28/06/2010

Nova linha 208

A partir de hoje entra em funcionamento a nova linha 208 da STCP.
O percurso entre Sá da Bandeira e Aldoar é a mesma do actual 501 sendo que, passa a servir a Rua de Angola e o Centro de Saúde de Ramalde.
A linha 501 continua a fazer o mesmo percurso entre Sá da Bandeira e Matosinhos-praia apenas com duas alterações: deixa de servir a zona industrial de Ramalde, e passa a fazer o percurso pela Rua do Jornal de Noticias deixando de passar pela Rua Martim Moniz.

Hoje entram em vigor os horários de Verão com mudanças nas linhas 10, 69, 94, 200, 201, 202, 204, 205, 206, 207, 301, 302, 303, 304, 400, 401, 500, 501, 502, 504, 505, 506, 507, 508, 600, 601, 603, 604,  702, 703, 704, 705, 800, 804, 805, 806, 900, 902, 903,904.
As Sábados as mudanças ocorrem nas linhas 205, 300, 301, 302, 303 e 601. Aos Domingos nas linhas 500, 901, 902 e 906.


*brochura: stcp.pt

24/06/2010

Terceira fase da "Rede 7" arranca Sábado

A Carris arranca Sábado com a terceira fase da "Rede 7" anúnciou ontem a empresa em comunicado.
A reestruturação da rede começou em Setembro de 2006 com a primeira fase, cujo objectivo passava por uma melhor articulação com a rede do metropolitano.
Com a expansão da linha vermelha do metropolitano a S. Sebastião no ano passado a Carris vai mexer em vinte e seis carreiras. Assim,  a carreira 716 (antiga 16) vai ser encurtada a São Sebastião, enquanto a 740 (antiga 40) passa a terminar na Praça de Londres. A carreira 49 é encurtada a Entrecampos e a 713 altera o seu percurso e o terminal para o Arco do Cego. Já a 718 passa a terminar na Alameda D. Afonso Henriques (in publico.pt).
A carreira 78 passa a 778, e a 106 a 796. A primeira é incurtada no Alto da Faia, e a segunda passará a servir melhor a zona das Galinheiras.
Devido à quebra de procura as carreiras 21, 39 e 53 passam a ter uma frequência reduzida sendo que, esta última passará a ser identificada como carreira 753. Ao invés, as carreiras 723, 738 e 758 serão reforçadas.

in: carris.pt

23/06/2010

Trevo é a nova empresa dos urbanos de Évora

A Trevo é a nova empresa que passa a assegurar o serviço de transportes urbanos de Évora a partir do próximo mês de Julho, nos próximos dez anos. Detida pelo grupo Barraqueiro, a Trevo foi seleccionada pela autarquia eborense, após concurso público internacional, tendo investido três milhões de euros em autocarros, bilhética e equipamentos de apoio aos passageiros. A empresa conta com uma equipa de 42 profissionais.


A frota é constituída por 24 autocarros novos, de dimensões compactas, incluindo 12 veículos do modelo Otokar Vectio 2500LE, fabricados na Turquia e que fazem a sua estreia no nosso país, além 13 de mini-autocarros transformados a partir de chassis Iveco Daily pela empresa portuguesa Irmãos Mota. A decoração das viaturas foi efectuada pela Colorbus. Todos os veículos estão equipados com motores que cumprem a norma ambiental Euro 5.

A rede é constituída por dez linhas que estabelecem ligação entre as zonas norte (Canaviais, Bacelo, Louredo) e a sul (Horta das Figueiras, PITE, Almeirim) da Cidade de Évora. O serviço permite ainda a ligação entre os hospitais da cidade e as principais escolas do concelho.

in: http://www.transportesemrevista.com/ de 23 Jun/10

22/06/2010

Metro do Porto em operação contínua na noite de S. João

A Metro do Porto prepara um serviço contínuo na noite de 23 para 24 de Agosto nos festejos de S. João.
As linhas "A", "B", "C" e "D" oferecem um serviço continuo de, e para o centro dos festejos, com um reforço das composições a partir das 20h.
A linha "E" que liga o Estádio do Dragão ao Aeroporto é a única que deixará de operar a partir da 1h.
A empresa recomenda a compra antecipada do título de viagem para evitar filas de espera, sendo que, os mesmos são válidos dentro das respectivas zonas nos autocarros da STCP, nas composições da CP, e em algumas linhas de operadores privados.

18/06/2010

Transportes aumentam 1,2% em Julho


Os tarifários dos transportes colectivos de Lisboa e Porto, e interurbanos até 50 km's vão ser actualizados em 1,2% a partir de 1 de Julho próximo.
A decisão foi anúnciada pela tutela que refere, já reflectir o aumento do IVA.
Refira-se que há dois anos que não se verificava qualquer aumento nos transportes urbanos. A decisão decorre de uma fórmula de cálculo aprovada em 2006 e que, entre outros, contabiliza a variação do preço dos combústiveis, e custos com pessoal.

17/06/2010

Ryanair provoca TAP ao oferecer viagem a Fernando Pinto

Ryanair e TAP entraram hoje em conflito directo, depois de a low-cost irlandesa ter oferecido um bilhete de avião ao presidente da companhia de aviação nacional, convidando-o a “experimentar a eficiência e pontualidade da companhia líder em tarifas baixas".

Em comunicado, a Ryanair destaca a "visível perda de popularidade da TAP no aeroporto do Porto", onde agora detém uma quota de mercado 32 por cento, o que a coloca em segundo lugar em termos de tráfego aéreo por uma ligeira diferença de 33 passageiros.

A companhia de aviação irlandesa salienta que viu o seu tráfego crescer 40 por cento em relação ao período homólogo, “o que se deveu às tarifas mais baixas praticadas, à menor taxa de bagagem perdida e à melhor pontualidade da Europa”.
Em tom de provocação, decidiu oferecer ao presidente da TAP um bilhete gratuito para que Fernando Pinto “possa experimentar a eficiência e pontualidade da companhia líder em tarifas baixas”.

Além disso, para “celebrar o declínio da popularidade da TAP no aeroporto Sá Carneiro”, vai disponibilizar bilhetes a dez euros a partir da meia-noite de hoje e válidos até à meia-noite de segunda-feira, dia 21, refere o comunicado.

Em reacção, a TAP respondeu que "tem um modelo de negócio baseado na qualidade e na preocupação em proteger os seus passageiros em todas as circunstâncias", acrescentando que respeita as companhias que "seguem outros modelos".

Acrescenta ainda que "tem vindo a merecer a crescente confiança dos mercados em que opera, com crescimentos acima da média da indústria, conforme se verifica também nos primeiros cinco meses de 2010".

E termina apontando o caso de alguns passageiros de uma transportadora aérea low-cost (cujo nome não revela) que, por causa dos constrangimentos provocados pela erupção de um vulcão na Islândia, "adquiriram bilhetes da TAP, queixando-se de não terem tido qualquer protecção no período de encerramento do aeroporto, nem qualquer indicação de quando poderiam voar para os respectivos destinos".

A Ryanair já se envolveu em polémicas como esta no passado. Uma das mais conhecidas envolveu o presidente francês, Nicolas Sarkozy, e Carla Bruni, cuja imagem foi utilizada pela empresa numa campanha de publicidade.

A low-cost foi processada pelo casal e obrigada a pagar uma multa de 60 mil euros. O facto de este caso se ter arrastado até aos tribunais acabou por surtir um efeito positivo para a marca Ryanair, pelo número de notícias geradas em redor do processo.

in: publico.pt secção "Economia" de 17 Jun/10

14/06/2010

Ryanair com novas rotas a partir do Porto


A partir de Novembro a Ryanair terá novas rotas a partir do Porto, anúnciou hoje a companhia em comunicado.
Ao todo são sete as novas rotas a partir do Aeroporto Sá Carneiro onde, a Ryanair tem uma base instalada desde Setembro 2009, e ainda um novo avião a sediar naquele aeroporto.
Os novos destinos são: Barcelona (El Prat) com catorze voos semanais; Bolonha, Bremen, Maastricht e Marrakesh com três voos semanais; e Munich West (Memmingen) e Valência com duas ligações semanais.
Com as novas ligações a companhia low-cost pretende elevar para dois milhões e meio de passageiros/ano de, e para o aeroporto nortenho.

Greve dos maquinistas da CP


Entre hoje e quarta-feira comboios rápidos, regionais e urbanos podem sofrer atrasos, ou mesmo serem suprimidos devido à greve convocada pelo sindicato de maquinistas da CP.
Nos suburbanos da Grande Lisboa a paragem das composições é total entre as 21:30 de hoje e as 14h de amanhã.
No Porto a CP vai garantir transportes alternativos até às 16h.

12/06/2010

Alterações da Carris durante as festas de Lisboa


A partir das 18h. de hoje na zona de Alfama haverão algumas restrições à circulação de transportes nomeadamente, às carreiras da Carris.
Assim, as carreiras 37, eléctrico 12 e Ascensor da Bica não estarão em funcionamento a partir daquela hora.
A partir das 20:30 será suprimido o serviço do eléctrico 28.
Algumas carreiras que passam pelas ruas Diogo Couto e Bica do Sapato serão desviadas até Santa Apolónia pelo viaduto de seguimento da Rua Mouzinho de Albuquerque até à Av. Infante D. Henrique.
As carreiras 35, 759, 794, 206 e 210 poderão seguir identico percurso caso se verifique congestionamento na Rua Jardim do Tabaco e na Rua dos Caminhos de Ferro.
O eléctrico 15 poderá ser cortado entre o Cais do Sodré e a Praça da Figueira se se verificar congestionamento naquele troço.
No domingo durante a missa em honra de Santo António a partir das 11h, e à tarde durante a procissão (a partir das 15:30h) a carreira 37 aguarda na Praça da Figueira e os eléctricos 12 e 28 realizam percurso entre o Martim Moniz e o Largo da Graça sendo que, o eléctrico 28 fará igualmente a ligação entre os Prazeres e a Praça Luís de Camões.

O Metropolitano de Lisboa prolonga o serviço nas linhas azul e verde até próximo das 2h da manhã. As estações Santa Apolónia, Terreiro do Paço, Baixa-Chiado, Restauradores, Avenida e Marquês de Pombal da linha azul, e Cais do Sodré, Baixa-Chiado, Rossio e Martim Moniz da linha verde permitem a entrada e saída de passageiros, as restantes estações só a saída.

A CP por seu turno, terá comboios com partida do Cais do Sodré em direcção a Cascais e do Rossio em direcção a Sintra às 2:30h, 3:30h, e 4:30h.

10/06/2010

Nova campanha de comunicação da Carris

A Carris lançou hoje uma nova campanha de comunicação dirigida a actuais e novos clientes. A campanha está presente em anúncios de tv, spots de rádio, jornais, e nos autocarros da empresa. A Carris tem por objectivo incentivar o cidadão para o uso do transporte colectivo em detrimento do individual promovendo um ambiente sustentável, dar a conhecer o posicionamento da empresa e reforçar a sua marca, promovendo os serviços junto dos lisboetas.

07/06/2010

Carris lança passe anual


A partir de Julho passa a estar disponivel para os clientes da Carris um novo passe anual.
À semelhança do que acontece noutros países, os clientes podem adquirir um passe válido para um ano inteiro.
A empresa lisboeta oferece dois meses na aquisição deste título, ou seja, o cliente paga o correspondente a dez meses, mas usufrui doze.
O passe, de acordo com os tarifários em vigor, será de 226€ para o título urbano, e de 277€ para o título suburbano.

02/06/2010

Espanha adia troço TGV

O Ministério do Fomento Espanhol decidiu adiar o lançamento das propostas para a construção da linha de alta velocidade que ligará Madrid à fronteira portuguesa.
O adiamento do lançamento das propostas não indica contudo, segundo fontes oficiais do Ministério do Fomento espanhol, que haja qualquer adiamento da data para a inauguração da ligação Madrid/Lisboa prevista para 2013.
Esta decisão prende-se com as medidas de austeridade já anúnciadas pelo executivo espanhol, ou seja, na avaliação do impacto económico das grandes obras públicas no país vizinho.

Privados vão construir e pagar quatro linhas do Metro do Porto

A Metro pretende que sejam os privados a suportar a construção de quatro linhas da segunda fase de expansão da rede. A obra custa mais de 900 milhões. Face à situação de falência técnica da empresa, Ricardo Fonseca não quer agravar o endividamento.

O presidente da Metro afirmou, ontem, que a "subconcessão" da construção e exploração das linhas de S. Mamede, do Campo Alegre, de Valbom e o prolongamento da Linha Amarela a Vila d'Este (Gaia) "é a única forma de avançar com obras sem o agravamento do endividamento" da empresa. Após sucessivos adiamentos, o concurso público, que seleccionará o parceiro privado, deverá ser aberto até ao final do ano.

"Há um desvio [em relação ao calendário estabelecido], porque há muitas questões sobre o traçado das linhas que estão a ser ultrapassadas no diálogo com as autarquias. Avançar com nova data para lançar o concurso é arriscado, mas penso que ainda este ano será lançado", sublinhou Ricardo Fonseca, no final da reunião na Câmara do Porto para mostrar os traçados das futuras linhas.

Até ao momento, a Metro não recebeu qualquer sinal do Governo para suspender a expansão da rede, apesar da informação prestada, no mês passado, pelo gabinete do ministro António Mendonça de que serão reavaliados os investimentos das empresas tituladas pelo Ministério das Obras Públicas. "Estamos a trabalhar na convicção de que não haverá paragem", adianta. O sufoco financeiro que vive a empresa por falta de apoio do Governo é uma preocupação. Essa carência, que tem sido expressa nos relatórios e contas da Metro, é agora confirmada pelo Tribunal de Contas.

Passivo de dois mil milhões

A auditoria aos exercícios financeiros de 2003 a 2007 conclui que a empresa está "descapitalizada", em "falência técnica" e com um "crescimento exacerbado da sua dívida", pois a construção e a exploração da rede "assentam, maioritariamente, no endividamento". Em 2007, o passivo totalizava 1,6 mil milhões de euros. No final de 2009, superava os dois mil milhões de euros. O Tribunal entende que, se o endividamento não for contido, "empurrará a Metro para uma situação económica e financeira insustentável", podendo colocar em causa a qualidade do serviço prestado.

Daí a opção pela parceria público-privada para cumprir a segunda fase de expansão. "O consórcio que ganhar o concurso arranjará forma de financiar-se para construir as quatro linhas. Em termos de dinheiros públicos, só estão garantidos 100 milhões de euros do QREN", explicou Ricardo Fonseca. O custo total da segunda fase supera os 1,2 mil milhões de euros, sendo que essas quatro linhas orçam mais de 900 milhões.

Com recurso a empréstimos bancários e com os 100 milhões comunitários, a empresa está a prolongar a Linha Amarela até Santo Ovídio (Gaia), a construir a primeira linha de Gondomar e suportará a ligação até à Trofa.

Pagos 21 cêntimos por cliente

O Tribunal de Contas não tem dúvidas de apontar responsabilidades à Administração Central. Até Julho de 2008, só 24% do investimento realizado pela empresa tinha financiamento público.

E as indemnizações compensatórias chegam "tardiamente" e ficam "muito aquém" dos custos da exploração. Em 2007, a Metro contabilizou um prejuízo de três euros por passageiro, embora tenha cada vez mais clientes. O subsídio estatal pagou só 21 cêntimos do prejuízo por utente.

in: jn.sapo.pt secção "Porto" de 2 Jun/10
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...
Custom Search