encargos", avisa o presidente do conselho de administração da Aerovip. "Nós temos 90 dias para apresentar um relatório que depois é apreciado pelas entidades competentes e depois há mais 90 dias para fazer a liquidação dos primeiros três meses" explica Pedro Leal, salientando que esperar "mais do que isso é insuportável porque estamos a falar em seis meses".
Esta é a primeira vez que a Aerovip faz linhas regulares e o presidente do conselho de administração mostra-se confiante que vão conseguir atingir, no primeiro ano de voos, os 75% de taxa de ocupação. "Sabemos que temos possibilidades de encher o avião" afirma Pedro Leal. "No caderno de encargos a ocupação [prevista] é de 55%, mas nós vamos tentar atingir mais", acrescenta o responsável.
A Aerovip vai operar com os aviões Dornier que adquiriu à Aerocondor e que apesar de terem 19 lugares. Os preço dos bilhetes mantêm-se nos 122 euros para ida e volta Bragança/Lisboa e os horários também não se alteram.

in: dn.sapo.pt secção "cidades" de 12 Jan/09

10/01/2009

Opinião: Os bons ensinamentos suíços!

A 2 de Fevereiro de 2008 fazia-mos referimento às boas práticas levadas a cabo pelos transportes públicos de Genébra. Na altura, na postagem colocada on-line dava-mos como exemplo, para além da excelente rede de transportes assegurada por uma frota moderna de autocarros e eléctricos, da estruturação da rede que permite responder com eficácia às necessidades dos utentes, e o facto de estes serem assiduos, rápidos, seguros, etc.
Fazia-mos referimento sobretudo, ao facto de os visitantes da cidade serem "brindados" com um bilhete válido para viajar na cidade durante o periodo de estadia, válido ainda para a viagem até ao aeroporto.
Pois bem! Tal descrição não podia estar mais de acordo com o exemplo vindo de outras cidades helvéticas. A exemplo Basileia: cidade fronteiriça com Freiburgo (Alemanha) e com Mulhouse (França), cujo aeroporto situado em área francesa serve as três cidades de forma eficiênte!
Também em Basileia, existe uma excelente rede de transportes composta sobretudo por eléctricos modernos. E os seus visitantes, recebem no hotel, hostel, (...), um bilhete para viajar gratuitamente na cidade durante a permanência. Uma verdadeira excepção a nivel internacional este exemplo suíço!
Mas o verdadeiro exemplo vem da forma como se exerce o controlo tarifário. O exemplo destacado serve práticamente toda a confederação helvética. Não existem validadores a bordo das viaturas. O passageiro pode entrar por qualquer uma das portas existentes, e sentar-se livremente. O motorista concentra-se únicamente na condução o que reforça a sua atenção, e consequentemente a segurança dos passageiros e a diminuição do tempo de viagem.
Nas paragens existem máquinas de compra de bilhetes, sem que haja o perigo de serem vandalizadas como aconteceria se fosse em Portugal!
No capitulo da fiscalização, diverge muito de países como Portugal ou Itália. Enquanto nestes, os fiscais são obrigados a vestirem farda e a identificarem-se, na Suíça não funciona assim! Por cá quando um passageiro viaja sem bilhete, está sempre atento quando aparecem os fiscais. Estes como estão identificados, permite que um passageiro sem bilhete na maíoria das vezes escape à multa, porque sai do veículo quando entram os fiscais.
Na Suíça, os controladores não se identificam: estão vestidos à paisana. Podem entrar em qualquer paragem como qualquer outro passageiro, começar a fazer o controlo dos bilhetes quando o veículo fecha as portas, o que evita a "fuga" dos passageiros sem bilhete.
Por outro lado, o controlador entra sozinho, mas dentro da viatura viaja um outro também à paisana para intervir no que for preciso.
Em Portugal ou na Itália, ou mesmo noutros países tal prática seria impossível. Quantos considerariam "um atentado às liberdades e garantias das pessoas ..."?! Quantos achariam "uma prática inconstitucional ..."?! Quantas assossiações para "defenderem os direitos dos utentes" surgiríam?
O nível de evulução de um povo vê-se pelas suas práticas que è reflexo da sua cultura!
Os bons ensinamentos suíços servem-nos a todos!

J.A.

09/01/2009

TUB com novos projectos para 2009

Os TUB – Transportes Urbanos de Braga prevêem implementar novos projectos no âmbito da mobilidade, na cidade de Braga, durante o corrente ano de 2009. Assim, a empresa municipal prepara-se para dar resposta ao estudo de mobilidade realizado em 2007 e criar um conjunto de novos serviços que pretendem facilitar a mobilidade dos seus clientes e dos habitantes bracarenses. Já em Janeiro será criada uma ligação directa entre a estação de caminho-de-ferro e a universidade do Minho, tendo sido adquiridas para o efeito cinco novas viaturas. Com a renovação de frota, os últimos veículos adquiridos nos anos 80 irão ser abatidos. Em Setembro vai também ser introduzido um novo sistema de bilhética que irá permitir criar passes intermodais entre os TUB, a CP e as operadoras rodoviárias privadas, que operam no concelho. Irão ser colocados sistemas electrónicos de apoio à exploração, em que através de sinalização existente nas paragens, o cliente poderá saber o tempo de espera do autocarro. O projecto de investimento dos TUB para 2009 inclui ainda a criação do projecto TUBiclas; este projecto permite que os clientes dos TUB possam transportar a sua bicicleta dentro dos autocarros e prevê também a instalação de sistemas para aparcamento de bicicletas em algumas paragens dos TUB. A longo prazo, o TUBiclas poderá dar origem a um sistema de aluguer de bicicletas tradicionais, bicicletas eléctricas e “segways”.

in: www.transportesemrevista.com/arquivo_passageiros de 6 Jan/08

08/01/2009

Algarve também quer Autoridade de Transportes

O presidente da Área Metropolitana do Algarve (AMAL), Macário Correia, também pretende que seja criada uma entidade destinada à coordenação da gestão dos transportes na região, tal como irá suceder em Lisboa e no Porto. O responsável da AMAL defende um modelo semelhante ao organismo criado para as Áreas Metropolitanas de Lisboa e Porto, composto pelo Estado, municípios e agentes transportadores, que faça a gestão de transportes na região. Na perspectiva de Macário Correia, a falta de coordenação entre os diversos meios de transporte no Algarve é «evidente», principalmente na zona central da região. «Cada empresa faz como entende e não há ninguém que coordene», acrescentou o presidente.

in: www.transportesemrevista.com/arquivo_passageiros de 8 Jan/09

06/01/2009

STCP cria nova linha para Vila d'Este

A partir de 11 de Janeiro haverá uma nova ligação para Vila d'Este em Vila Nova de Gaia na STCP.
A nova linha 907 sai da Boavista passa pelo Arrábida Shopping, Gaia Shopping, Coimbrões e Hospital Santos Silva terminando o percurso em Vila d'Este.
Entre 11 e 13 de Janeiro as viagens nesta linha são grátis.
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...
Custom Search