31/01/2010

A partir de amanhã é mais caro viajar de comboio


Viagens de longo curso a bordo do Inter-cidades e Alfa Pendular vai ser mais caro a partir de amanhã.
Entre Porto e Lisboa, e Lisboa e Coimbra haverá um aumento de um euro em classe conforto e turistica, e um aumento de um euro e meio na classe turistica entre Lisboa e Faro, e de dois euros em primeira classe no mesmo percurso, no serviço Alfa Pendular.
No inter-cidades o percurso Lisboa-Porto, e Lisboa-Faro terá um aumento de um euro em primeira classe, e cinquenta cêntimos em segunda.
Em Évora e Beja não haverá aumento dos bilhetes.

29/01/2010

Consórcio Via Porto ganha operação do Metro do Porto

A Empresa Metro do Porto divulgou oficialmente que o consórcio ViaPorto, liderado pelo Grupo Barraqueiro, é o vencedor do concurso para a subconcessão dos serviços de Operação e Manutenção do Sistema de Metro Ligeiro da Área Metropolitana do Porto, com um valor de contrato de €170 M para um período de 5 anos. A decisão já foi também validada pelo Governo. Segundo José Luís Catarino, administrador do Grupo Barraqueiro e presidente do consórcio “foi com grande satisfação que tivemos conhecimento da decisão final do concurso, resultado do trabalho de uma equipa empenhada e coesa da qual muito nos orgulhamos. Sentimos, assim, forte motivação para desenvolver o trabalho de qualidade a que nos propusemos, conscientes das nossas capacidades e das mais-valias que este projecto irá trazer a toda a população da Área Metropolitana do Porto”. A proposta entregue a concurso pelo consórcio ViaPorto foi avaliada com base em dois critérios “claros e objectivos” refere o grupo Barraqueiro em comunicado. Na componente financeira, com um peso de 80 por cento, o valor apresentado foi o mais competitivo; e na componente técnica, pela qualidade da sua proposta, o consórcio atingiu a pontuação máxima. Em declarações à Transportes em Revista, José Luís Catarino, referiu que «esta decisão irá beneficiar bastante o Metro do Porto» uma vez que estima-se uma poupança para o Estado na ordem dos 100 milhões de euros até ao final da subconcessão. O responsável revelou ainda que «já estamos preparados para começar a trabalhar e iniciar as operações no dia 1 de Abril» data em que o novo consórcio começa a operar a rede do Metro do Porto. A Empresa do Metro do Porto terá agora de fazer a “ponte” entre o consórcio Via Porto e a Transdev Mobilidade (actual responsável pela operação), para que se faça a passagem da operação de uma empresa para outra, tarefa que se avizinha delicada, uma vez que a Transdev decidiu pedir a anulação do concurso, alegando que houve “intromissão” da EMEF – Empresa de Manutenção de Equipamento Ferroviário no processo. Em declarações à agência Lusa, Manuel Seabra criticou a “forma como a EMEF foi “injectada” neste concurso, sem que estivesse previsto nem no Programa do Concurso nem no Caderno de Encargos,” considerando que “contraria as mais elementares regras da concorrência, da transparência e da imparcialidade”. O administrador da Transdev afirmou ser “inadmissível a introdução extemporânea da EMEF como entidade terceira, tendo o poder de decidir quem ganhará o concurso mediante o preço que negociar com cada um dos concorrentes”.


«Acusações da Transdev são falsas» - Carlos Frazão, EMEF


Ouvido pela Transportes em Revista, o presidente da EMEF, Carlos Frazão, disse que «a EMEF repudia veementemente estas acusações, que são falsas. A Transdev como viu que não tinha hipótese de vitória no concurso decidiu escolher este caminho». Frazão revelou ainda que «os preços-base para os trabalhos sistemáticos e não sistemáticos foram definidos inicialmente e, posteriormente, foram dados a conhecer à Secretaria de Estado dos Transportes e à Metro do Porto. Esses preços-base foram dados de igual modo aos concorrentes que apareceram e estes sabiam perfeitamente quais eram». Mas o presidente da EMEF não fica por aqui e acusa a Transdev de ter tentado alterar a proposta que a EMEF apresentou. Segundo Carlos Frazão «em determinada altura a Transdev, invocando a experiência que têm da exploração actual, disse-nos que não precisavam que a EMEF executasse todas as funções que estavam pré-estabelecidas, pois assumiam uma parte. No fundo, as tarefas que a Transdev tinha reservado para a EMEF eram apenas de fornecimento de mão-de-obra. Nós dissemos que não iríamos apresentar nenhuma proposta nesse sentido, pois o nosso negócio não é esse, é manutenção de equipamento ferroviário. Mas referimos que depois de haver um vencedor, estávamos abertos a negociar os detalhes que não estavam contidos na tal oferta de referência. Portanto, se houve alguém que teve alguma tentativa de alterar a proposta que tínhamos apresentado aos concorrentes, foi a Transdev. Os preços que demos à Barraqueiro e à Transdev foram e são exactamente os mesmos.

in: www.transportesemrevista.com de 28 Jan/10

19/01/2010

Segunda fase do metro a todo o gás

A segunda fase do projecto Metro Mondego, que liga a Baixa aos Hospitais da Universidade de Coimbra, deverá arrancar em breve. A convicção é do secretário de Estado dos Transportes, Carlos Correia da Fonseca, que esteve, ontem, em Coimbra.

O governante aguarda as conclusões dos estudos de procura e de viabilidade económica em curso, que deverá conhecer em finais de Fevereiro, para dar luz verde à segunda etapa. E está "optimista". "Assim que vierem, estou certo de que vamos avançar com toda a rapidez", disse, finda a apresentação do projecto de Implementação do Sistema de Mobilidade do Mondego (SMM) e Requalificação Urbana no Troço entre a Beira Rio e a Câmara, da autoria de Gonçalo Byrne.

O presidente da Metro Mondego (MM), Álvaro Maia Seco, partilha daquela opinião: "Se a linha [do Hospital] não tiver uma procura razoável, então nenhum eixo, em Coimbra, terá". E crê que, se a decisão for tomada no curto prazo, a linha poderá estar a funcionar entre o final de 2014 e o início de 2015.

Mas antes, alerta Maia Seco, é essencial que se retome o processo de demolições, na Baixa, interrompido há cerca de três anos. Sem isso, garante, "não há concurso para a linha do Hospital".

"A cidade sai muito valorizada"

O secretário de Estado - que visitou a zona de intervenção da MM na Baixa - acredita que o metro "vai ser quase um símbolo de Coimbra". "A cidade sai muito valorizada. Tudo iremos fazer para não faltar com o apoio [superior a 400 milhões de euros]", referiu.

Antes, Carlos Correia da Fonseca havia presidido à cerimónia de assinatura do Auto de Consignação da Empreitada de Reabilitação das Infra-Estruturas do Ramal da Lousã, no troço entre Alto de S. João e Miranda do Corvo, nesta última localidade.

in: jn.sapo.pt secção "Coimbra" de 19 Jan/10

16/01/2010

Passe social extendido à Metro Sul do Tejo e Fertagus


A Metro Sul do Tejo e a Fertagus de acordo com a Autoridade Metropolitana de Transportes de Lisboa serão este ano integradas no passe social de Lisboa.
Até agora os utentes destas duas transportadoras viam-se obrigadas a comprar um complemento mensal de transporte para além do passe social que possuíssem ou então, títulos ocasionais. Com a integração no passe social milhares de utentes da margem sul poderão desta forma, usufruirem de mais soluções na ligação à capital.
Com esta medida, prevê-se um aumento do número de utilizadores do Metro Sul do Tejo que actualmente é de trinta mil diários, muito aquém do expectável: oitenta e cinco mil por dia.

15/01/2010

Metro do Porto abre parafarmácias


Depois da abertura de cafetarias em algumas das estações mais concorridas do Metro do Porto, a empresa abriu ontem parafarmácias de serviço nas estações da Casa da Música, Trindade e Bolhão.
Estas estarão abertas de segunda a sábado das 8:00h às 20:00h podendo no futuro estarem abertas também ao domingo.
A empresa prometeu ainda, que a rede de parafarmácias será futuramente alargada a outras estações sendo que, está aberta a possibilidade de serem instaladas lojas de conveniência para a venda de bebidas, jornais, ou produtos alimentares.

13/01/2010

Arriva inova com carregamento de passes nos autocarros

Os clientes da Arriva Portugal já podem carregar os seus passes mensais nos autocarros da empresa, eliminando assim a necessidade de terem de se deslocar às respectivas bilheteiras e pontos de venda. Para carregar os passes basta aproximar o título à antena de validação da máquina, confirmar a informação e preço e esperar pelo recibo e vinheta. O processo é bastante simples e, segundo a Arriva Portugal “o condutor do autocarro acompanha o cliente a cada momento, até se verificar que o carregamento foi feito com sucesso”.

in: www.transportesemrevista.com de 13 Jan/10

08/01/2010

Arte nos elevadores de Lisboa

Vimeca substitui passes pelo cartão "Lisboa Viva"


A Vimeca e a Lisboa Transportes estão a proceder à substituição dos tradicionais cartões de passe pelo cartão de tecnologia sem contacto já usado nos títulos combinados e intermodais e por outros operadores da Área Metropolitana de Lisboa: o "Lisboa Viva".
Serão assim substituídos os cartões de passe suburbano, sénior, assinatura da linha, assinatura da linha estudante, e combus.
Até ao próximo mês de Fevereiro a empresa reembolsa os seus clientes pelo antigo passe.
Para já o "Lisboa Viva" não será usado ainda para validação electrónica dos títulos nas duas empresas pelo facto de estas ainda não dotarem a frota dos respectivos validadores pelo que, os utentes terão de usar vinheta no cartão. Futuramente os tradicionais validadores serão substituídos por modelos electrónicos o que permitirá a eliminação de vinheta no cartão, e o carregamento de títulos através do Multibanco.

Governo admite adiar linhas da segunda fase do Metro do Porto

O secretário de Estado dos Transportes, Correia da Fonseca, salvaguarda que tudo será definido em articulação com as câmaras e a Autoridade Metropolitana.

O Governo admite adiar linhas da segunda fase do metro do Porto. A hipótese defraudará as expectativas que os autarcas depositam na primeira visita do ministro das Obras Públicas e secretário de Estado dos Transportes ao sistema. Todos esperamos que dêem garantias de que sejam cumpridos os calendários, sintetizou o vice-presidente da Câmara de Gaia, Marco António Costa.

"Os metros têm que crescer para as direcções onde existe procura e seja alternativa ao transporte individual. Mas, como é natural, os recursos são escassos, não estamos na Suíça. É necessário fazer um correcta gestão", sublinhou, ao JN, Correia da Fonseca.

O secretário de Estado explicou que a "correcta gestão" passa por avaliar "os benefícios económicos globais positivos nos investimentos feitos e continuar a articulação com a STCP e todos os pequenos agentes da região". "Tudo tem que ser articulado e consensualizado no Grande Porto e essa é uma tarefa que cabe também à Autoridade Metropolitana de Transportes, porque é uma entidade reconhecida pelo Governo e localmente, que pode ser o regulador de uma boa gestão. As autarquias representadas na Autoridade Metropolitana são quem melhor conhece os interesses das populações", acrescentou.

O concurso para a segunda fase da rede de metro do Porto - representa um investimento de 1,2 mil milhões de euros e inclui a extensão a Laborim, a linha do Campo Alegre, a linha de S. Mamede de Infesta e a ligação Campanhã/Gondomar, por Valbom - já deveria ter sido lançado em Outubro. Ao JN, Correia da Fonseca garantiu que "a segunda fase é para avançar", mas admitiu que poderá ser necessário introduzir algumas "afinações" aos prazos. É preciso definir prioridades, mas sempre em articulação com as entidades locais, designadamente as autarquias, insistiu o secretário de Estado, que não adiantou quais as afinações a introduzir ou que em que linhas isso poderá acontecer. A estratégia passa, então, por "estabelecer uma plataforma de diálogo onde os interesses dos cidadãos e da região sejam defendidos". Correia da Fonseca entende que a Autoridade Metropolitana deve ter uma palavra importante na matéria, embora, no Porto, esta entidade ainda esteja efectivamente constituída.

(...)

in: jn.sapo.pt secção "Economia" de 8 Jan/10

07/01/2010

Nova linha da STCP para Vila d'Este


A partir de 11 de Janeiro a STCP vai ter mais uma linha a servir Vila d'Este em Gaia.
A nova linha 907 vai ligar a Boavista a Vila d'Este passando pelo Campo Alegre, Arrábida Shopping, Coimbrões, Gaia Shopping, e Hospital Santos Silva.
De 11 a 13 de Janeiro a STCP oferece as viagens para experimentar a nova linha.

Tram-train entram em circulação


Os trinta veículos modelo "Tram-train" entram oficialmente em operação na linha vermelha amanhã.
Durante o mês de Janeiro só o serviço expresso da linha Vermelha (B) entre a Trindade e a Póvoa de Varzim irá ser efectuada com as novas composições. A partir de 1 de Fevereiro também o serviço regular naquela linha entre o Estádio do Dragão e a Póvoa de Varzim será servida pelos novos modelos.
Os novos veículos irão acrescentar à rede vinte e três mil novos lugares, sendo nove mil sentados.
Apesar de poderem atingir os 100 km's horários por enquanto, a Metro do Porto não irá ajustar os horários na ligação entre o Porto e a Póvoa.
As novas unidades podem ainda recuperar cerca de 30% da energia consumida através do sistema de frenagem, e devolvê-la novamente à rede para ser consumida por outros veículos.
O Metro do Porto com a entrada em funcionamento dos "Tram-train" eleva para 102 o número de composições ao serviço.

05/01/2010

Comboios deixaram de circular na Linha da Lousã

Faro com nova rota da easyJet


A partir de 3 de Abril a easyJet passa a ligar Faro à cidade de Genebra na Suíça.
Esta ligação insere-se no plano da companhia em abrir vinte e uma novas ligações em toda a Europa.
A empresa já tinha anúnciado a criação da ligação Porto/Milão Malpensa para 12 de Fevereiro, Faro/Doncaster a 19 de Abril, e Lisboa/Edimburgo a 4 de Maio, a que se veio juntar a ligação Faro/Genebra.

Leitores dividem-se quanto ao serviço prestado pelos operadores


Numa sondagem colocada no nosso sítio ao longo do ano de 2009 e que tinha colocada a seguinte questão: "Como classifica o serviço de transportes da sua área de residência/trabalho?" os leitores mostraram-se divididos quanto a nível de eficácia e eficiência do serviço de transportes que usam.
Quarenta e um leitores (27%) num total de cento e quarenta e sete acham que o serviço é muito mau, trinta e sete (25%) acham que é razoável. Enquanto vinte e cinco leitores (17%) acham que o serviço é mau, vinte e quatro leitores (16%) acham que é bom. Vinte leitores (13%) acham que o serviço que usam é mesmo muito bom.
As conclusões através dos resultados obtidos significa que, a prestação dos diferentes operadores de transportes é desigual, que poderá variar de acordo com a zona do país em que operam.

04/01/2010

Ryanair com bilhetes a 4 euros


Entre a meia noite de hoje e as 24h do próximo dia 7, a Ryanair disponibiliza 400 mil bilhetes a 4 euros cada, para mais de 400 rotas em toda a Europa, estando as taxas aeroportuárias incluídas.
As reservas estão disponíveis no sítio da companhia: www.ryanair.pt

Transporte ferroviário de passageiros na UE liberalizado

O transporte ferroviário de passageiros entre países da União Europeia ficou oficialmente aberto à concorrência desde dia 1 de Janeiro. A norma da Comissão Europeia pretende criar novas perspectivas empresariais e de emprego, pressupondo a utilização das infra-estruturas ferroviárias de outros Estados-membros para a realização de rotas internacionais. Desta forma, os operadores poderão oferecer um serviço ferroviário de passageiros internacional, o que, até aqui, acontecia apenas mediante protocolos e acordos pontuais. Para isso, o operador necessita apenas de licença ferroviária e de ter certificados de segurança para operar nos diferentes Estados-membros. Num comunicado oficial, Antonio Tajani, o vice-presidente da Comissão Europeia e responsável de Transportes, revelou que "Trata-se de uma nova etapa na realização de um espaço integrado do transporte ferroviário que beneficiará tanto as empresas quanto os passageiros".

in: www.transportesemrevista.com de 4 Jan/10
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...
Custom Search