30/09/2008

Ligação de ferryboat entre Continente e Madeira : Estudantes e residentes poderão usufruir de subsídio

Os estudantes e residentes na Madeira poderão vir a usufruir, a partir do próximo ano, de um subsídio nas suas viagens de barco entre o Continente e aquela Região Autónoma. O subsídio, já existente para as viagens aéreas, poderá ser extensível às viagens de barco. Segundo fonte do DN Madeira, a secretaria Regional do Turismo e Transportes, Conceição Estudante, já apresentou a proposta à sua congénere, Ana Paula Vitorino, aguardando agora uma contraproposta por parte da secretaria de Estado dos Transportes. De acordo com Conceição Estudante, o valor do subsídio poderá mesmo vir a ser superior ao que se encontra em vigor para as viagens de avião. O valor actual nestas deslocações é de 30 euros em viagens de ida e 60 euros nas viagens de ida e volta. Se for aprovado, o diploma deverá estar pronto no próximo ano. Recorde-se que em Julho passado foi inaugurada a ligação marítima, em ferryboat, entre o Continente (Portimão), Madeira e ilhas Canárias.

in: www.transportesemrevista.com/arquivo_passageiros

Expansão da rede do metro do Porto já não vai passar na Boavista

Era a grande aposta de Rui Rio, mas a linha de metro na Avenida da Boavista não será contemplada no projecto de expansão da rede, cujas linhas serão amanhã apresentadas pelo ministro Mário Lino aos autarcas da Junta Metropolitana do Porto (JMP).

As novas ligações que avançarão com a segunda fase de construção de rede do metropolitano prevêem uma nova linha entre Matosinhos e o centro do Porto, com passagem pela zona da Foz e Campo Alegre até à estação de São Bento. Outra nova linha, entre a Senhora da Hora e o Hospital de São João, por São Mamede de Infesta, e uma ligação ao centro de Gondomar, pela zona de Valbom, são outras opções acolhidas pelo Governo. Para além destas três novas linhas, o projecto de expansão inclui ainda as já projectadas ligações à Trofa, estendendo a ligação até à Maia actual, e o prolongamento da linha de Gaia até Laborim.

Nos últimos dias, Rui Rio vinha-se desmultiplicando em declarações muito críticas para o Governo e a administração da Metro do Porto, que acusava de não cumprir com os compromissos anteriormente assumidos e de manter os autarcas à margem do processo de expansão da rede.

Durante a última reunião da Câmara do Porto, Rio disse mesmo ter informações vindas do interior do Ministério das Obras Públicas, segundo as quais o Governo "jamais faria a linha da Boavista antes das eleições legislativas". O autarca chegou até a classificar o comportamento da administração da Metro como "miserável", por não prestar qualquer informação aos autarcas - que integram a administração da empresa como membros não executivos - e a sugerir que esta atitude estava a ser seguida em articulação com o Governo. A questão da linha da Boavista parece ser o ponto sensível nas relações recentes entre o presidente da JMP e o Governo, até porque foram já executadas obras naquela artéria, antevendo a passagem do metro (ver caixa).

Perante o quadro traçado pelo Governo para a segunda fase da rede do metropolitano, a interrogação que se coloca agora é saber como irá reagir o líder da JMP, que vinha argumentando com a sustentabilidade de um estudo feito pela Faculdade de Engenharia da Universidade do Porto. Durante as negociações com o Governo, Rio sempre se mostrou intransigente em relação ao traçado da Avenida da Boavista, cujos estudos estavam já concluídos. O Governo, no entanto, contrapunha com a necessidade da realização de novas avaliações técnicas onde fossem contempladas alternativas ao traçado da Boavista, numa perspectiva integrada para a segunda fase.

Gondomar por Valbom
O traçado que o Governo vai avançar como alternativa à Boavista arranca da praia de Matosinhos, passa pela zona do Castelo do Queijo e atravessa a área da Foz por uma zona interior paralela à Avenida do Brasil. Servirá depois a Universidade Católica/Pr. do Imprério, a zona da Pasteleira, seguindo para o pólo universitário do Campo Alegre. O metro circulará depois pelo Palácio de Cristal e Hospital de Santo António antes do terminus na Estação de São Bento.

Embora não estivesse prevista no memorando assinado em 2007 entre a JMP e o Governo, a solução para a segunda fase avança também com uma linha que ligará Senhora da Hora ao Hospital de São João. A ideia é servir as populações do corredor que passa por São Mamede de Infesta, aproveitando parte do já existente canal ferroviário de mercadorias que liga Campanhã ao Porto de Leixões.

Quanto à solução para ligar ao centro de Gondomar, a opção vai pela construção de uma nova linha, em vez do prolongamento do troço entre o Estádio do Dragão e Venda Nova, cujo concurso está já na fase final. A ligação a Gondomar arrancará da zona da Avenida Fernão de Magalhães, passa por Campanhã e Valbom, e entra naquele concelho pela zona sul, como sempre foi reivindicado pelos autarcas e dirigentes do PS.

(...)

in: publico.clix.pt secção "Local" de 30 Set/08

29/09/2008

Consulte os horários e preços dos comboios a partir do telemóvel


A CP disponibiliza uma nova aplicação para telemóveis e PDA's com suporte Java, Windows Mobile e GPRS, e que permite a consulta dos horários da empresa de forma actualizada em qualquer momento e lugar.
Entre as opções disponíveis estão: a consulta dos horários, estações de partida e de chegada, datas de viagem, qualidade do serviço Alfa Pendular, Intercidades, Regional ou Urbano, tempo total de viagem, número de transbordos, estações onde é necessário efectuar os transbordos incluindo as respectivas horas de chegada e partida, preço, etc.
Pode fazer o download da aplicação ou enviar um SMS (custo de 0,50€) para o número 4010 com o texto “cpmobile” no caso dos telemóveis ou “cpmobile pda” no caso dos PDA’S, recebendo de seguida um sms com o link da aplicação.
O software é disponível em Português, Inglês, Alemão, Francês e Espanhol (configurável localmente na aplicação).

*Para Pocket PC faça o download directamente do site da CP clicando no título da postagem.

27/09/2008

Projecto piloto para o Benfica X Sporting de hoje


A Câmara Municipal de Lisboa, o Sport Lisboa e Benfica e o Sporting Club de Portugal, em articulação com o Ministério dos Transportes e a PSP, a Carris e o metropolitano estão a levar a cabo uma acção com vista a reduzir a intensidade de tráfego para os jogos de futebol, com o objectivo de sensibilizar os adeptos a fazerem uma maior utilização dos transportes públicos.
Ainda no âmbito de um projecto piloto, o derby de hoje entre o Benfica e o Sporting terá fortes restrições de trânsito para o local do jogo. Assim, a Carris oferece um reforço das carreiras para o Estádio da Luz, ou seja, da carreira 750 (Praça José Queiróz/Algés) e a carreira 767 (Campo Mártires da Pátria/Damaia). Por seu lado, o metro terá frequência máxima como em horas de ponta.
Quem utilizar automóvel, pode usar gratuitamente os parques de estacionamento das Laranjeiras, Parque, Entre Campos, Cidade Universitária e Areeiro, próximos às estações do metro.
Em alternativa podem utilizar os parques do Marquês de Pombal e da Alameda, pagando a tarifa fixa de dois euros por seis horas.

26/09/2008

Ryanair com uso de telemóvel a bordo


A companhia irlandesa de voos low-cost Ryanair, juntar-se-á dentro em breve a um grupo restrito de companhias aéreas que permitem o uso do telemóvel a bordo.
Tudo indica que dentro de duas semanas, a companhia inicie de forma experimental este novo serviço, e que permitirá fazer chamadas, enviar e receber sms's e mms's, e usar a internet e outros serviços associados ao operador móvel do cliente.
O custo de uma chamada é de 2,5€ ao minuto.
Para além da Ryanair, actualmente também a TAP e a AirFrance oferecem este serviço.

Governo dá luz verde à linha de Metro de Gondomar

A Linha de Metro de Gondomar já foi "autorizada" pelo Governo, anunciou, esta sexta-feira, Rui Rio, presidente da Junta Metropolitana do Porto, reafirmando a exigência do cumprimento do memorando de entendimento, assinado em Maio de 2007.

Em conferência de imprensa, Rui Rio disse ter sabido, de forma "oficiosa" através do Ministério das Obras Públicas (MOP), que esta linha foi autorizada pelo Governo terça ou quarta-feira.

"Já esta semana foi finalmente autorizada a Linha de Gondomar. Já estava decidido quem ganhava o concurso, estava apenas à espera de autorização, que já devia ter vindo há muito tempo", enfatizou Rui Rio, que admite tratar-se de "uma boa notícia" que torna "o entendimento [entre governo e JMP] mais fácil".

No final da reunião mensal da JMP, o autarca do Porto afirmou também que o Conselho de Administração (CA) da Metro do Porto nos últimos meses, teve um "funcionamento negativo", frisando que "os três administradores (não executivos/autarcas) não estão capazes de dizer exactamente o que se passa" e que "não fazem parte do grosso das decisões"

Segundo referiu, para os autarcas da JMP "é claro que neste momento há incumprimento" do memorando por parte do Governo. O acordo assinado em Maio de 2007 "está apenas cumprido" por parte da JMP.

"Cedemos o capital e a maioria no CA em troca das obras e as obras não estão feitas", sustentou Rio, lembrando que "neste momento, já devia estar no terreno, a começar a avançar, a linha da Trofa e a da Boavista".

Rui Rio garantiu que esta posição de desagrado relativamente ao incumprimento do memorando é "unânime" na JMP.

Sobre o incumprimento do acordo sustentou que "não é preciso haver unanimidade", porque "isso é factual". "Está definido no documento em bom português aquilo que tem de ser feito", acrescentou.

Os autarcas da JMP vão reunir-se, quarta-feira de manhã, com o ministro das Obras Públicas, Mário Lino, tendo por objectivo o cumprimento do acordo.

"Se [o Governo] não cumpre o acordo, nós não nos vamos calar, continuaremos a defender as populações", disse Rio, apontando como consequência directa dessa luta o "desgaste" deste Governo.

O autarca adiantou ainda saber, através de informações que recebeu do Ministério das Obras Públicas, que a Linha da Boavista "não começará antes das eleições autárquicas por razões de carácter partidário".

"Isto vale o que vale, quem o diz não o diz em público, mas aquilo que eu vejo é que os factos apontam para que isso possa ser uma realidade", afirmou. "No caso concreto da Câmara do Porto, esta situação é intolerável", disse.

O memorando de entendimento, assinado a 21 de Maio de 2007, definiu a nova composição do Conselho de Administração do Metro do Porto e adiantou uma previsão para a calendarização da segunda fase das obras do metro portuense.

Esta segunda fase prevê a expansão da rede do metro do Porto através das linhas de Gondomar, da Trofa, da zona Ocidental do Porto (Boavista) e da extensão da linha de Gaia até Laborim.

in: jn.sapo.pt secção "Porto" de 26 Set/08

25/09/2008

Acordo entre CAI e sindicatos


O acordo para o nascimento da nova Alitalia foi conseguido hoje entre a CAI (Companhia Aérea Italiana), que reúne um grupo de empresários italianos (Atlantia, Intesa Sanpaolo, Aponte, Immsi, Riva, Toto, Fratini, FonSai, Clessidra, Equinox, Marcegaglia, Caltagirone Bellavista, Gavio, Fossati, Maccagnani e Tronchetti Provera), e os sindicatos CISL, UIL, UGL, e também a CGIL que tinha há alguns dias atrás regeitado as propostas da CAI, colocando em causa a sobrevivência da companhia.
Hoje com a intermediação do governo, a CAI e sindicatos assinaram o acordo que prevê a aquisição de sessenta novos aparelhos aéreos até 2013, dezasseis dos quais já em 2009, baixando a idade média da frota dos actuais 12,4 anos para os 8 em 2013, num investimento total de 1,7 biliões de euros.
Em 2013 a CAI terá cento e cinquenta e oito aviões, tendo também em conta a fusão com a companhia aérea AirOne, e abrirá cinco novas rotas intercontinentais (Rio de Janeiro, Dakar, Pequim, Xangai e Seúl), num total de cento e trinta e sete rotas nacionais e internacionais.
Contudo, falta o sim dos pilotos e dos assistentes de voo, que prometem dar uma resposta ao plano da CAI nas próximas horas.
Em aberto está também a participação de uma companhia estrageira, que terá uma participação minoritária de 10 a 20%, entre as interessadas poderão estar a AirFrance, a Lufthansa e a Britishairways.

23/09/2008

Nova plataforma de informação abordo dos autocarros da Carris


A Carris apresentou por altura do seu 136° aniversário no passado dia 18, 40 novos autocarros: 20 deles articulados, e 20 de modelo standard. Por outro lado, está a concurso público a aquisição de 40 novos veículos, a entregar no primeiro semestre de 2009. Estes modelos apresentam todos, piso rebaixado, rampa de acesso para deficiêntes com abertura telocomandada pelo motorista, representando um total de 35% da frota equipada com estas caracteristicas, e emissões de CO2 reduzida, cumprindo desta forma, as directivas comunitárias, sendo os autocarros equipados com motor EURO 5.
Uma novidade introduzida nos autocarros da Grande Lisboa, é a informação visual e sonora no interior dos veículos sobre a paragem seguinte. Desta forma, planear a viagem é mais fácil: para os deficiêntes visuais e auditivos terão uma informação mais completa sobre o percurso. Para os outros utentes, que simulem os percursos na internet por exemplo, será mais fácil seguirem as indicações do simulador on-line.
Esta prática tem vindo a ser seguida um pouco por toda a Europa. Em Portugal, disponível em toda a frota da STCP (Porto) desde o ano 2000. A Carris por seu turno, disponilizava este serviço nos eléctricos articulados. Agora é a vez dos autocarros.
Todavia, representa ainda, uma percentagem pequena face à frota da empresa de cerca de 800 autocarros, ou seja, cerca de 5%. Por isso, é de esperar que a Carris instale a curto prazo na restante frota a indicação visual e sonora sobre as paragens seguintes à semelhança do que acontece no metropolitano, ou nos comboios da CP.

J.A.

Fim da Alitalia pode estar por horas


O comissário da Alitalia Augusto Fantozzi fáz o aviso: se até 30 de Setembro não chegar uma proposta de salvação da empresa, esta fechará.
Depois de falhado o acordo entre a CAI e os sindicatos, a Alitalia tenta uma nova solução para a empresa com uma parceria estrangeira.
O primeiro-ministro Silvio Berlusconi que em campanha eleitoral prometeu a salvação da companhia, acusou a CGIL (um dos principais sindicatos) de ser a responsável pelo fracasso das negociações. Esta por sua vez, admite voltar a negociar com a empresa.
Contudo, depois de declarada a falência da Alitalia, esta continua a voar com uma licença especial, que pode caducar já na quinta-feira, deixando toda a frota da companhia em terra.

*A IpsisNet aconselha todos os utentes que tenham adquirido um bilhete para voar na Alitalia, a pedir a devolução do dinheiro junto dos balcões da companhia, ou nas agências de viagens, e não adquirir bilhetes para voar nos próximos dias, com risco dos aviões ficarem em terra!

22/09/2008

Cartão "Lisboa Viva" dá desconto


Hoje dia 22 de Setembro, todos os utilizadores dos transportes públicos da região de Lisboa, e que sejam portadores do cartão "Lisboa Viva" terão 50% na entrada do Oceanário de Lisboa. Para o efeito, aos interessados basta mostrar o cartão para terem direito ao desconto.
No entanto, a redução do preço do bilhete é válida únicamente no dia de hoje.

Carris cria mais duas carreiras para transporte de bicicletas


Na semana da mobilidade, a Carris apresenta mais duas carreiras onde é possivel transportar a bicicleta gratuitamente.
Depois das carreiras 708 (Martim Moniz/P. das Nações) e 723 (Algés/Desterro), agora é a vez das carreiras 24 (Alcântara/Pontinha) e 25 (Prior Velho/Estação do Oriente) a permitirem o transporte de bicicletas aos fins-de-semana e feriados. Para isso, as carreiras da Carris que servem estas linhas terão um espaço para a arrumação da bicicleta.
Também o metropolitano de Lisboa permitirá o transporte gratuito de bicicletas diáriamente a partir das 20h.
Por seu turno, a unidade de urbanos e Regionais da CP permitirá o transporte gratuito de bicicletas, em qualquer horário, mas somente nas carruagens assinaladas para o efeito.

20/09/2008

Serviço sms para invisuais


Depois da STCP ter implementado em 2004 o serviço de sms para que os utentes podessem saber quanto tempo demora a chegada do autocarro, em 2008 o serviço alarga-se aos utentes com deficiência visual.
Em colaboração com a Vodafone, a empresa desenvolveu um software capaza de traduzir para voz, cada sms recebido com a informação sobre o tempo da chegada do autocarro.
Cada paragem terá um código de identificação em braille, que o utente deverá enviar por sms, recebendo então, uma resposta via sms, que o software traduz para voz.
O projecto foi apresentado hoje no âmbito da Semana Europeia da Mobilidade, e é único no país, e um dos poucos a nível mundial.
O projecto será implementado de forma faseada, e permitirá a formação dos motoristas da empresa para um melhor etendimento dos utentes invisuais, formação esta que será assegurada pela ACAPO (Associação dos Cegos e Amblíopes de Portugal), com a qual a STCP tinha celebrado a 18 de Setembro de 2007 um protocolo.

19/09/2008

"Lisboa by night"


"Lisboa by night" é uma iniciativa conjunta da CP, Carris, Metro, Transtejo e Soflusa, para oferecer a todos os utentes dos transportes colectivos da capital, uma maior oferta nas noites de Sextas e Sábados, e vésperas de feriados nos locais de diversão nocturna.
Segundo os promotores da iniciativa: "Promovendo a utilização de Transporte Público pretende-se igualmente reduzir a taxa de sinistralidade, devido ao habitual excesso no consumo de bebidas alcoólicas e disciplinar o tráfego rodoviário."
Deste modo, a CP disponibilizará um comboio pelas 4:30h entre Cais do Sodré e Cascais, Rossio-Sintra e Santa Apolónia-Alverca.
Por seu turno, a Carris implementará duas carreiras de autocarros gratuitas. A "CARREIRA 1 - NIGHT BUS" (BAIRRO ALTO - MARQUÊS DE POMBAL/BELÉM [EST. FLUVIAL]), e a "CARREIRA 2 - NIGHT BUS" (EIXO RIBEIRINHO - CAIS DO SODRÉ/ALCÂNTARA MAR). Ambas funcionarão entre as 22:00h e as 5:00h.
A Transtejo fará uma travessia entre o Cais do Sodré e Cacilhas, barco com partida às 4:30h. No mesmo horário a Soflusa realiza uma travessia entre o Terreiro do Paço e o Barreiro.
Esta iniciativa arranca hoje no âmbito da Semana Europeia da Mobilidade.

Chaves entrega transportes urbanos à Auto Viação do Tâmega

A Câmara Municipal de Chaves decidiu entregar a concessão dos transportes rodoviários urbanos daquela cidade transmontana à empresa Auto Viação do Tâmega. Actualmente, existe apenas uma linha de transportes urbanos em Chaves, que até agora era operada pela Câmara, no entanto a autarquia está a estudar a hipótese de, em breve, criar um novo circuito. Os dois autocarros que faziam este serviço foram também vendidos ao operador. O contrato de concessão tem um valor anual de cerca de 40 mil euros, ficando a Auto Viação do Tâmega obrigada a manter os preços e horários que estavam anteriormente em vigor.

in: www.transportesemrevista.com/arquivo_passageiros de 19 Set/08

18/09/2008

CAI retira oferta pela Alitalia


Em assembleia realizada esta quinta-feira, a CAI decidiu por unanimidade retirar a oferta para a aquisição das actividades da Alitalia, pelo facto de não se ter chegado a acordo com os sindicatos.
A CAI nota que lamenta a falta de acordo para a implementação de uma empresa forte, e a integração com a AirOne, ao ponte de criar condições para uma maior cobertura internacional, e intercontinental, e em dois anos dotar a empresa com uma das frotas mais modernas do mundo.
Às 16:36 (hora de Lisboa), quando se soube da retirada da proposta da CAI, mais de mil trabalhadores da actual Alitalia mostraram no Aeroporto de Fiumicino em Roma, a sua satisfação pelo desfecho.
A oposição de esquerda culpa Berlusconi pelo falhanço. O governo por seu turno, através do ministro do trabalho Sacconi culpa os sindicatos pela falta de acordo.
A Codacons aconselha todos os utentes que tenham adquirido bilhetes para voar pela Alitalia, a requererem o reembolso dos mesmos, dado que, nos próximos dias o mais certo será o fecho da companhia.
Tudavia, a Lufthansa observa o desenvolvimento deste dossier com atenção, podendo vir a manifestar o interesse de compra da companhia de bandeira italiana.

Semana da Mobilidade cria novos sistemas de transportes urbanos

São várias as cidades e vilas portuguesas que aproveitam a Semana da Mobilidade para inaugurar, ou testar, circuitos de transportes urbanos em autocarro. A criação destas infra-estruturas de transporte tem vindo a melhorar significativamente a mobilidade das pessoas dentro das cidades, verificando-se consequentemente uma maior envolvência por parte das Câmaras Municipais nas questões relacionas com o transporte e a mobilidade. Assim, em 2008, a Câmara de Fafe decidiu criar em parceria com os vários operadores privados de transporte um “Circuito Integrador de Redes”, um sistema de transportes unificado cujo objectivo passa por aumentar a oferta disponível no centro da cidade, respondendo, dessa forma, às necessidades de mobilidade dos vários estratos da população. Por seu turno, a cidade de Águeda irá realizar um estudo de mobilidade e proceder à remodelação do serviço de transportes públicos do concelho; em Leiria o serviço de carreiras urbanas de transporte colectivo de passageiros será igualmente remodelado; a autarquia de Mirandela irá assinar um protocolo com a UTAD para a elaboração de um projecto para a Rede de Transportes da Cidade de Mirandela; e em Serpa será disponibilizado um mini-bus gratuito durante toda a Semana da Mobilidade, que irá circular no centro da cidade. Para consultar os planos de todas as autarquias portuguesas na Semana Europeia da Mobilidade, vá a www.apambiente.pt

in: www.transportesemrevista.com/arquivo_passageiros de 18 Set/08

Futuro da Alitalia resolvido hoje


É hoje que fica definido o futuro da Alitalia. Em causa está o acordo entre governo e sindicatos que à data não tinham aceite o plano relativo ao número de despedimentos (3250), nem quanto à redução de direitos sociais, o mesmo é dizer: menos férias, ordenados mais baixos, mais horas de trabalho.
Roberto Colaninno administrador-delegado da Companhia Aérea Italiana (CAI) fez saber que, ou se chega a acordo com os sindicatos, ou a companhia tomará unilateralmente uma decisão.
Cgil, um dos principais sindicatos não se mostrou aberto a um possivel acordo, a UIL por sua vez mostra-se mais receptiva.
Hoje é o dia D para o futuro da companhia de bandeira italiana. Mais logo na sede do governo em Roma, governo e sindicatos retomarão as negociações com vista a um acordo amigavel entre as partes.
Ontem, trabalhadores da Alitalia manifestaram-se quer no Aeroporto Fiumicino em Roma, quer no Aeroporto de Malpensa em Milão.

17/09/2008

Obstáculos à circulação em Lisboa

Reportagem RTP sobre as dificuldades sentidas por utentes com mobilidade reduzida nos transportes públicos em Lisboa.

*Clique no título para aceder ao vídeo!

STCP lança "Porto Tram City Tour"


Chama-se "Porto Tram City Tour" e é uma linha de eléctricos turisticos que a STCP vai lançar a partir de segunda-feira entre a zona do Infante e da Batalha, num percurso de 9 quilómetros apróximadamente.
Destinado sobretudo para o transporte de turistas, cada bilhete custará 15€ válido para o dia inteiro. Cada viagem contará com textos e audio-guia sobre a zona histórica da cidade.

Plano de construção da segunda fase do Metro do Porto apresentada até ao fim do mês

Até ao fim do mês ficarão defenidas as linhas da segunda fase do metro do Porto. Quem garante é a secretária de Estado dos Transportes que admite, contudo, que a falta de dinheiro pode adiar linhas previstas. Quais? Não disse.

Ana Paula Vitorino afirmou que o arranque da expansão do metro está dependente da conclusão de "uma proposta global" concebida pelo Conselho de Administração da Metro do Porto, juntamente com o Instituto de Mobilidade dos Transportes Terrestres, a ser apresentada aos accionistas, ao Governo e à Junta Metropolitana do Porto (JMP).

Dado como certo que só serão incluídas "linhas prioritárias" nesta segunda fase de expansão da rede do metro do Porto, "servindo as pessoas que tenham maior necessidade de um melhor sistema de transportes", não é afastada a hipótese de não serem executadas todas as linhas previstas no protocolo assinado, em Maio de 2007, entre a JMP e Governo.

Aliás, a secretária de Estado dos Transportes , que falava, ontem, aos jornalistas à margem de uma iniciativa no âmbito da Semana Europeia da Mobilidade, na Maia, foi peremptória quando lembrou que "só se podem lançar concursos públicos de obra com a declaração de impacto ambiental", explicando que "esse trabalho não estava feito".

Neste caso, Ana Paula Vitorino apontou como exemplo a linha da Boavista, que tinha estudo de impacto ambiental feito apenas para "metade da linha".

A secretária de Estado referiu ainda que, independentemente de ser preciso "fasear" a construção das linhas do metro - "Porque o país não tem dinheiro para tudo"-, o que se pretende fazer é idealizar a rede "numa lógica de crescimento futuro", antecipando que será deixada para uma terceira fase da expansão do metro "linhas que têm a ver com futuros crescimentos previsíveis para a Área Metropolitana do Porto". "Temos de ter um plano de expansão global que seja válido por 20 anos e ver, então, dessa rede toda qual a que deve avançar primeiro, qualquer que seja o modelo", concluiu.

Confrontado com um possível adiamento nas obras previstas do metro, que incluem as linhas da Boavista, de Gondomar, Trofa e Gaia (até Laborim), o presidente da Câmara de Matosinhos, Guilherme Pinto, disse, ao JN, estar "confiante". Em seu entender, há que esperar pelo anúncio, até ao final do mês, das linhas que ficam definidas para a segunda fase de expansão do metro do Porto. Guilherme Pinto escusou-se a comentar a possibilidade de serem deixadas para outra fase algumas das linhas acordadas no protocolo assinadoentre o Governo e a JMP, reiterando que não quer "antecipar conclusões".

Já o vice-presidente da Câmara de Gaia, Marco António Costa, considerou que a falta de dinheiro invocada pela secretária de Estado dos Transportes serve de "desculpa" para o faseamento da obra. "Se não existe orçamento para o metro do Porto, também não pode haver para o futuro aeroporto de Lisboa ou para o TGV", sublinhou, confirmando que existe "um desconforto nos autarcas por causa dos atrasos do metro".

in: jn.sapo.pt secção "Porto" de 17 Set/08

16/09/2008

Lufthansa compra Brussels Airlines

A Lufthansa em comunicado, faz saber que adquiriu 45% do capital da congénere belga Brussels Airlines, ex- Sabena, reforçando assim, o seu posicionamento de lider no mercado europeu de aviação.
A partir de 2011, a operadora poderá exercer o direito de compra sobre os restantes 55%.
Ainda em cima da mesa, está o interesse pela sueca SAS.

Carris com mais carreiras certificadas


A Carris prepara a certificação de mais 18 carreiras, tendo em conta factores como a valorização da qualidade dos serviços prestados nomeadamente, o tempo da duração da viagem, o cumprimento do intervalo de passagem, a pontualidade, a informação e o apoio ao Cliente e a limpeza dos veículos, etc.
As carreiras certificadas são: a carreira n° 21, 22, 34, 49, 64, 74, 79, 701, 706, 711, 713, 714, 720, 727, 765, 768, 777 e 782, passando para um total de quarenta.

14/09/2008

Alitalia pode encerrar dentro de horas


A Alitalia pode deixar de voar nas próximas horas dada a falta de acordo entre a empresa e os sindicatos. Quem o diz é o administrador-delegado da companhia Rocco Sabelli, que admite a falta de dinheiro para manter os aparelhos no ar. Contudo, durante o dia de hoje, não se verificou qualquer atraso nas partidas e chegadas, nem o cancelamento de nenhum voo.
Tudavia, durante o dia de hoje os sindicatos reúniram com o governo, afim de chegar a um acordo para evitar o fecho da companhia.
Em causa estão os novos contratos colectivos de trabalho para pilotos, pessoal técnico e administrativo, e assistentes de bordo, no qual que é previsto a redução do número de dias de férias, o aumento do número de horas de trabalho, e a redução dos vencimentos, para além da anúnciada redução do número de trabalhadores em cerca de quatro mil.
Os sindicatos ameaçam com trinta mil pessoas nas ruas.
Maurizio Sacconi, ministro do Trabalho convocou os sindicatos para uma nova ronda de negociações para o dia de 18.

12/09/2008

Lufthansa interessada na sueca SAS

A companhia aérea alemã Lufthansa mostrou interesse na compra da companhia aérea sueca SAS.
Segundo a Reuters, a Lufthansa terá apresentado uma Oferta Pública de Aquisição (OPA) à SAS, continuando agora as negociações.
Por agora nenhuma das partes comentam, desconhecendo-se por enquanto, os valores da operação.

11/09/2008

Ryanair continua a negociar base aérea no Porto


Tudo não passou de um mal entendido. Afinal, a Ryanair face às noticias que davam conta do seu abandono em projectar no Porto uma base aérea, veio comunicar que a abertura de uma base em Barcelona, não encontra relação alguma com um presumivel abandono em construír uma base no Sá Carneiro. Segundo o comunicado da empresa, as negociações com a ANA (entidade gestora do aeroporto), ainda decorrem.

TAP vai "concorrer" com as low-cost


Foi ontem no Porto, que a Ryanair lançou de uma megapromoção para a venda de três milhões de lugares a um euro, com todas as taxas incluídas para voos a realizar entre 24 de Setembro e 28 Março de 2009, em reservas efectuadas até 23 de Setembro.
A TAP contudo, está para apresentar uma promoção capaz de concorrer com os preços das companhias low-cost.
A oferta é válida para 35 destinos dentro do continente europeu, com tarifas a partir dos 64€ em reservas a afectuar entre 15 de Setembro e 31 de Outubro em viagens a realizar entre 1 de Outubro de 2008 e 31 de Maio de 2009, revelou um dos administradores da companhia portuguesa Luiz Mór.

Também a KLM lançou uma campanha de preços para 35 destinos europeus, a 109€ ida e volta, para bilhetes comprados até 17 Setembro em viagens a efectuar até 15 de Dezembro de 2008.

Avião da Ryanair aterra de emergência em Dublin

Um avião da Ryanair aterrou emergência em Dublin, tratando-se do terceiro caso em apênas duas semanas.
A aterragem efectuada por uma medida de precaução, deveu-se ao facto da cauda do aparelho ter tocado a pista na descolagem do voo com destino a Londres.
Com 148 passageiros a bordo nenhum sofreu qualquer tipo de problema.

Ryanair desiste de base no Porto

O Porto não vai ter, para já, uma base da Ryanair. A companhia aérea alega falta de condições no momento em que o mercado é muito competitivo para instalar essa estrutura do Aeroporto Sá Carneiro. Mas vai para Barcelona.
Depois de meses de polémica com muitas vozes da região Norte a contestarem os obstáculos, colocados pela ANA - entidade gestora dos aeroportos nacionais -, à empresa irlandesa, o executivo de Marketing e Vendas para Portugal da Ryanair, Luís Fernandez-Mellado, explicou que o Porto não é opção neste momento. A garantia foi dada ontem de manhã numa conferência de Imprensa para a apresentação da campanha de Inverno daquela companhia de voos de baixo custo.
A razão para esta desistência prende-se com a inexistência de uma conjuntura atractiva para a criação da base no Sá Carneiro. "Neste momento, não estão reunidas as melhores condições para a Ryanair ter uma base no Porto. Estamos a atravessar uma fase muito competitiva e a situação da companhia é muito idêntica àquela que existia há um ano", esclareceu Luís Fernandez-Mellado. Curiosamente, foi há cerca de um ano que a empresa apresentou uma proposta à ANA para a instalação da base, na qual pedia tarifas mais baixas em troca da atracção de quatro milhões de passageiros ao longo de sete anos.
Apesar do mercado competitivo, a companhia irlandesa olha para Espanha. Luís Fernandez-Mellado adiantou que a Ryanair tem prevista a abertura de uma base num aeroporto, próximo de Barcelona, no início do próximo mês. Actualmente, a companhia opera no aeroporto de Girona. Ainda assim, não fecha a porta à colocação de uma estrutura semelhante no Sá Carneiro. No entanto, é uma hipótese a analisar no futuro ao longo prazo.
Findas as férias de Verão, volta a ser o projecto de base da Ryanair a espoletar a discussão sobre a gestão centralizada do Aeroporto de Pedras Rubras. Várias personalidades da região, ouvidas pelo JN, lamentam a oportunidade perdida. Rui Moreira, uma das vozes mais críticas da "falta de transparência" da gestão da ANA, não ficou surpreendido: "Era a crónica de uma morte anunciada".
Para o presidente da Associação Comercial do Porto, esta perda penalizará a região. "Era uma oportunidade que me parecia que podia estar perdida. Eu gostaria que tivesse sido agarrada. A ANA alega que as condições da Ryanair não eram economicamente viáveis. Mas, enquanto não houver transparência na gestão do aeroporto, tenho a maior das desconfianças sobre a capacidade da ANA de trazer negócio para o país", acusa Rui Moreira.
A Junta Metropolitana do Porto ainda espera por uma resposta do Governo aos estudos e às propostas, enviados no final de Julho. Este mês, voltar-se-á a ouvir a voz dos autarcas. Esta desistência da Ryanair é indicadora, na perspectiva de Rui Rio, de que a preocupação com uma gestão "subordinada à lógica centralista" do aeroporto do Porto tem sentido. Por isso, o presidente da Junta leva, de novo, o debate sobre a autonomização da liderança do Sá Carneiro à mesa metropolitana. A reunião está marcada para o dia 26.
O JN contactou o Ministério das Obras Públicas, Transportes e Comunicações, assim como a ANA, mas ambas as entidades recusaram fazer comentários à decisão empresarial da companhia de voos de baixo custo.

in: jn.sapo.pt secção "Porto" de 11 Set/08

09/09/2008

Novo record nos transportes públicos graças ao "Red Bull"


Cerca de 400 mil pessoas nos comboios urbanos do Porto nos dias 6 e 7, e cerca de 30 mil nos comboios Alfa Pendular e Intercidades, mais do que é habitual aos fins-de-semana. O Metro do Porto por seu turno, assinalou um acréscimo de 90 mil passageiros no conjunto dos dois dias, atingindo no Domingo cerca de 112 mil utentes, a maior afluência na história da empresa.
A STCP, embora ainda não tenha apresentado dados, reconhece que houve um aumento considerável na procura das linhas que circulavam para o local da prova.
Desta forma, é de assinalar a adesão ao transporte colectivo tal como era pedido pela organização da prova, e das forças de segurança, ao qual as empresas de transporte responderam com um aumento da oferta para os locais da prova, contribuindo deste modo, para a redução do tráfego automóvel.

Transportes. Concentração cria segundo maior grupo nacional

Concessões rodoviárias situam-se na Beira Litoral e Minho

A criação do segundo maior grupo de transporte público privado a operar em Portugal recebeu finalmente luz verde, nove meses depois de anunciado. A joint-venture entre a Transdev, empresa francesa que tem a operação do Metro do Porto, e um dos maiores grupos nacionais de transporte de passageiros, a Joalto, foi aprovada pela Autoridade da Concorrência.

No entanto, o novo grupo, que tem uma presença forte no Norte e Centro do país, terá de alienar a terceiros concessões em sete percursos na Beira Litoral e Minho: as linhas regulares de transporte rodoviário de passageiros Arco de Baulhe/Cabeceiras de Bastos, Anadia, Mogofores, Aveiro/Ílhavo, Coimbra/Penela, Coimbra/Condeixa-a-Nova e Vila Seca/Coimbra.

A passagem para outra entidade da exploração destes percursos interurbanos foi o compromisso assumido pelas duas empresas para resolverem os problemas de concorrência resultantes da sua associação que foram identificados pelo regulador. Esta proposta foi considerada suficiente e adequados para superar a posição dominante detectada naquelas linhas pela Autoridade da Concorrência que, na semana passada, se decidiu pela não oposição ao negócio. Ainda segundo a decisão da AdC, a Transdev e a Joalto não poderão proceder à recomenda destas concessões no prazo de cinco anos após a sua transmissão para terceiros.

O negócio vai dar origem a uma empresa comum, a JV Sociedade, que será detida pela Transdev Participações e por 11 accionistas individuais que detêm, de forma directa e indirecta, o capital da Joalto. Para além da operação do Metro do Porto, a Transdev controla a Rodoviária da Beira Litoral, a Rodoviária Entre Douro e Minho, a Caima Transportes, entre outros, com um total de 588 veículos. O Grupo Joalto é composto por 16 empresas de transporte rodoviário de passageiros, activas nas beiras e conta com uma frota de 782 veículos. Para além da compra de empresas locais ou regionais de transporte rodoviário, a Transdev também tem mostrado interesse em gerir as empresas públicas de transportes, em especial a Carris, caso o Governo decida avançar por essa via.

'Joint-venture' chumbada

Com cerca de 14% do mercado em número de veículos, segundo dados de 2007, o novo grupo ficará logo atrás da Barraqueiro.

Esta empresa, que controla os Transportes Sul do Tejo, tem a operação do comboio na Ponte 25 de Abril (Fertagus) e o Metro Sul do Tejo. A Barraqueiro tentou em 2004 constituir uma joint-venture para o transporte de passageiros nas travessias do Tejo com os britânicos da Arriva, que foi chumbada pela Concorrência, que na altura recusou a proposta de cedência de carreiras entre as duas margens de Lisboa. A contestação a este chumbo ainda está a ser analisada em tribunal. Entretanto, o grupo britânico Arriva comprou 30,5% da Barraqueiro.

08/09/2008

Obras obrigam a transbordo na Linha de Sintra

Obras na linha de comboio de Sintra vão obrigar a um transbordo dos passageiros entre as estações de Monte Abraão, Cacém e Meleças, nos dias úteis entre esta segunda-feira e 24 de Outubro, no horário nocturno.

Segundo comunicado da CP hoje enviado à Lusa, os comboios com saída da estação Roma-Areeiro às 21:55, 22:55 e 23:55 e as composições com partida de Meleças às 22:39 e 23:09 têm, respectivamente, fim e início na estação de Monte Abraão.

Os passageiros dos comboios com origem na estação Roma-Areeiro que queiram sair nas estações seguintes, nomeadamente em Meleças, terão de mudar de comboio na estação de Monte Abraão.

Durante o período das obras, os passageiros que partem ou se dirigem a Meleças terão à disposição um serviço rodoviário alternativo, com início e fim na estação do Cacém.

As obras na linha de Sintra, da responsabilidade da empresa gestora da Rede Ferroviária Nacional (REFER) destinam-se a quadruplicar a via entre os quilómetros 13,750 e 18,205.

in: www.jn.pt secção "Lisboa" de 8 Set/08

06/09/2008

Como ir para o "Red Bull Air Race" de transportes públicos


Para os espectadores da prova "Red Bull Air Race", que utilizem os transportes públicos para se deslocarem para o local da prova deverão utilizar a estação de General Torres, a mais próxima do evento, se viagarem nos comboios inter-cidades e Alfa Pendular.
Também poderão saír em Campanhã e trocar de comboio para Porto S. Bento (cerca de 7 minutos), e fazer o restante caminho a pé. Ou ainda, a partir de Campanhã apanhar o metro (linhas "A", "B", "C" e "E" com frequência de 3 minutos cada composição), saír na "Trindade" e trocar para a linha "D" com destino a S. Bento (cerca de 6 minutos frequência cada composição).
No entanto, amanhã Domingo, a linha "D" não fará a ligação entre as duas estações mais próximas da prova, ou seja, S. Bento e General Torres em Gaia, entre as 11:00h e as 17:30h, por motivos de segurança imposta pela organização da prova.
Os utentes deverão comprar um título ANDANTE" Z2, de preferência de ida e volta, para evitar filas, válido igualmente para os autocarros, e os comboios urbanos entre "General Torres", "Campanhã" e "S. Bento".

Transportes públicos ganham novos clientes

Há cada vez mais condutores a deixar o carro em casa e a utilizar transportes públicos. O sistema ferroviário registou, no primeiro semestre, o volume mais elevado de passageiros dos últimos seis anos e o metro ganhou clientes.

De acordo com dados divulgados pelo Instituto Nacional de Estatística, o tráfego total em comboios suburbanos e interurbanos atingiu 79,7 milhões de passageiros, no primeiro semestre. Este valor não só representa um crescimento de 1,4%, em termos homólogos, como é necessário recuar seis anos nos registos do INE para encontrar um volume total de passageiros mais elevado, até Junho (81,5 milhões, em 2002).

A crescente utilização de comboios nas deslocações dá-se em paralelo com uma maior captação de clientes por parte do metro, quer em Lisboa quer no Porto. Foi no sistema nortenho que se deu a maior subida. O metro do Porto transportou 25,5 milhões de passageiros, no primeiro semestre, mais 4,2% do que em igual período do ano passado, em que foram transportados cerca de 24,5 milhões de pessoas. O ganho de cerca de um milhão de passageiros significa, em termos médios, cerca de novos 5500 passageiros diários.

No metro de Lisboa, houve um crescimento de 0,8% no número de passageiros, que ascendeu a 91,9 milhões, mais 730 mil do que no semestre homólogo, aproximadamente. Em média, há quatro mil novos clientes diários. O INE aponta ainda para o aumento do transporte fluvial: os 15,6 milhões de passageiros registados nesta modalidade de transporte representam uma subida de 3,8%, face a 2007.

Na base do aumento da utilização de comboios, metros e ligações de barco estará a transferência de utilizadores de viaturas particulares para os transportes colectivos. O período a que reportam os dados do INE coincide com os meses em que o preço dos combustíveis bateu recordes sucessivos.

Os dados de tráfego rodoviário conhecidos até à data reforçam esta tese. A Brisa, que detém a principal fatia das auto-estradas nacionais, regista um decréscimo de 1,6% no tráfego total, no primeiro semestre. A Lusoponte, concessionária das duas travessias do rio Tejo, regista quebras de 0,5% na ponte 25 de Abril e 1,1% na Vasco da Gama, também nos primeiros seis meses do ano.

in: www.jn.pt secção "Sociedade" de 6 Set/08

Obras do aeroporto de Beja adjudicadas

As obras da 2.ª empreitada de construção do aeroporto de Beja, cujo início atrasou 10 meses, foram adjudicadas e vão começar "de imediato", disse o presidente da empresa gestora da infra-estrutura aeroportuária.

A empreitada foi adjudicada ao consórcio formado pela empresa Teodoro Gomes Alho e o grupo OPWAY, que resultou da fusão entre as empresas OPCA e SOPOL, esta à qual foi adjudicada a primeira empreitada, precisou o presidente da Empresa de Desenvolvimento do Aeroporto de Beja (EDAB), José Queirós.

Segundo o responsável, a segunda empreitada prevista para ter início em Novembro de 2007 e terminar no final do passado mês de Julho, vai começar "de imediato", dado que o empreiteiro já dispõe de estaleiro montado na zona desde a primeira empreitada.

Orçada em pouco mais de 9,5 milhões de euros, a empreitada, que deverá durar seis meses e meio, disse José Queirós, inclui a construção dos terminais (um de passageiros e outro de carga) e dos edifícios (de serviços, bombeiros, material de placa, portaria e inactivação de explosivos).

O atraso no início das obras, justificou o responsável, deveu-se a um impasse no concurso público, que durou sete meses e terminou no passado mês de Julho, quando o Conselho de Administração da EDAB decidiu adjudicar a segunda empreitada.

Após a comissão de avaliação ter chumbado, no final de 2007, todas as propostas do concurso público para a execução da segunda empreitada, "devido a respostas incompletas nos processos", lembrou José Queirós, a EDAB convidou as empresas concorrentes a enviar novas propostas e uma outra comissão de avaliação, através de negociações directas, "escolheu a proposta mais favorável".

A primeira empreitada, que arrancou em Abril de 2007, também sofreu atrasos e terminou no passado mês de Julho, três meses após o previsto, permitiu construir a placa de estacionamento, as áreas operacionais e as estradas de ligação às pistas da Base Aérea n/o 11 (BA11), num investimento de 10 milhões de euros.

A entrada em funcionamento do aeroporto de Beja estava prevista para o final deste ano, mas, devido ao atraso no arranque da segunda empreitada, José Queirós prefere não aludir a prazos.

Actualmente, a EDAB está a apreciar um recurso apresentado por um dos concorrentes do concurso público para a construção da estação de tratamento de águas residuais, uma obra orçada em 850 mil euros e que José Queirós estima que poderá ser adjudicada "até ao final deste mês".

in: www.jn.pt secção "Beja" de 6 Set/08

Aeroporto Sá Carneiro regista o maior crescimento de tráfego

Nos primeiros seis meses do ano, foram movimentados 13 millhões de passageiros nos aeroportos portugueses.

Considerando os aeroportos de maior dimensão, o INE assinala que o principal aumento de tráfego é verificado no Porto, em que o volume de passageiros é de 20,5%, passando a barreira dos dois milhões de passageiros movimentados em seis meses.

O aeroporto da Madeira ocupa o segundo lugar no crescimento da captação de passageiros, tendo registando uma subida de 5,1% no número de passageiros (1,2 milhões). Segue-se Lisboa, cujo tráfego aumentou 4,8%, situando-se nos 6,4 milhões.

O INE indica que, até Junho, passaram pelos aeroportos nacionais mais de 70 mil aeronaves comerciais, um crescimento de 3,4% face ao mesmo período do ano passado. O tráfego internacional de passageiros representou 81,3% do total, com o restante a pertencer a viajantes em tráfego nacional. Os passageiros do espaço Schengen constituem 54% do tráfego internacional, cerca de 27% veio da União Europeia não-Schengen e os restantes 19% de fora do espaço comunitário.

in: www.jn.pt secção "Porto" de 6 Set/08

05/09/2008

Negociações entre Alitalia e sindicatos díficeis


Estão díficeis as negociações entre o Conselho de Administração (CA) da Alitalia e os nove sindicatos representantivos dos trabalhadores. Em causa está a reestruturação da empresa, que culminará com a falência técnica da actual companhia, e o nascimento de uma nova formada por uma aliança de empresários italianos, e que provocará o despedimento de cerca de três mil trabalhadores, dos cerca de dezassete mil e quinhentos que actualmente estão ao serviço da Alitalia.
Cerca de catorze mil e quinhentos serão admitidos na nova companhia, que se chamará Companhia Aérea Italiana (CAI) e que poderá entrar em funcionamento com as novas cores já a 1 de Novembro. Os restantes três mil duzentos e cinquenta, segundo o ministro do Trabalho italiano Sacconi, serão dispensados,
Por seu turno, Rocco Sabelli administrador-delegado da CAI, fez saber que em 2009 a companhia terá cento e trinta e sete aparelhos, e em 2013: cento e cinquenta e oito, dos quais dezasseis destinados a ligações inter-continentais.
Nas ligações a Roma a partir de Milão, será usado o aeroporto de Linate.

Terminal fluvial do T. do Paço será requalificado

As obras de remodelação do terminal fluvial do Terreiro do Paço deverão ter início no final do primeiro trimestre de 2009, anunciou à Transportes em Revista o presidente do Metropolitano de Lisboa, Joaquim Reis. A remodelação do terminal fluvial é um dos projectos que ficou a cargo do Metropolitano no âmbito da extensão da Linha Azul a Santa Apolónia. O presidente do Metro, que falou à margem de uma visita técnica à obras do Cais das Colunas, cuja reposição também ficou a cargo da empresa, referiu que em breve «será lançado o concurso de pré-qualificação». Do actual terminal só ficarão de pé as fachadas, uma vez que o futuro edifício será totalmente removido para poente, melhorando significativamente as condições para os passageiros da Soflusa que vêm do Barreiro, Montijo e Seixal. Joaquim Reis disse também que o custo da obra deverá situar-se entre os 30 e os 35 milhões de euros, devendo o novo terminal estar concluído em finais de 2011.

in: www.transportesemrevista.com/arquivo_passageiros de 4 Set/08

04/09/2008

Metro do Porto monta operação especial para o "Red Bull Air Race"


Nos próximos dias 6 e 7 de Setembro tem lugar na Ribeira do Porto e Gaia a segunda edição do "Red Bull Air Race World Series". O Metro do Porto tem montada uma operação especial, que começa já hoje com a sessão de treinos, e que se prolonga até ao dia da prova. Assim, até Domingo circularão no tronco comum, ou seja, entre o Estádio do Dragão e a Senhora da Hora, veículos com 3 minutos de frequência, e 6 minutos de frequência na Linha Amarela (D). Contudo, no dia da prova entre as 11:30h e as 17:00h, a linha Amarela estará encerrada entre as estações de S. Bento e de General Torres, por imperativos de segurança.

A todos os interessados em assistir ao evento, será proíbido levar o automóvel para os locais da prova.
Quem utilizar o comboio proveniente da linha do Norte, poderá saír na estação General Torres em Gaia e, andar 5 minutos a pé até ao local da prova dado que excepcionalmente, os comboios inter-cidades e Alfa Pendular farão uma paragem nesta estação. Também poderão saír em Campanhã e trocar de comboio para Porto S. Bento (cerca de 7 minutos), e fazer o restante caminho a pé. Ou ainda, a partir de Campanhã apanhar o metro (linhas "A", "B", "C" e "E"), saír na "Trindade" e trocar para a linha "D" com destino a S. Bento.
Os utentes deverão comprar um título ANDANTE" Z2, de preferência de ida e volta, válido igualmente para os autocarros, e os comboios urbanos entre "General Torres", "Campanhã" e "S. Bento".

03/09/2008

Câmara de Vila Real implementa plataformas “Bus” nas paragens

A Câmara Municipal de Vila Real está a implementar uma série de plataformas “bus” em várias paragens dos transportes urbanos (Corgobus). Estas plataformas permitem melhorar a acessibilidade das pessoas com mobilidade reduzida e também dos cidadãos em geral aos autocarros. Esta é apenas uma das medidas que estão a ser levadas a cabo pela autarquia transmontana, no sentido de tornar a sua cidade mais acessível a todos os habitantes e visitantes. Entretanto, a autarquia transmontana recebeu a Bandeira de Prata da Mobilidade, pela Rede de Cidades e Vilas com Mobilidade para Todos, criada pela Associação Portuguesa de Planeadores do Território (APPLA).

in: www.transportesemrevista.com/arquivo_passageiros de 3 Set/08

TUTomar adquirem dois novos autocarros

A Câmara Municipal de Tomar pretende criar um segundo circuito nos Transportes Ubanos de Tomar (TUTomar), tendo adquirido para o efeito duas novas viaturas. Segundo o jornal “Mirante” a intenção da autarquia tomarense passa por criar um segundo circuito, que fará o trajecto no sentido inverso ao que actualmente existe, que tem como objectivo "encurtar no tempo e na distância" os actuais percursos aos utilizadores dos TUTomar. Até Setembro de 2009 a autarquia pensa em implementar um terceiro circuito que transporte os cidadãos até às extremidades da cidade.

in: www.transportesemrevista.com/arquivo_passageiros de 3 Set/08

02/09/2008

Comissão de Trabalhadores não surpreendida com situação na Carris

A Comissão de Trabalhadores da Carris não está surpreendida com a situação financeira da empresa, cujas dívidas ascendem aos 25 milhões de euros, com resultados negativos de 23 milhões de euros em 2007.

Em declarações à TSF, a coordenadora desta comissão explicou que esta situação se arrasta por causa da falta de coragem política das administrações da Carris e por causa do facto de o Estado não pagar o que deve.

«Os sucessos Conselhos de Administração que são nomeados pelos sucessivos governos não têm tido a coragem política de exigir o pagamento das indemnizações compensatórias adequadas para a Carris», explicou Luísa Bota.

A coordenadora da comissão de trabalhadores da Carris adiantou ainda que a empresa não cumpre a lei ao não criar o fundo de pensões, o que faz com Luísa Bota pense que se está «perante uma acção concertada entre a falta de políticas de transportes dos governos e a subserviência dos membros dos sucessivos Conselhos de Administração».

A TSF já tentou um comentário da parte do Ministério dos Transportes a propósito desta situação, mas nem o ministro Mário Lino, nem a secretária de Estado Ana Paula Vitorino se mostraram disponíveis para comentar a questão.

in: www.tsf.pt secção "Economia" de 2 Set/08

Prejuízos na Carris ultrapassam valor de uma frota de mais de 3 mil autocarros

Na Carris, a situação financeira é cada vez mais preocupante. Os prejuízos reais ultrapassam o valor de uma frota de mais de três mil autocarros. Pelos números mais recentes esta empresa registou em 2007 prejuízos na ordem dos 23 milhões de euros.

Esta manhã, no Público, há um alerta do Revisor Oficial de Contas da Carris que avisa que pode estar em causa a manutenção da actividade da empresa, caso as dotações de Capital do Estado, suspensas há cinco anos, não sejam retomadas.

O desempenho económico da Carris continua negativo, apesar de ter havido uma recuperação nas contas de 2007, a empresa pública de transportes regista resultados negativos de cerca de 23 milhões de euros.

A dívida da empresa custa 25 mil euros por dia, só em juros, pelos empréstimos pedidos para conseguir manter a funcionar a actual frota.

Neste momento a transportadora tem 750 autocarros, 55 eléctricos e quatro elevadores. No entanto, com o passivo que a empresa acumulou até ao final do ano passado podia ser comprada uma frota de mais de três mil autocarros a diesel.

Se a opção fosse autocarros a gás natural que são bem mais caros seria possível comprar dois mil. A grandeza do passivo da Carris deve-se, ao que adianta o jornal Público, ao facto do Estado – o único accionista – ter desde há cinco anos suspenso as dotações de capital.

Ouvido pelo jornal, o oficial de contas da empresa diz que a continuidade das operações socialmente indispensáveis que a transportadora presta depende da manutenção do suporte financeiro do Estado, uma vez que os preços praticados não cobrem as despesas.

As contas de 2007 revelam uma situação financeira deficitária que nem as indemnizações compensatórias do Estado ou o facto de não ter havido compra de novos veículos conseguiram minorar. O mesmo já tinha acontecido em 2006.

De acordo com o Código das Sociedades Comerciais perante este cenário há três soluções possíveis: a redução do capital social para um montante não inferior ao capital próprio da sociedade – sendo que a Carris já perdeu todo o capital social - o reforço do capital pelos sócios ou a dissolução da empresa.

in: www.tsf.pt secção "Economia" de 2 Set/08

01/09/2008

Ma perché?!


Si c'è ciascuno romano che ci legge allora, noi abbiamo alcune domande a fare!
Non siete voi sicuramente a rispondere, ma speriamo che stia in grado di vi fare rifletere!
-Perché a Roma ci sono solamente due linee di metropolitana?
-Perché a Roma il telefonino non funziona nella metropolitana?
-Perché a Roma non è possibile caricare il "metrobus card" in bancomat, e non sia anche possibile comprare abbonamenti su internet o posta?
-Perché le linee di autobus non hanno colori diffirenziate d'accordo con la distinazione per che sia più facile capire la stessa?
-Perché non c'è videosorveglianza negli autobus per garantire la sicurezza dei viggiatori?

Per gli italiani in generale:


-Perché in Italia quando ne comprate un biglieto di treno su internet o bancomat, avete bisogno di alzarlo nella biglieteria invece di andarne diretti al treno con il foglio o lo scontrino stampato? Perché non è possibile comprare un biglieto di treno per SMS ed andarne diretto al treno senza passare per la biglieteria?

In ciascuno paese d'Europa centrale, nord e Sud (Portogallo e Spagna inclusi), non funziona così!
Italiani: dovete cambiare!

J.A.


Perguntas aos romanos!


Se existe algum leitor romano que lê este blog então, temos algumas perguntas a fazer!
Não são vocês obviamente que terão de responder! Mas esperamos que vos faça reflectir!

-Porque é que em Roma existem únicamente duas linhas de metro?
-Porque é que em Roma o telemóvel não funciona no interior do metro?
-Porque é que em Roma não é possivel carregar o passe (metrebus card) no multibanco, ou comprá-lo nos correios, ou simplesmente através da internet?
-Porque é que as linhas de autocarros não têm cores diferenciadas de acordo com o destino?
-Porque não há video-vigilância nos autocarros para garantir a segurança dos utentes?

Para os italianos em geral:

Porque é que em Itália quando se compra um bilhete de comboio pela internet ou multibanco, há a necessidade de levantar o bilhete nas bilheteiras das estações, invês dos utentes irem directamente para o comboio com os dados impressos, ou com o recibo multibanco? Ou porque é que não é possivel comprar o bilhete por SMS e ir directamente para o comboio?
Em qualquer país da Europa central, do norte ou sul, não funciona assim!
Italianos: tereis de mudar!

J.A.
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...
Custom Search