28/12/2007

Transtejo/Soflusa aderem ao "7 Colinas"

A partir do próximo dia 2 de Janeiro, segundo o sítio www.transportesemrevista.com/arquivo_passageiros, o grupo Transtejo, que inclui a Soflusa, irá aderir ao cartão "7 Colinas" abandonando os actuais cartões magnéticos.
Recorde-se, que o cartão "7 Colinas" é actualmente utilizado pela Carris e pelo Metro de Lisboa, através do "Zapping", ou seja, permite viagens indiferenciadas nos dois operadores, e também no comboio da ponte (Fertagus), e no Metro Sul do Tejo.
Com a adesão da Transtejo ao "7 Colinas", um cartão de tecnologia sem contacto, estão criadas as condições para a operadora aderir ao "Zapping" a breve prazo, reforçando desta forma, a intermodalidade na região de Lisboa.

Metro do Porto com funcionamento ininterrupto na passagem de ano

Na noite de 31 de Dezembro para 1 de Janeiro o Metro do Porto à semelhança de anos anteriores, irá assegurar o transporte durante toda a noite, ou seja, as composições do metro irão funcionar ininterruptamente durante mais de 24 horas, à excepção da linha E entre o Estádio do Dragão e o Aeroporto.
Assim sendo, as linhas A entre o Dragão e Matosinhos, e a Linha D entre o Hospital S. João e a estação João de Deus em Gaia, as que se prevêm com maior número de utentes, irão funcionar a partir das 22:00 até às 2:00 manhã com uma frequência de 10
minutos, e entre as 2:00 e as 6:00 de 15 em 15 minutos.
As linhas B entre o Dragão e a Póvoa de Varzim, e a linha C entre o Dragão e o ISMAI (Maia) terão uma frequência de 30 minutos entre as 22:00 e as 2:00, e de 60 minutos entre as 2:00 e as 6:00.
A Metro do Porto recomenda todos os seus utentes a recarregar antecipadamente os títulos ANDANTE, para evitar filas na hora de embarque.

Carreira da STCP servirá Mainça

No dia 7 de Janeiro a Mainça vai passar a ter transporte público. Assim, a carreira 505, que faz o percurso entre o Mercado de Matosinhos e o Hospital de S. João, vai alterar ligeiramente o seu percurso nessa zona. Assim, a partir do próximo ano o autocarro mantém o mesmo percurso até à Pedra Verde, em S. Mamede de Infesta, altura em que vai começar a passar pela Rua da Mainça, Rua Comandante Queilhas Lima, Rua Sá e Melo, Rua Santos Dias e depois segue o percurso normal. Desta forma, além de responder à reivindicação dos moradores da zona, esta alteração também vai servir o pólo industrial da zona onde se situa equipamentos importantes como a Makro e a Efacec. A frequência dos autocarros é de 20 em 20 minutos, entre as 7h00 e as 9h00 e as 17h00 e as 19h00, e de 30 minutos no restante horário.
Na manhã de ontem, Guilherme Pinto, presidente da Câmara de Matosinhos e Fernanda Menezes, presidente da administração dos STCP, acompanhados por Francisco Araújo, presidente da Junta de Leça do Balio e dos vereadores, fizeram o novo percurso do autocarro. O líder do município admitiu que com esta alteração “a população da Mainça vai focar servida e também terá ligação ao centro de saúde mamedense”. Por seu lado, Fernanda Menezes explicou que esta zona nunca foi servida por transporte público e que agora os STCP dão uma resposta a esta aspiração. “Ficamos satisfeitos por resolver este problema e sempre temos trabalhado em cooperação com as autarquias”, salientou.

Projectos para 2008
Numa altura em que os STCP estão a fazer o balanço da reestruturação das carreiras, que arrancou em Janeiro, Fernanda Menezes adiantou que já estão em marcha conversações com as autarquias para a verificação das condições das zonas de transbordo e das condições das paragens e o alargamento dos quilómetros dos corredores “Bus”, de forma a melhorar o serviço do transporte rodoviário. “É um objectivo que as câmaras devem assumir e será um contributo para a regularidade das carreiras”, afiançou.
Para a autarquia matosinhense, o grande passo para o próximo ano é o estudo da situação das paragens e dos transbordos que os passageiros têm de fazer. Guilherme Pinto admitiu que “serão prioritárias as paragens com maior fluxo, tornando-as mais confortáveis, bem como verificar se os transbordos se estão a efectuar nos locais adequados para os cidadãos”, acrescentou.
Para os STCP existem muitos condicionamentos que fazem com que “o transporte público rodoviário não consiga respeitar os horários”, razão pela qual “a existência de corredores de transporte eliminará parte destas condicionantes”.

ZA sem passageiros
A reconversão das carreiras dos STCP arrancou no inicio deste ano. Nesta altura de balanço, Fernanda Menezes lembrou que existem algumas linhas que terão de ser ponderadas, nomeadamente a ZA, que liga Angeiras, em Lavra, ao Freixieiro, em Perafita e que está a dar “muito prejuízo”. “Diariamente devemos ter cerca de 20 passageiros. Estas são linhas que prestam um serviço social que não tem um ponto de vista comercial, mas a receita actual não cobra um terço dos custos dessa linha”, acrescentou a presidente da administração dos STCP.
Guilherme Pinto lembrou que este assunto será tratado em conjunto com a junta de freguesia local e que estão em “aberto todas as soluções”. No entanto o autarca não exclui a hipótese da câmara partilhar os custos desta carreira.

in: www.oprimeirodejaneiro.pt secção Porto de 28 de Dez/07

Transportes Urbanos de Guimarães paralisam

Os trabalhadores dos Transurbanos de Guimarães voltam a paralisar esta tarde, no período entre as 14 e as 19 horas, no dia em que está marcada uma reunião com a administração da Arriva, a empresa concessionária dos TUG.

Uma reunião que Filipe Azevedo, dirigente do STRUP (Sindicato dos Trabalhadores de Transportes Rodoviários e Urbanos de Portugal), espera decisiva, e em que será conhecida a posição da administração face ao caderno reivindicativo aprovado pelos trabalhadores.

Entre as principais reivindicações, os trabalhadores reclamam aumentos salariais de 50 euros, em 2008, e de cinco por cento nas restantes matérias de expressão pecuniária, nomeadamente subsídio de alimentação e agente único.

O caderno reivindicativo foi aprovado a 2 de Novembro último na primeira de uma série de paralisações dos trabalhadores dos TUG, com os habituais inconvenientes para os utilizadores. Nessa altura, o administrador da Arriva, Manuel Oliveira, não via razões para o protesto dos trabalhadores da empresa, "tendo em conta que as negociações salariais só estão previstas para o início do ano e com ANTROP, no âmbito do contrato colectivo de trabalho".

in: www.jn.pt secção Norte de 28 Nov/07

25/12/2007

Greve da STCP com adesão de 75%

Segundo Antero Alves, do Sindicato dos Trabalhadores de Transportes (SITRA), uma das estruturas que convocou esta paralisação, estima-se que durante a tarde desta terça-feira este número se assemelhe ao registado segunda-feira.

O sindicalista referiu que cerca de 85 por cento dos trabalhadores aderiu segunda-feira à greve no período da tarde.

Esta greve, que teve início às 00h00 de domingo e apenas termina às 02h00 de quarta-feira, foi decretada também pelo Sindicato Nacional dos Motoristas (SNM) e pelo Sindicato dos Trabalhadores de Transportes Rodoviários e Urbanos do Norte (STRUN).

Os motivos desta paralisação "prendem-se com as posições negativas que o conselho de administração (CA) da STCP tem vindo a tomar contra os direitos dos trabalhadores", afirmam os sindicatos.

Acrescentam que "o CA pretende continuar a desenvolver posições em que evidencia a sua prepotência, pretendendo também com essas medidas minar a unidade dos trabalhadores e das suas organizações representativas da classe". Esta greve, à semelhança das anteriores paralisações, deverá afectar as últimas horas de serviço dos motoristas.

Os sindicatos acusam ainda o CA da STCP de "atacar direitos dos trabalhadores", designadamente através da imposição das férias, sem acordo dos trabalhadores.

in: www.sic.sapo.pt

21/12/2007

RATP encomenda novos autocarros

A RATP, empresa pública de transportes parisienses, acaba de encomendar 356 autocarros articulados Irisbus (Iveco) e MAN, com propulsão a gasóleo e a biocarburantes, por um montante global de 111 milhões de euros. A empresa parisiense vai também desembolsar 69 milhões de euros para o estudo, fornecimento e instalação do sistema de orientação necessário para a construção de mais uma linha de metro ligeiro de superfície com pneumáticos em Paris. A terceira linha deste género (T3) foi inaugurada na capital francesa em Novembro de 2006, e transportou cerca de 25 milhões passageiros no primeiro ano de actividade, cerca de 100 mil nos dias úteis. Na sequência das greves ocorridas nos transportes públicos de Paris no passado mês de Novembro, a RATP decidiu também compensar os seus clientes com uma redução de 20 a 35 por cento nos passes de transporte mensais relativos ao mês de Janeiro de 2008 (consoante o tipo de passe), de 75 por cento nos passes e títulos semanais (aplicado na segunda semana de Janeiro), e ainda uma redução correspondente a 7 dias em 365 nos passes anuais.

in: www.transportesemrevista.com secção passageiros de 21 Nov/07

19/12/2007

Inauguradas estações do Metro

O primeiro-ministro José Sócrates inaugurou esta manhã as estações do Terreiro do Paço e de Santa Apolónia do Metropolitano de Lisboa.
A obra orçada inicialmente em 167 milhões de euros, acabou por ter um acréscimo de 132 milhões, com a construção de um novo túnel após a inundação em 2000, de um outro já contruído, e que acabou por adiar a abertura destas novas estações.
A partir de agora, a linha azul do Metropolitano de Lisboa fará a ligação entre os comboios em Santa Apolónia e a Amadora-Este.

Máquinas de carregamento de títulos ANDANTE instaladas nas estações da CP não funcionam

As máquinas de venda automática de títulos de transporte para o metro do Porto e CP instaladas há cerca de nove meses em várias estações e apeadeiros das linhas de comboios suburbanos do Porto (ou seja, Porto-Aveiro, Porto-Guimarães, Porto-Caíde e Porto-Braga) nunca funcionaram e muitas delas apresentam, já, sinais de degradação e vandalismo.

Em tudo semelhantes às caixas multibanco, as máquinas, ligadas è electricidade, estão colocadas em estações e apeadeiros em locais ao ar livre, como acontece com as que foram instaladas na estação da Granja e no apeadeiro da Aguda.

Como nunca funcionaram, os utentes da CP e do metro do Porto questionados pelo JN não puderam dizer que as máquinas lhes fazem falta, mas admitem que poder carregar o Andante e comprar os bilhetes da CP numa mesma máquina seria bastante mais prático.

Segundo Coutinho dos Santos, administrador-delegado dos Transportes Intermodais do Porto, se não houver constrangimentos, as máquinas deverão entrar em funcionamento a 1 de Março do próximo ano e substituirão as actuais, de venda automática dos bilhetes para os comboios suburbanos do Porto.

As máquinas permitirão, segundo aquele responsável, não só comprar e carregar o Andante, mas também adquirir um novo bilhete da CP em tudo semelhante ao Andante, ou seja, também passível de ser carregado, como já acontece com os bilhetes dos STCP.

Aliás, os bilhetes de assinatura dos STCP também poderão vir a ser carregados nas ditas máquinas.

Mudança demorada

Para já, essa função, a de comprar e carregar os títulos de transporte do Metro, CP e STCP num mesmo local ainda só é possível na chamada Loja da Mobilidade, na estação de caminhos-de-ferro de São Bento, no Porto.

Dadas as funcionalidades das tais máquinas, segundo Coutinho dos Santos, há que avançar com a uniformização de todo o hardware e software envolvido, de forma a que as máquinas, onde quer que sejam colocadas, estejam permanentemente ligadas ao sistema central.

"E isso não se faz de um dia para o outro. Não é possível colocar 92 máquinas em três ou quatro meses, isto quando tal implica a instalação de fibra óptica e até a ligação à rede de electricidade como acontece em alguns apeadeiros", explicou Coutinho dos Santos.

"Das 60 máquinas que já foram instaladas, algumas estão realmente ligadas à electricidade. Isso acontece porque estão em fase de testes", clarificou, explicando que as 32 restantes ainda não foram colocadas, já que a CP quer que fiquem instaladas exactamente no local onde agora estão as referidas máquinas de venda automática que irão ser substituídas.

Ao todo, tratar-se-á de um investimento na ordem dos 10 milhões de euros. Quanto ao estado de degradação dos equipamentos, Coutinho dos Santos afirmou que quando forem postos a funcionar irão estar em perfeitas condições.

in: www.jn.pt 1° página de 19 Dez/07

Inauguração das estações do T. Paço e Sta. Apolónia


O Metropolitano de Lisboa inaugura hoje as estações do Terreiro do Paço e de Santa Apolónia da linha azul, passando desta forma, a fazer interface com as linhas de Cascais e de Sintra da CP.
Pelas 12:00, o ministro com a tutela dos transportes Mário Lino inaugurará as referidas estações, abrindo ao público pelas 15:00. Para assinalar esta data, será possível viajar gratuitamente em toda a rede do metro, durante o dia de hoje, numa iniciativa do concelho de administração daquela empresa.

18/12/2007

Bombeiros da capital denunciam falta de testes de segurança no metro

O prolongamento da linha azul do Metropolitano de Lisboa (ML) desde a Baixa/Chiado até ao Terreiro do Paço e Santa Apolónia é inaugurada oficialmente amanhã ao meio-dia abrindo ao público às 15.00. "Mas falta fazer testes de segurança como deve ser, envolvendo todos os meios de socorro para se verificar como se devem articular e funcionar uns com os outros em caso de emergência", denunciou ao DN o presidente da Associação Nacional de Bombeiros Profissionais, Fernando Curto.

"Como o troço do Terreiro do Paço é de alto risco, porque passa por baixo de água e já sofreu uma ruptura quando o túnel ainda estava a ser construído - em Junho de 2000 -, exige ainda mais atenção em termos de prevenção e segurança", sublinha o mesmo responsável da associação.

Na sua opinião, "é preciso os bombeiros fazerem uma vistoria o mais completa possível para testar os meios de extinção de incêndios e de evacuação para salvar as pessoas".

"Deve-se fazer um simulacro"

Esclarece que "todas estas démarches têm de partir da administração do ML, que deve solicitar ao Regimento de Sapadores Bombeiros de Lisboa (RSBL) a realização de uma vistoria pormenorizada. Até se deveria fazer um simulacro de acidente antes deste troço entrar ao serviço".

"Infelizmente, o ML continua de costas voltadas para o RSBL e para a população, porque ainda há estações que os bombeiros não conhecem".

Sublinha que "se os bombeiros conhecerem bem o espaço em que se movem e souberem onde estão todos os meios necessários, conseguem desempenhar melhor o seu papel e evitar situações mais graves".

E exemplificou: "Se um comboio ficar parado no meio desse troço, é preciso os bombeiros saberem previamente qual o percurso mais rápido para lá chegarem, retirarem as pessoas e resolverem o problema".

"Os bombeiros têm de trabalhar com elementos da equipa de segurança do metro e a realização de um simulacro é essencial para colocar todos esses meios em sintonia", frisou.

"É preciso saber onde há poços de ventilação que possam ser utilizados como saída de emergência se estiverem mais perto do local do acidente do que os outros acessos", referiu o presidente da associação.

"Ouvir as pessoas a gritar"

Acrescentou que "também é necessário saber se na galeria há espaço suficiente para transportar os feridos em macas ou se é preciso arranjar outra solução. Sem estes conhecimentos, os bombeiros vão lá para baixo ouvir as pessoas a gritar e andam por ali sem saber o que fazer".

Fernando Curto denuncia também que "os rádios de serviço dos bombeiros não funcionam na rede do metro, pelo que não conseguem comunicar para solicitar mais meios ou trocar outras informações. E o ML continua sem instalar repetidores para resolver esse problema".

Sobre estas questões, fonte da administração do ML garante ao DN que "a vistoria foi feita quinta-feira e não há qualquer parecer negativo".

O comandante do RSBL, coronel António Nunes, referiu ao DN que "se têm feito visitas técnicas e visitas de trabalho às obras". Questionado se os bombeiros foram ao novo troço e já conhecem os percursos e as saídas de emergência, as tomadas de água e outros meios de socorro, confessou que "uma vistoria assim tão pormenorizada ainda não se fez".

in: www.dn.pt secção cidades de 18 Dez/07

17/12/2007

Inaugurada extenção até à Universidade do Monte da Caparica

Foi inaugurado no passado Sábado pelo ministro Mário Lino a extenção até à Universidade do Monte da Caparica do Metro Sul do Tejo, compreendendo as estações da Ramalha, Pragal, Boa Esperança e Fomega, integrada na primeira fase de construção deste projecto.
Para já, fica prometida a extenção até Cacilhas, a inaugurar em Dezembro de 2008.
Em relação à extenção do metro a outras cidades do sul de Lisboa, a tutela faz depender a sua construção da viabilidade económica do projecto.

Partidos contra privatização do Sá Carneiro

O diferendo entre a ANA e a companhia de baixo custo Ryanair continua sem um fim à vista. As negociações entre as empresas continuam, mas os partidos políticos têm uma posição bem definida sobre esta matéria. O JANEIRO ouviu as diferentes facções e percebeu que a privatização do aeroporto não é encarada com bons olhos.

José Sá Reis

“Infelizmente Lisboa é sempre beneficiada em relação ao resto do País. A ANA deveria ceder um pouco tendo em vista os benefícios que a Ryanair iria trazer para o Porto, até porque iria criar 200 postos de trabalho directos a uma região do País que tem a mais alta taxa de desemprego, faria com que o turismo aumentasse de forma significativa, e aí o governo também deveria interferir para que o negócio fosse possível. Se houvesse a regionalização – que já deveria existir há bastantes anos – estes problemas certamente não se colocariam”.
Este comentário, anónimo, colocado num dos inúmeros blogues que proliferam pela rede, expressa o sentimento generalizado sobre a recente notícia da dificuldade criada pela ANA à implementação de uma base aérea da companhia Ryanair no Aeroporto Francisco Sá Carneiro. Michael O’Leary, presidente da companhia, disse, no final do mês passado, em conferência de imprensa no Porto, que tinha todas as intenções de abrir uma base no Porto, mas as “autoridades de Lisboa estão a condicionar essa negociação”. Disse que os custos apresentados “são muito altos” e que falta ás autoridades de Lisboa uma atitude mais comercial”. A Ryanair poderia, com a abertura deste entreposto, triplicar o número de passageiros de e para o Porto, passando de um para três milhões de passageiros transportados. As negociações continuam, mas O’Leary recordou que “ a decisão terá sempre de vir de Lisboa”, o que pode inviabilizar esse negócio.

Desrespeito pelo Porto
Para João Teixeira Lopes, dirigente do Bloco de Esquerda, o interesse demonstrado pela companhia Ryanair em instalar uma base aeronáutica no Aeroporto Francisco Sá Carneiro representa um passo “importante”, já que “a sociedade portuguesa tem que perceber que o futuro das viagens passa pelas companhias low cost”. O interesse demonstrado acompanha o crescimento do aeroporto, anunciado esta semana por elementos da administração da entidade, um crescimento elevado que não estava inicialmente previsto. “A Ryanair já veio demonstrar que não tem interesse no Aeroporto da Portela, em Lisboa, e este interesse “só nos pode encher de orgulho e augura um bom momento na região”, revela Teixeira Lopes. Contudo, ainda persiste a ideia de um centralismo em Lisboa, o que no entender do dirigente bloquista representa “um total desrespeito em relação ao Porto, porque ainda se pensa que tudo tem que se passar em Lisboa. É verdade que, hoje, as sedes das principais empresas se situam em Lisboa, mas não tem que representar que tudo se passe lá”, frisa.
Não será de estranhar que a juntar a este interesse repentino pelo aeroporto do Porto surja o crescimento sentido no volume de passageiros transportados de e para o Porto, com o consequente aumento do turismo na região. “Eu defendo um aeroporto muito forte, com o estabelecimento eficaz de interfaces com outros meios de transporte. Não necessita de ser com o comboio de alta velocidade, que muita polémica tem causado, mas com o comboio, por exemplo”, refere Teixeira Lopes. “Não esqueçamos que assumimos hoje um importante projecto regional e podemos ser, se soubermos guiar as coisas com a eficácia pretendida, uma alternativa eficaz à Galiza”, acrescenta.

Negociações continuam
O que a ANA tem feito, e por conseguinte o Governo, que não tem ajudado à resolução do problema e tem persistido na ideia de privatizar a entidade, é um “cortar de asas a quem quer voar”. “Já nos pronunciamos publicamente contra a possibilidade cada vez mais credível de privatizar a ANA [entidade que gere os aeroportos portugueses], por entendermos que deve ser um serviço inteiramente público e não ter interesses subjacentes”, destacou.
Até porque vai potenciar ainda mais “o Douro Património Mundial, com uma diversidade paisagística admirável”, reflecte, apontando que a região Norte é, hoje, um indicador da riqueza no país. “As estatísticas nacionais mostram que o Norte tem puxado o país para baixo, enfraquecendo-o. Isto mostra a importância da região no desenvolvimento do país”, aventa o também sociólogo. “O Porto está hoje a desenvolver um importante ‘cluster’ de saúde, que tem vindo a ganhar projecção, e deve existir uma aposta forte no turismo na zona”, salienta Teixeira Lopes, lamentando assim o presumível afastamento da possibilidade de uma companhia residente no Aeroporto da Portela.
Opinião idêntica foi expressa, ao JANEIRO, por Renato Sampaio, presidente da Federação Distrital do PS/Porto, que diz ter “sempre defendido que devia haver uma companhia residente que valorize o Aeroporto do Porto”. Contudo, admite que esta negociação “não pode ser feita através de uma visão estratégica privada”, mas haver uma “negociação consistente tendo em linha de pensamento o fomento do turismo, do sector económico e do desenvolvimento sustentável”. Vê, por isso, com bons olhos a hipótese levantada de fazer do aeroporto Sá Carneiro uma base nacional da companhia de baixo custo Ryanair. “Contudo, a ANA ainda está em negociações, o processo de concessão ainda decorre, não nos cabendo expressar mais opiniões sobre esta matéria”, refere Renato Sampaio.

Posição estratégica
O PCP espera para ver e leva esta máxima avante. No fundamental, diz não querer particularizar, mas mostra-se declaradamente contra a possibilidade de privatizar o aeroporto. “Solicitámos já um encontro com a direcção do aeroporto, para percebermos em que ponto estamos e termos plena consciência do que se está a falar neste caso”, refere Sérgio Teixeira, responsável da Direcção de Organização Regional do Porto do PCP, lembrando que levou este assunto a Assembleia Metropolitana, questionando o presidente da Junta Metropolitana do Porto sobre esta matéria.
“O aeroporto está hoje numa posição estratégica, como um pólo importante do turismo nacional e posicionado como um importante receptador de turismo internacional”, sustenta o responsável.
Assim, não concorda com o rumo que tem tomado todo este processo, já que, “neste caso, e tendo em conta que este é um empreendimento nacional, as várias instituições devem ter uma palavra a dizer sobre todo este processo”. Para ele, não se devem confundir duas valências importantes como o interesse da região e os interesses privados que podem pairar na região. “Deve saber-se, antes de mais, qual a oferta existente para este espaço. Não pode imperar os interesses estratégicos, mas aqueles que demonstrem maior rentabilidade do aeroporto”, revela.

PSD acha estranho
Do lado do PSD, recuperamos as afirmações que Marco António Costa, líder da distrital do PSD, proferiu na altura, já que este se recusou a prestar mais esclarecimentos sobre o assunto, alegando que “já teria falado dessa matéria anteriormente”. Assim, revelou que acha “muito estranho” e que o partido “não aceitará decisões de parcialidade regional “, acrescenta, dando conta que, caso os esclarecimentos do Governo não cheguem ou sejam insuficientes, o PSD vai chamar o presidente da ANA e da Ryanair à Assembleia da República para perceber o que se está a passar.

-----------------

Retrato do aeroporto do Norte
O Aeroporto Francisco Sá Carneiro é o terceiro entreposto aeroportuário do país com maior movimento de passageiros e bagagens. Está, actualmente, atrás do Aeroporto da Portela e do Aeroporto de Faro, mas tem testemunhado um relativo incremento das suas ligações, devido, em grande parte, ao aumento dos voos das companhias de baixo custo para o viajante, como é o caso da Ryanair. Foi considerado, há pouco tempo, com um dos melhores aeroportos europeus, com uma intermodalidade eficaz entre o avião e o transporte público, como é o caso do metro e do autocarro, com uma rede cada vez mais eficaz e que tem respondido cada vez melhor a estes novos desafios – a linha E do Metro do Porto liga directamente, em pouco mais de meia hora, a plataforma aeroportuária com a baixa da cidade do Porto. Alternativa mais viável para quem não tem viatura própria à espera á chegada ao aeroporto, mas que pode ser facilmente trocada (caso se prefira algo mais convencional” pelo táxi ou pelos autocarros da rede municipal do Porto, STCP. O aeroporto tem conhecido tempos de bom augúrio, tendo ganho já prémios de prestígio. Em 2006, a European Convention foir Constructional Steelwork distinguiu o terminal de passageiros do aeroporto na categoria de melhor obra portuguesa em aço e neste ano, como referido, foi considerado o terceiro melhor aeroporto da Europa, e do Mundo, na categoria de menos de cinco milhões de passageiros. De futuro, está prevista a construção de uma nova pista, para meados de 2009, ficando a actual como caminho de circulação. Ao mesmo tempo, serão construídos novos lugares e oficinas para um melhor e mais rápido desempenho na aerogare, utilizada todos os dias por inúmeros passageiros. O aeroporto está agora de olhos postos na Galiza, um forte pólo turístico que o Norte quer agora captar.

in: www.oprimeirodejaneiro.pt de 17 Dez/07

16/12/2007

Metro até à Caparica depende de estudos

A extensão do Metro Sul do Tejo (MST), cuja primeira fase está ainda por concluir, ao Fogueteiro, Lavradio e Costa de Caparica merece o aval do Governo, caso seja comprovada a viabilidade económica das novas linhas.

"Não será da parte do Governo que as coisas não se concretizarão", garantiu ontem o ministro das Obras Públicas, Transportes e Comunicações, durante a cerimónia de inauguração da segunda etapa da primeira fase do MST, entre a Cova da Piedade e a Universidade.

"Podemos sonhar com a ligação ao Fogueteiro, Lavradio e também Costa de Caparica. Saibamos nós responder às necessidades objectivas das populações", afirmou Mário Lino. O desafio fora lançado pela presidente da Câmara de Almada, Maria Emília de Sousa "Dentro de alguns anos será possível chegar ao Lavradio, no Barreiro, e ao Fogueteiro, no Seixal. E também já estão apontados os carris para a Costa de Caparica".

Tendo em conta os atrasos na conclusão de toda a rede, prevista inicialmente para Dezembro de 2005 e agora agendada para Novembro de 2008, o ministro assumiu não ter sido "por acaso" que foi aberto em Maio um troço de quatro quilómetros, entre Corroios e a Cova da Piedade, que atrai poucos passageiros. "Nós considerámos que era importante o hábito. A população começa a ver o metro a andar", explicou.

Lino enalteceu a cooperação entre Estado, Poder Local e concessionária no desenvolvimento do MST. "Se este espírito se mantiver, nós teremos um projecto de sucesso para bem dos almadenses, dos seixalenses e de todos os que sejam servidos pelo metro", concluiu. Por seu lado, Maria Emília de Sousa exprimiu um sonho "Espero um dia podermos ver a ligação do metro de Lisboa à Margueira". Uma referência ao projecto Almada Nascente - Cidade da Água, que acolherá no prazo de 20 anos 15 mil habitantes e 14 mil trabalhadores, entre Cacilhas e Cova da Piedade.

A primeira fase do MST, orçada em 390 milhões de euros, estará concluída a 27 de Novembro de 2008, com a inauguração da linha Cacilhas-Universidade. Só depois dessa data será analisada a hipótese de avançar para a segunda fase, até ao Fogueteiro, e para a terceira, até ao Lavradio.

A ligação à Caparica merece ponderação, devido à grande afluência de pessoas, na época balnear. Porém, não está consignada no contrato assinado em Julho de 2002 entre o Estado e a Metro Transportes do Sul, que irá explorar a rede do MST até 2032.

Utente-alvo estudantes

A viagem inaugural da segunda etapa do Metro Sul do Tejo, até à Universidade do Monte de Caparica, foi considerada "excelente" pelo ministro dos Transportes. "É muito confortável, é seguro e introduz melhor qualidade de vida", disse Mário Lino, explicando que com este novo troço o percurso Corroios-Pragal passa a ser feito em 15 minutos e Pragal-Universidade em cinco. A nova ligação entrou em funcionamento após a cerimónia de inauguração e vários utentes experimentaram-na. "Isto vai ser uma maravilha. Sou 100% a favor do metro", disse ao JN Manuela Diogo, de 67 anos. "Antigamente, o metro ia de parte nenhuma para lado nenhum. Para o Pragal, há poucos transportes e agora temos um mais rápido, frequente e cómodo", afirma Sílvia Januário, 35 anos. Segundo a presidente da Câmara de Almada, o pólo universitário do Monte de Caparica tem mais de 13 mil alunos, o público-alvo do novo troço. "É o garante de que o projecto tem todas as condições para ter êxito", frisa Maria Emília de Sousa. A primeira viagem só teve um percalço, junto à paragem da Ramalha, onde a maquinista teve de travar, porque Rosalina de Freitas, de 57 anos, se colocou no meio da linha, para alertar o ministro. "Há coisas que não estão bem. Outras situações podem ocorrer", alertou, ao JN, insistindo no problema da segurança.

in: www.jn.pt secção país de 16 de Dez/07

14/12/2007

Metro do Algarve volta a estar em debate

Lagos, Portimão, Lagoa e Albufeira não querem perder o comboio dos últimos apoios comunitários e, por isso, já se associaram para atrair mais fundos da Europa. Valorização das zonas ribeirinhas, transportes e inovação são prioridades.

Os municípios de Lagos, Portimão, Lagoa e Albufeira vão criar uma rede urbana de cooperação para se candidatarem aos fundos comunitários destinados à região, no quadro da Política de Cidades Polis XXI.

A tutela já aprovou uma verba de 500 mil euros para financiar as acções preparatórias de cooperação entre os quatro municípios barlaventinos, que, no próximo ano, deverão elaborar um programa estratégico comum para valorizar as suas frentes ribeirinhas, encontrar soluções de transportes e acessibilidades e potenciar a inovação e conhecimento nesta sub-região.

O projecto de cooperação, intitulado «Barlavento Sustentável», deverá dar origem a uma das 31 redes urbanas para a competitividade e a inovação que o Governo pretende ver constituídas até 2015, no âmbito da Política de Cidades Polis XXI.

A ideia é que os municípios possam criar formas de cooperação que lhes dêem dimensão e que reforcem os seus factores de competitividade, de potencial económico e de projecção internacional. Para se organizarem, basta terem uma relação de proximidade ou objectivos comuns.

Os quatro municípios envolvidos reúnem 72 por cento da oferta de camas turísticas classificadas do Algarve e, sendo todos do Litoral, albergam grande parte da oferta de sol e praia da região.

Daí que não seja de estranhar que, à cabeça dos objectivos desta rede urbana, esteja a valorização das frentes de mar ou rio. Lagos, Portimão, Lagoa e Albufeira querem encontrar financiamento extra para os seus projectos nesta área, pelo que deverão elaborar um projecto conjunto que lhes permita beneficiar de apoios majorados nos parcos fundos estruturais atribuídos à região.

A mesma regra se aplica à mobilidade e acessibilidade. Técnicos dos quatro municípios deverão estudar as melhores soluções, ao longo de 2008, estando também prevista a criação painéis intermunicipais de debate e a realização de workshops temáticos.

O estudo para a criação de um metro ligeiro de superfície deverá estar mais uma vez em cima da mesa.

Nesses locais deverá ainda ser discutida a localização do parque tecnológico comum que os quatro municípios preconizam.

Este projecto é, de resto, o principal das medidas previstas para fazer desta rede um pólo de conhecimento para a inovação e competitividade, onde também constam projectos de constituição de uma biblioteca virtual comum, mecanismos de apoio à criação e gestão de empresas em sectores inovadores e criação de parcerias público-privadas e com universidades, no sentido de criar incentivos à investigação e à publicação.

Enquanto é elaborado o programa estratégico comum suficientemente fundamentado para captar os financiamentos inscritos nos planos operacionais para o período 2007-2013, deverá ser lançada uma página na Internet que permita acompanhar a discussão e a própria imagem da rede urbana.


in: www.barlavento.online.pt de 14 de Dez/07

08/12/2007

Low cost representam 25% do tráfego aéreo nacional

Há uma nova realidade nos céus. As companhias de low cost são um verdadeiro sucesso e ameaçam as grandes companhias nacionais com voos regulares, roubando clientes em viagens de pequena distância. A questão do novo aeroporto de Lisboa tornou este fenómeno mais visível, tal como as suas consequências.

O último estudo apresentado ao Governo pela Associação Comercial do Porto (ACP) analisa esta nova realidade e a possibilidade de Lisboa ter dois aeroportos a funcionar em simultâneo, com «clientes» diferentes.

O trabalho realizado pelo Centro de Estudos de Gestão e Economia Aplicada da Universidade Católica conclui que a coexistência «é possível» e que a «Portela + 1» revela-se como a solução mais económica para o país.

Menos 30 por cento de voos na Portela

Neste estudo encomendado pela ACP, o Montijo surge como a localização ideal para um aeroporto low cost. Com a possibilidade de mais tarde, quando a Portela esgotar por completo, ser transformado num aeroporto principal.

Em três anos seria possível colocá-lo em funcionamento e desviar 30 por cento dos voos da Portela. O principal aeroporto da capital ficaria com mais tempo de vida.

Além do Montijo, Alcochete também pode servir para o mesmo fim, apesar do custo ser mais elevado.

Aliás, já em 1994 um estudo da ANA dizia ser possível o funcionamento simultâneo do Montijo e Portela. O estudo analisou a Ota, Rio Frio e Montijo. Elegeu este último como o melhor.

Recentemente, o presidente da TAP, Fernando Pinto admitiu a possibilidade de discutir a solução «Portela + 1», desde que o actual aeroporto da capital ficasse direccionado para os voos da transportadora nacional.

TAP cancela voos

Segundo um artigo publicado no suplemento Cargas e Transportes do jornal Público, «desde o início de Janeiro de 2007 que a TAP tem vindo a cancelar centenas de voos. Mesmo em pleno mês de Agosto, que é aquele em que o tráfego na Portela atinge o valor mais alto, houve voos anulados».

E como ganham as low cost os passageiros? Neste momento já é possível viajar para de Londres para a Madeira através da companhia EasyJet. Ou seja, alguns passageiros eram obrigados a fazer escala nos aeroportos nacionais e agora não precisam. Qual a consequência? Menos passageiros para a TAP e para o aeroporto.

Mais de 80 por cento do mercado (voos) do aeroporto de Lisboa é europeu, precisamente o negócio onde as low cost estão a investir e a criar ligações.

Custos baixos, bilhetes baratos

Como podem as companhias de baixo custo ser lucrativas com os preços que praticam? Simples: a maioria trabalha através da internet ou com operadores telefónicos, sem intermediários. Como fazem viagens curtas (2 a 3 horas), as tripulações dormem nas próprias casas e não em hotéis. A nível de funcionários, veja esta comparação: a TAP tem 684 passageiros por trabalhador, enquanto a Ryanair tem 10.050 passageiros por funcionário e a Easyjet 6.300.

Compram aviões novos e grandes: com capacidade para mais de 180 passageiros em cada viagem, consumos menores de combustíveis e fácil manutenção, uma vez que a frota é toda do mesmo modelo. Os bilhetes são todos de classe turística, sem regalias.

Neste momento, as duas empresas de low cost que mais passageiros transportam, em Portugal, são a Easyjet e a Ryanair.

Girona, Reus e Beauvais

Girona, a 90 quilómetros de Barcelona, é um bom exemplo de um aeroporto direccionado para voos de baixo custo. Começou em 2003, ficou barato, e já transporta 5 milhões de passageiros por ano.

Reus, perto de Taragona, também em Espanha é outro exemplo.
Tal como, Beauvais, a 84 quilómetros de Paris. Com uma pista de 2400 metros e um simples terminal, faz ligações a 16 cidades da Europa.

in: www.portugaldiario.iol.pt de 5 Dez/07

LNEC entrega estudo sobre novo aeroporto em Janeiro

O Laboratório Nacional de Engenharia Civil (LNEC) adiou para a segunda semana de Janeiro de 2008 a entrega do estudo comparativo entre as várias localizações possíveis para o novo aeroporto de Lisboa, que deveria estar concluído na próxima quarta-feira, dia 12. O LNEC justifica o adiamento da entrega com "a necessidade de compatibilização, harmonização e consolidação dos vários estudos parcelares que têm estado a ser realizados pelas equipas de especialistas nacionais e estrangeiros". Um dos motivos para este atraso está relacionado com a inclusão da opção Portela+1, uma hipótese avançada pelo estudo da Universidade Católica Portuguesa para a Associação Comercial do Porto, que defende um segundo aeroporto vocacionado para voos “low cost” que se poderia localizar no Montijo ou em Alcochete. Segundo o referido estudo, aquela alternativa tem a vantagem de diferir o investimento na construção de um novo aeroporto, aumentando ao máximo o investimento de 380 milhões de euros que está a ser efectuado na Portela, defendendo igualmente a possibilidade de ter disponível, já a partir de 2010, um aeroporto para servir as companhias low cost. Quando a Portela tiver de ser abandonada definitivamente, após a amortização dos investimentos, o estudo defende a possibilidade de transferir todo o tráfego para o aeroporto inicialmente secundário, quer seja Alcochete ou o Montijo.

in: www.transportesemrevista.com de 8 Dez/07

Governo não fecha a porta a linha subterrânea do Metro do Porto

O ministro das Obras Públicas, Mário Lino, disse, ontem, que o Governo aguarda uma proposta concreta da Metro do Porto para estudar a viabilidade da nova linha circular subterrânea projectada pela empresa para servir alguns dos maiores núcleos populacionais da cidade. Igualmente cauteloso, o presidente da empresa, Valentim Loureiro, declarou tratar-se de "uma linha muito importante, se e quando vier a ser feita".

Confrontado pelo JN à margem do debate parlamentar de urgência sobre obras públicas, Mário Lino não fechou a porta à ideia avançada pela Metro do Porto. Lembrando que "a questão não consta do acordo" assinado pelo Governo para a construção da segunda fase do metro, o ministro passou a bola para a empresa cuja comissão executiva é liderada por Oliveira Marques. "Se querem introduzir esta alteração ao projecto, que a estudem e a apresentem ao Governo", disse Mário Lino.

Também Valentim Loureiro lembrou, ontem, que a linha circular subterrânea proposta para o Porto não faz parte do pacote definido para a segunda fase e previsto no memorando de entendimento assinado entre o Governo e a Junta Metropolitana do Porto (JMP). Em suma, não houve ainda uma discussão formal no âmbito da segunda fase de expansão da rede do metro. O que há é uma proposta lateral, ao Governo, no âmbito dos PIN (Projecto de Potencial Interesse Nacional).

Seja como for, a ideia da linha circular surgiu no âmbito dos estudos técnicos que a Metro mandou fazer para a segunda fase. E, para demonstrar as suas vantagens, Valentim comparou-a a "uma espécie de guarda-chuva". A linha circular será aquela que irá unir as várias "varetas" que são as diferentes linhas da Área Metropolitana. Além disso, destacou a importância da obra para a revitalização do Porto e, em particular, do centro histórico.

Da parte dos restantes autarcas, aguarda-se pela discussão e apresentação de uma proposta. "Seria muito interessante que, antes de se apresentarem as propostas na Comunicação Social, o Conselho de Administração da Metro do Porto e a JMP, na qualidade de accionista, as discutissem", lamentou Marco António Costa, vice-presidente da Câmara de Gaia, quando foi noticiada a nova linha.

www.jn.pt secção Porto de 8 de Dez/07

07/12/2007

Metro Sul do Tejo concluído em Novembro de 2008

O Estado vai pagar 70 milhões de euros adicionais à Metro Transportes do Sul (MTS), concessionária do metro ligeiro de superfície da margem Sul do Tejo, no âmbito da alteração ao contrato de concessão aprovada ontem pelo Governo. Trata-se de uma compensação pelo atraso de quase três anos no início da exploração na totalidade da rede.

O comunicado do Conselho de Ministros explica que o acordo entre o Estado e a MTS, aprovado em 2002, teve de sofrer alterações "em virtude de se terem verificado atrasos na disponibilização de terrenos dos domínios público e privado municipal, da descoberta de vestígios arqueológicos e das alterações introduzidas no traçado da via".

"Confirma-se que são 70 milhões de euros que em princípio cobrirão todos os encargos adicionais até ao final da obra", avançou ao JN o deputado do PSD, Luís Rodrigues, eleito pelo círculo de Setúbal, que ontem esteve reunido com a Secretária de Estado dos Transportes, Ana Paula Vitorino.

"Ronda os 70 milhões de euros, mas o valor correcto não sei", confirmou, por seu turno, o encarregado de Missão, Marco Aurélio, salientando que a avaliação foi feita por uma comissão de acompanhamento criada para o efeito. O valor definido pretende compensar a concessionária "relativamente ao facto da entrada em funcionamento do metro não ter ocorrido em 2005 e ser apenas em 2008", adiantou o responsável, acrescentando que também foram realizados trabalhos a mais. "As responsabilidades são assumidas pelo Estado no seu global enquanto entidade pública", assegura .

Segundo o presidente da administração da MTS, José Luís Brandão, o acordo estava a ser negociado desde Março de 2006. "Finalmente teve despacho favorável das Secretarias de Estado dos Transportes e das Finanças", comenta o responsável, lembrando que a alteração ao contrato de concessão prende-se com os "impedimentos que obrigaram à paragem da obra e a fazer-se o arranque em três fases e não uma".

José Luís Brandão não avança números, porque "o contrato ainda não está assinado". Contudo, salienta, que "há valores que são para o estaleiro, outros para a manutenção e outros para a concessionária".

O deputado social-democrata, Luís Rodrigues, estranha que não sejam atribuídas responsabilidades à Câmara de Almada devido ao atraso na cedência de terrenos. "Não há atribuição de responsabilidades neste caso", adianta, referindo que a Secretária de Estado dos Transportes lhe assegurou ontem que "quem vai pagar os 70 milhões de euros é o Estado".

Sem querer fazer comentários sobre este acréscimo, a autarquia alega que o atraso na cedência de terrenos se ficou a dever ao facto da concessionária não ter entregue o projecto à Assembleia Municipal, a entidade responsável pelo processo. O impasse foi resolvido depois de entregue e analisado o projecto que necessitava da disponibilização de terrenos para avançar.

"São três anos de atraso e mais 70 milhões de euros", recorda o deputado, que, ainda assim, acredita que a obra irá avançar dentro dos prazos. "De certeza que chegaremos a Novembro de 2008 com tudo concluído. O mais difícil está agora a ser feito", concluiu.

Conclusão final prevista para Novembro de 2008

O Metro Sul do Tejo (MST) tem uma nova calendarização, apesar de estar em funcionamento desde 1 de Maio de 2007 o troço entre Corroios e a Cova da Piedade. A resolução aprovada ontem pelo Conselho de Ministros estabelece novas datas "para a entrada e serviço e recepção das infra-estruturas do MST". Todas as linhas deveriam ter entrado em funcionamento até Dezembro de 2005, mas agora a conclusão do projecto está prevista para 27 de Novembro de 2008. A minuta de aditamento ao contrato, de acordo com o comunicado do Conselho de Ministros, estabelece a entrada em funcionamento do troço entre Corroios e a Universidade "até 15 de Dezembro de 2007" e "de dos demais troços da primeira fase até 27 de Novembro de 2008". Num projecto orçado em 320 milhões de euros, o troço entre a Cova da Piedade e a Universidade teve um custo total de 80 milhões de euros, enquanto o primeiro troço entre Corroios e a Cova da Piedade custou 95 milhões. Cada um destes troços tem quatro quilómetros, numa rede que terá um total de 13 quilómetros de extensão.

in: www.jn.pt secção país de 7 de Nov/07

Parabéns ao metro!

Fáz hoje 5 anos que foi inaugurado Metro do Porto. Hoje, são 5 as linhas em operação entre o Porto e os concelhos de Matosinhos, Maia, Gaia, Vila do Conde e Póvoa de Varzim.
Cinco anos passados e o Metro do Porto já transportou cerca de 116 milhões de passageiros, tendo percorrido um total de 19 milhões de kilómetros.
A linha mais procurada é a amarela entre o H. S. João e a estação de João de Deus em Gaia com cerca de 25% das validações registadas, seguindo-se a linha azul entre o Estádio do Dragão e Matosinhos com 7,6%.
A estação com a maior procura é a da Trindade onde se cruzam as 5 linhas, com cerca de um milhão de validações.
O metro também, é o principal operador de transporte entre a cidade e o Aeroporto Sá Carneiro na Maia.

05/12/2007

Vila Real: novos horários, novos preços

Os transportes públicos de Vila Real vão oferecer horário alargado à noite, nos fins-de-semana e nos feriados, tendo o preço dos bilhetes subido, já este mês, nove por cento.

A rede de Transportes Públicos Urbanos de Vila Real foi concessionada à empresa privada Corgobus em 2004 e, desde essa altura, é perceptível a mudança nos hábitos de transporte da população local, com o número de passageiros a aumentar todos os meses. Só no passado mês de Outubro, segundo o responsável pela Corgobus, João Queirós, os autocarros transportaram 133 mil passageiros.

Para responder à procura crescente, a Câmara de Vila Real já aprovou o alargamento do horário dos transportes públicos. Estes poderão passar a funcionar até às 24 horas durante os dias de semana e ainda aos sábados à tarde, domingos e feriados, já no decorrer do próximo.

As linhas diurnas vão-se manter, mas no período nocturno poderá passar a funcionar apenas uma linha, com autocarros de 30 em 30 minutos, que passarão pelos principais pontos da cidade, tais como a Avenida Carvalho Araújo, a zona do Pioledo, do mercado municipal ou do centro comercial. Serão ainda adquiridos mais dois autocarros. A Corgobus conta actualmente com 12 autocarros a percorrer as quatro linhas.

O presidente da Câmara de Vila Real, Manuel Martins, salientou a necessidade de se proceder a um acerto dos tarifários praticados, já que os preços dos combustíveis "duplicaram" desde a entrada em funcionamento dos transportes públicos.

in: www.jn.pt secção Norte de 5 Dez/07

04/12/2007

Aumento dos transportes superiores à taxa de inflacção

Segundo notícia a TSF na sua edição on-line citando a Secretária de Estado dos Transportes Ana Paula Vitorino, o preço do aumento dos transportes para 2008 será superior à taxa de inflacção (2,1% segundo as previsões do governo), mas dificilmente ultrapassará a taxa dos 4%.
Na base deste aumento superior à inflacção, está o aumento abrupto do preço dos produtos petrolíferos registado nos mercados internacionais nos últimos meses.
Segundo a governante, aínda não está definida a taxa de aumento, devendo esta ser conhecida no decorrer da próxima semana.

01/12/2007

Aldeia contra o TGV

O Movimento Anti-TGV de Alcobaça (MATA) colocou "à venda" casas, empresas, lugares, aldeias e até freguesias do concelho. Segundo os autores, o cartaz, afixado nas zonas que deverão ser mais afectadas pelo traçado do comboio de alta velocidade, é uma forma de protesto "humorístico", a menos de um mês de ser conhecido pela Agência Portuguesa do Ambiente o percurso mais viável. A decisão será posteriormente tomada pelo Governo. Uma coisa é certa para os opositores ao projecto "Seja qual for a localização o impacto é negativo".

A ideia, bastante original, explica o porta-voz do movimento, Bruno Letra, partiu de um grupo de pessoas da zona de Aljubarrota e Molianos. "Pretende mostrar os impactos negativos que o TGV já está a ter no ramo imobiliário. Os valores dos terrenos baixaram abruptamente e as pessoas não têm dúvidas de que tal se deve ao comboio", esclarece. O TGV, que passou a ser rotulado por "terror de alta velocidade", "não irá trazer nada de bom", sublinha. Ao contrário, defende este movimento, "vai amputar o concelho", obrigando à demolição de habitações e empresas, sobretudo em oito das 18 freguesias, com Benedita e Turquel à cabeça.

Enquanto esperam que o traçado definitivo seja conhecido, o que deverá acontecer até ao final deste ano, os opositores da alta velocidade têm vindo a contactar os deputados eleitos pelo círculo de Leiria. Para já, o PSD foi o único grupo a responder, marcando para a próxima quarta-feira uma reunião, à qual comparecerão também os autarcas mais atingidos. O MATA aguarda que o PS e o CDS-PP mostrem também disponibilidade para "ouvir as preocupações das populações".

O movimento, refere Bruno Letra, reuniu já com a RAVE - Rede Ferroviária de Alta Velocidade. "Refutámos todos os argumentos e deixámos bem claro que iríamos fazer tudo para que o projecto não tivesse carris para andar", recorda, adiantando ter obtido a garantia de que, após a decisão, responsáveis da RAVE "virão ao concelho explicar tudo o que se vai passar, de uma forma séria".

Será também organizado um colóquio, que contará com a presença de vários especialistas nesta matéria e que estão contra a alta velocidade em Portugal. "Para nós, não se justifica", considera, defendendo antes a recuperação da Linha do Oeste. Mas esta é uma iniciativa que fica para depois de ser conhecido o traçado, "de forma a não haver especulações". Tal como as manifestações. Até agora, houve apenas um protesto de rua, que serviu sobretudo para alertar as populações para o que se estava a passar", refere Bruno Letra.

Para os interessados em comprar uma casa ou uma aldeia, por exemplo, o número de contacto fornecido no cartaz é o da RAVE. O JN contactou a empresa, mas ninguém se mostrou disponível para reagir a este protesto.

Estação em Leiria

No troço entre Alenquer e Pombal, com cerca de 110 quilómetros, a nova ligação de alta velocidade tem assegurada a viabilidade da articulação com a Linha do Oeste, numa nova estação em Leiria, cuja execução "é mais favorável se a alternativa de localização for a poente", refere a RAVE. A empresa adianta que na solução que aparentemente melhor serve esta ligação, "prevê-se que sejam afectadas cerca de 129 edificações de vários tipos, desde casas de habitação a simples barracões, estimando-se que, destas, 60% possam corresponder a afectações directas que impliquem demolições". Após um período de consulta pública, terminado em Outubro, seguiram-se as reacções das pessoas. O presidente da Câmara de Alcobaça, Gonçalves Sapinho, refuta os números da RAVE e diz ter recebido cerca de cinco mil queixas, considerando que "por uns minutos a menos numa viagem de comboio estão a prejudicar-se milhares de vidas".

in: www.jn.pt secção país de 1 Dez/07

30/11/2007

Itália não fez sentir o efeito da greve

Esperava-se um dia díficil para os utentes dos transportes públicos italianos, mas tudo não passou de "um alarme falso", aquele que se fizera anúnciar alguns dias antes pelos sindicatos.
Um pouco por toda a Itália, não se fizeram sentir os efeitos da greve, com os transportes a funcionarem normalmente.
Na comuna de Roma por exemplo, os transportes funcionaram práticamente a 100%. Nos portos e aeroportos, a situação foi semelhante.

Renovação na Carris


Dando continuidade à reestruturação da empresa, a Carris anúnciou para 2008, o encerramento de todos os postos de vendas, os denominados quiosques amarelos da Carris, por falta de condições de trabalho, e por estes não oferecerem aos seus utentes condições adequadas de atendimento.
Assim sendo, a empresa apostará na criação de espaços mais amplos, onde os utentes para além da aquisição de títulos e pedidos de requerimentos, poderão dispor de acesso a bar e livraria por exemplo, entre outros serviços.
A instalação destes espaços, será feito nas zonas de maior movimento de utentes.

Metro Sul do Tejo inicia testes em nova linha

A empresa Metro Sul do Tejo inicia hoje testes de circulação no novo troço compreendido entre a Cova da Piedade e a Universidade do Monte da Caparica, a inaugurar no próximo dia 15.
Na base destes testes, está a necessidade de corrigir porventura alguns problemas técnicos, que possam existir.
O troço em causa custou cerca de 80 milhões de euros.

29/11/2007

Vai ser possível usar telemóvel no metro de Milão


A TMB, empresa de transportes de Milão, anúnciou ter chegado a acordo com as operadoras telefónicas italianas, para possibilitar o uso de telemóvel no interior das suas carruagens de metro.
Dentro em breve, vai ser possível a qualquer cliente efectuar chamadas, enviar mnsagens, ou usar internet, enquanto se desloca, sem quebra de qualidade da navegação.

"Sexta-feira negra" em Itália


Prevê-se uma "sexta-feira negra" um pouco por toda a Itália.
Os sindicatos representativos dos trabalhadores dos transportes anúnciaram a paralização para amanhã, como forma de protesto contra a "Finanziaria", uma medida levada a cabo pelo governo italiano como forma de relançar a economia do país, mas que retira alguns direitos aos trabalhadores da administração pública, e que ameaça deixar cerca de 16 milhões de utentes sem meios de transporte.
Todos os sectores de transportes anúnciaram a paralização: metro, autocarros, comboios, portos e aeroportos, prevendo-se como tal, muitas dificuldades e um aumento acêntuado da circulação de veículos nas estradas italianas.

TST com médios ligados a partir de dia 1


A "Transportes Sul do Tejo" vai já a partir de Sábado, 1 de Dezembro, circular com os médios ligados em todas as suas viaturas.
A medida insere-se num plano de reforço de segurança rodoviária, que a empresa pretende levar a cabo, contribuindo deste modo, para a diminuição da sinistralidade rodoviária nas estradas portuguesas.

Governo não considera hipótese "Portela + Montijo"

O estudo desenvolvido pela Associação Comercial do Porto (ACP), que defende a opção Portela+Montijo, apresentado sexta-feira ao Executivo, irá ficar na gaveta. É que o Laboratório Nacional de Engenharia Civil (LNEC) já está a ultimar o estudo comparativo da localização do futuro aeroporto de Lisboa e a análise incide exclusivamente entre a Ota e Alcochete, segundo despacho do Governo, apurou o DN.

Fonte do gabinete do ministro das Obras Públicas disse que Mário Lino enviou para o LNEC o estudo da ACP e também um trabalho desenvolvido por Pompeu Santos, que aponta como alternativa para o futuro aeroporto Pinhal Novo. Mas, garante fonte próxima do processo, "os dois estudos não vão a tempo de ser analisados". Provavelmente, serão incluídos "como anexos" ao relatório comparativo.

Para o Governo, a única opção para Portela+1 está definida há vários meses e passa pela ocupação da placa de Figo Maduro, para o estacionamento de aviões. Este anúncio foi feito durante as obras de construção do terminal 2, integradas no plano de expansão da Portela, que envolvem um investimento de 380 milhões de euros e deverá ficar concluído em 2010.

O despacho de Mário Lino que autoriza o LNEC a fazer os estudos comparativos é de 12 de Junho e fixa seis meses para a sua finalização. Ou seja, a 12 de Dezembro o ministro fica a conhecer as conclusões do LNEC. A decisão do Governo sobre a melhor localização - Ota ou Alcochete -, só deverá ser conhecida no início de 2008.

Numa primeira fase, o LNEC estudou a viabilidade de localizar o aeroporto em Alcochete. Só depois de ter concluído que existiam condições para lá instalar a infra-estrutura é que se avançou para os estudos comparativos com a localização escolhida pelo Governo - a Ota.

Entretanto, a Confederação da Indústria Portuguesa (CIP) e a ACP foram desenvolvendo estudos paralelos. A CIP apresentou as conclusões do seu estudo o mês passado, contemplando as acessibilidades e o impacto ambiental sobre a opção Campo de Tiro de Alcochete. A opção Portela+Montijo, da ACP, só agora é que foi conhecida. O timing de divulgação está a ser considerado" inoportuno" e é visto "como uma forma de influenciar a decisão política sobre o fecho da Portela". É que a menos de 15 dias da entrega das conclusões do trabalho do LNEC, a localização do aeroporto volta a estar na ordem do dia. O trabalho desenvolvido pela Universidade Católica é considerado "um estudo com uma vertente muito economicista". As acessibilidades ferroviárias e rodoviárias e o impacto ambiental não foram considerados.

Descontente está o sector da construção, que considera negativa a abertura que o Governo deu à sociedade civil para que se apresentasse estudos e projectos. "Só serve para atrasar uma obra necessária para o país e para o sector", defende Reis Campos, presidente da Federação da construção (Fepicop). Esta não discute localizações, mas apenas a obra, considerando que "esta indecisão é inimiga do investimento".

in: www.dn.pt de 28 Nov/07

28/11/2007

Novo estudo aponto Pinhal Novo como a melhor localização para o novo aeroporto de Lisboa

Pompeu Santos, membro-conselheiro da Ordem dos Engenheiros e investigador do Laboratório Nacional de Engenharia Civil (LNEC) é o autor deste estudo, que contou com a colaboração de vários especialistas do Instituto Superior Técnico.

Em declarações à TSF, Pompeu Santos defendeu que o Pinhal Novo é a localização que oferece, sem margens para dúvidas, as melhores acessibilidades.

«O Pinhal Novo tem as condições óptimas para o aeroporto, mas, para além da localização, que é melhor do que qualquer uma das outras que têm sido faladas, com a sua articulação, com a rede de alta velocidade e com o uso da ponte Chelas-Barreiro, consegue-se, no conjunto, uma economia notável», disse.

Em comparação com a Ota, segundo Pompeu Santos, a construção do aeroporto no Pinhal Novo representaria ainda uma importante poupança de dinheiro para o Estado, ou seja, cerca de «três mil milhões de euros».

in: www.tsf.pt secção Economia de 28 Nov/07

Metro do Porto lança parque gratuito

O parque de estacionamento da estação do Estádio do Dragão vai passar a ser gratuito aos Sábados durante todo o mês de Dezembro, e à semana após as 21 horas. A ideia da administração da empresa é reforçar o metro como o principal meio de transporte na Área Metropolitana do Porto durante este período natalício.
Para além disso, a circulação de veículos vai ser reforçada ao Sábados entre os dias 8 e 22 de Dezembro, e no período nocturno entre os dias 17 e 23.

Associação Comercial do Porto apresenta estudo sobre novo aeroporto de Lisboa

A construção de um aeroporto para companhias de baixo-custo ("low-cost") na base aérea do Montijo, a funcionar, já em 2010, em simultâneo com a Portela - para companhias de "bandeira" até ao esgotamento da sua capacidade - traria uma poupança de cerca de dois mil milhões de euros face à opção Ota, defende o estudo encomendado pela Associação Comercial do Porto (ACP) sobre a hipótese "Portela+1". Usando a Ota como referência, o estudo - a apresentar hoje - também analisa as opções Portela+Alcochete e construção faseada de Alcochete, como proposto pela Confederação da Indústria Portuguesa, mas ambas perdem para a alternativa do Montijo.

Só no investimento na infra-estrutura, revela o documento coordenado pela Universidade Católica a que o JN teve acesso, a poupança da opção Portela+Montijo ascende a 1463 milhões de euros. Mas a este valor há mais duas componente a somar os ganhos obtidos pela não necessidade de construir um elevado volume de acessibilidades rodoviárias e ferroviárias (206 milhões) e a poupança nas chamadas externalidades (357 milhões), o que inclui emissões de dióxido de carbono, tempo gasto em viagens e outras variáveis socioeconómicas. Tudo somado, são 2026 milhões de euros - dois terços do custo da construção da Ota.

Alcochete perde

Também a opção Portela+Alcochete foi estudada pela equipa coordenada por Álvaro Nascimento, que se debruçou sobre uma série de variáveis (ver texto em baixo). Neste caso, a poupança face à Ota ascenderia a cerca de 1,3 mil milhões de euros. Ainda assim, esta hipótese seria cerca de 150 milhões de euros mais cara do que a do Montijo, sobretudo devido à necessidade de trabalhos preparatórios nos terrenos no Campo de Tiro.

Já a construção, de forma faseada, de um novo aeroporto nesta infra-estrutura militar, hipótese que é defendida pelo estudo da CIP, traria uma poupança de "apenas" 185 milhões de euros face à Ota, uma vez que, apesar de os custos de construção serem 759 milhões de euros mais vantajosos do no caso do aeroporto previsto no programa de Governo, as externalidades têm um peso elevado (ver ficha).

Mais flexibilidade

A opção por uma solução transitória, defende o documento , deriva do facto de, neste sector, haver uma "elevada incerteza", quer em termos de crescimento do tráfego, quer no peso das "low cost". Também a entrada em funcionamento da alta velocidade ferroviária pode alterar as previsões que têm sido feitas para sustentar a decisão de construir um novo aeroporto de raiz. Acresce o forte investimento em curso na Portela (380 milhões de euros para aumentar a sua capacidade dos actuais 13 milhões para 18 milhões de passageiros em 2018) que não será rentabilizado se, entretanto, a infra-estrutura for encerrada para dar lugar a outra. "Uma decisão que se revele errada no longo prazo pode ter implicações severas para a sociedade", afirma o estudo, onde se defende que "o Estado deve evitar comprometer montantes avultados de capital (...) num contexto em que ocorrem mudanças profundas no modelo de organização da indústria do transporte aéreo de passageiros".

Uma "opção flexível" é, neste contexto, a que melhor se adequa, defende-se no estudo. Ou seja, a Portela pode continuar a funcionar mas, quando esgotar (ou seja, quanto atingir os 18 milhões de passageiros), existe a hipótese de encerrá-la e transformar o Montijo num aeroporto para todas as companhias.

Uma abordagem que visa "evitar um erro"

A forma como o estudo da ACP aborda a questão do novo aeroporto de Lisboa é deferente daquelas que têm sido apresentadas, uma vez que integra a análise dos custos e proveitos (benefícios privados) com a dos efeitos da localização em termos do território, ponderando as implicações ambientais e sobre a sociedade em agentes que utilizam o aeroporto.

Assim, são tidos em conta factores como o valor económico-financeiro do investimento propriamente dito, os investimento associados às acessibilidades que a infra-estrutura acarreta, o valor das externalidades negativas sobre os passageiros nas acessibilidades ao aeroporto, , a estimativa de custos ambientais, o impacto sobre o ordenamento do território e as externalidades que o aeroporto pode produzir sobre os parceiros aeroportuários. O estudo, que visa "evitar o erro" de não contemplar a hipótese Portela+1 na decisão sobre o aeroporto, foi realizado pela Universidade Católica, juntamente com o Centro de Estudos de Gestão e Economia Aplicada da sua Faculdade de Economia e Gestão e a TRENMO, empresa especializada em projectos de engenharia.

Valor económico- -financeiro-no aeroporto

Portela+Montijo custa menos 1463 milhões. Portela+Alcochete fica por menos 1314 milhões e a solução faseada de Alcochete menos 759 milhões

Custos em acessibilidades

Poupança de 206 milhões nas soluções Portela+Montijo e Portela+Alcochete. A solução de Alcochete modular não traz ganhos face à Ota, até porque implica mais custos em alta velocidade ferroviária e acessos rodoviários.

Externalidades socioeconómicas

O custo das deslocações, emissões de CO2 e sobre a actividade de todos os agentes reduz-se em 357 milhões no Portela+Montijo. Portela+Alcochete e Alcochete modular teriam externalidades negativas de 164 milhões e 574 milhões respectivamente.

in: www.jn.pt primeira página de 27 Nov/07

27/11/2007

"Uma ideia ATAC"


Recentemente, foi lançado pela “ATAC”, empresa de mobilidade de Roma, em colaboração com a Lottomaticard, o “MetroBus Card Red”. Este cartão suporta tecnologia sem contacto, e funciona como passe mensal, ou anual para os utentes dos transportes públicos romanos, passarem nos recém instalados validadores de controlo de torniquetes das estações de metro, ou a bordo dos autocarros e eléctricos da empresa, em substituição dos actuais títulos magnéticos, para o qual os mesmos validadores sem contacto, estão igualmente preparados para validar.
Contudo, estes cartões apresentam novidades em relação aos congéneres:
Para além de funcionar como um passe, este cartão caso seja activado pode funcionar como porta-moedas multibanco. Um cartão pré-pago que permite pagar as despesas em lojas, ou compras pela internet, permite fazer levantamentos em dinheiro nos ATM’s, inclusive no estrangeiro, sem que para isso o utente tenha que ter uma conta aberta num banco.
Como tal, basta activar esta modalidade em qualquer papelaria, recarregar com um valor monetário (entre 10€ e 10 000€), e a partir de então, utilizá-lo como se se tratasse de um cartão de débito, ao qual está associada a marca Visa Electron, bastando recarregá-lo com dinheiro.
O carregamento faz-se em qualquer papelaria associada ao serviço Lottomaticard, debitando 1€ pelo custo do serviço, não tendo posterior pagamento de comissões e impostos de selo como os cartões de débito tradicionais.
Se o utente não estiver interessado nesta modalidade, pode simplesmente usar o “MetroBus Card” como título de transporte.

26/11/2007

TAP recebe hoje primeiro Airbus

Cada aparelho 'A330-200' custa 108 milhões de euros
A TAP recebe hoje em Toulouse, França, na fábrica da Airbus, o primeiro A330-200, de um total de cinco aviões. A cerimónia de entrega do aparelho, que marca o início da renovação da frota de longo curso da companhia aérea portuguesa, está agendada para as 17.45. O novo avião, que será baptizado com o nome do navegador que descobriu a Madeira, Gonçalves Zarco, tem capacidade para transportar 268 passageiros e vai entrar ao serviço dia 5 de Dezembro.

Conforto e alta tecnologia são as palavras de ordem a bordo do novíssimo A330-200, a que se vão juntar mais quatro até Junho de 2008. Destinados a operar no longo curso, estes aparelhos estão equipados para permitir à companhia aumentar a sua eficiência, flexibilização nas operações, bem como o maior conforto das tripulações, além de um ganho a nível de consumo de combustível superior a 25%.

Para o público consumidor, uma das novidades é o sistema eX2, desenvolvido pela Panasonic - é um sistema tecnologicamente avançado que permite aos passageiros das classes Top Executive e Económica seleccionar o seu programa de entretenimento através de um menu interactivo. Os passageiros podem, por exemplo, fazer a escolha de um dos cerca de 20 filmes (séries de TV, ficção ou documentários), um dos jogos ou seleccionar uma música. A TAP é a terceira companhia europeia a oferecer este serviço.

Também as cadeiras que equipam os aparelhos são inovadoras. São cadeiras alemãs Recaro, que na classe Top Executive surgem em azul-escuro e na económica ostentam as cores da TAP. Representam uma revolução ao nível do design e desenvolvimento tecnológico na aviação: os comandos digitais da cadeira permitem adequar e escolher a posição ergonómica ideal a cada situação. Além das seis posições pré-programadas, os seus comandos permitem ainda memorizar as posições preferidas e ajustar individualmente outras funcionalidades.

Neste momento, a TAP já dispõe na sua frota de três aparelhos A330, do modelo anterior e adquiridos no mercado de usados. A frota actual da transportadora nacional é composta por 48 aparelhos, todos Airbus - A330 (3), A340 (4), A319 (17), A320 (15), A312 (3) e seis A310, a que se juntaram os 16 aparelhos da PGA-Portugália.

Os novos aviões A330-200 permitem à TAP servir destinos como São Paulo, Luanda, Maputo e Joanesburgo, que o A310 não opera por falta de autonomia de combustível, tendo de recorrer ao A340. A TAP vai operar os A330-200 até 2013, de acordo com o contrato assinado com a Airbus, começando nesse ano a substituição dos A330 e A340 pelos A350. A troca deverá ter início em Junho de 2013 e terminar em Dezembro de 2015. Nos termos do acordo, a Airbus assegura a retoma dos aparelhos, estabelecendo um valor mínimo de referência.

Quando foi aprovada a renovação da frota, a TAP convidou a Boeing a apresentar propostas. O construtor norte-americano apresentou o seu modelo B787, mais conhecido por Dreamliner. Contudo, diz a TAP, a Boeing só poderia fazer entregas em 2011, não dispondo de aeronaves no período intermedio. O que não sucedeu com a Airbus, que apresentou o A330-200 como solução intermediária até o modelo A350 XWB estar desenvolvido. No total, a TAP colocou uma encomenda de dez A350, com opção de mais cinco.

in: www.dn.pt secção: Economia de 26 Nov/07

23/11/2007

Novos investimentos na CP - Porto


A CP Porto celebra hoje o 5º aniversário da renovação da frota da Unidade de Urbanos desta região, com uma série de iniciativas e passatempos direccionados a todos os seus clientes.
Foram 34 os veículos introduzidos em quatro ramais: Porto, Braga, Aveiro e Guimarães.
Segundo dados recentes, estes veículos estiveram na origem no crescimento do número de clientes registados nesta unidade, invertendo desta forma, o ciclo de perda de utentes verificado nos transportes públicos na última década, visto tratarem-se de carruagens que apresentam uma evolução no conforto e segurança dos utentes, situando-se ao nível das melhores frotas de comboios da Europa, segundo palavras de Cardoso dos Reis presidente da CP.
Segundo Acúrcio dos Santos, engenheiro da CP Porto a introdução destes comboios trouxeram uma evolução face aos antigos no domínio da capacidade de passageiros transportados (cerca de 442 passageiros), no conforto e segurança, dado que em caso de colisão, estes têm grande capacidade de absorção do choque, protegendo inclusive o próprio maquinista, são menos ruidosos e mais largos.
Também no domínio da energia, estes representam uma poupança de 30% face aos anteriores, sendo possível também recuperar parte da energia gasta em favor de outros comboios.
Assim sendo, a CP pretende apostar nos próximos anos na continuada renovação da frota, pretendendo gastar cerca de 500 milhões de euros na aquisição de mais 16 unidades, para colocar ao serviço da CP-Porto.

Ryanair quer instalar base no Porto

O aeroporto do Porto arrisca perder a oportunidade de conseguir atrair, nos próximos sete anos, quatro milhões de passageiros da Ryanair. Tudo porque a ANA (empresa que faz a gestão dos aeroportos) não se tem mostrado receptiva a fazer algumas cedências que permitam a criação de uma base daquela companhia aérea de baixo custo no Aeroporto Francisco Sá Carneiro. A possibilidade de o Norte estar a "desperdiçar" uma oportunidade de desenvolvimento está a indignar políticos e empresários. O PSD/Porto vai pedir esclarecimentos ao Ministério das Obras Públicas "por suspeita de favorecimento do aeroporto de Lisboa".

Depois de o presidente da Ryanair, Michael O'Leary, ter vindo a público acusar a empresa de estar a travar o crescimento do aeroporto do Porto, a ANA repudiou as declarações, numa nota de Imprensa, na qual dá a entender que em causa está a necessidade de dar as mesmas condições a todas as companhias.

Direitos iguais para todos

Para criar uma base, que implica espaço para escritórios e possibilidade dos aviões pernoitarem no Porto, a Ryanair pede um desconto de quatro euros por passageiro embarcado nas taxas cobradas pelo aeroporto do Porto. Em contrapartida, segundo documentos que o JN teve acesso, garante 1,5 milhões de passageiros no primeiro ano, e um crescimento sucessivo de meio milhão de passageiros até 2015. Além de cerca de 200 empregos directos.

"A ANA deseja mesmo muito que aquela companhia instale uma base de operações no Aeroporto Sá Carneiro, estando disponível para criar condições àquela empresa que possam ser legalmente suportadas e proporcionadas a qualquer outra companhia", refere a empresa, garantindo que actuará sempre "numa base de igual tratamento a todas as companhias áreas".

Mas o argumento não convence. "Por que é que a ANA não oferece o mesmo desconto nas taxas a qualquer companhia que garanta quatro milhões de passageiros nos próximos anos?", questiona Rui Moreira, presidente da Associação Comercial do Porto (ACP), que foi contactado pela direcção da Ryanair para interceder junto da ANA.

Críticas à posição da ANA

"É mesmo uma posição de Estado. Se o aeroporto fosse privado isto não acontecia", refere Couto dos Santos, vice-presidente da Associação Empresarial de Portugal (AEP), acusando a ANA de estar a querer proteger o "monopólio" da TAP. "É muito estranho. Não aceitaremos decisões de parcialidade regional ", acrescenta Marco António Costa, dando conta de que, caso os esclarecimentos do Governo não cheguem ou sejam insuficientes, o PSD vai chamar o presidente da ANA e da Ryanair à Assembleia da República para se perceber o que se está a passar.

A decisão da ANA terá de ser tomada até ao final do ano, caso contrário a Ryanair escolherá outra cidade para localizar a base. Valência, Bristol, Belfast são hipóteses já avançadas, mas há dez localizações na corrida. Algumas podem servir de alternativa ao Porto e até vir a prejudicar o desempenho do Sá Carneiro.

"Há aqui quatro milhões de passageiros à mão de semear. Temo que isto possa servir de motor para o investimento na requalificação do aeroporto de Vigo", alerta Rui Moreira.

Desconto nas taxas

Para criar uma base no aeroporto Francisco Sá Carneiro, a Ryanair pede um desconto de quatro euros por passageiro embarcado (inclui viagens de ida e volta), verba a deduzir no valor total das taxas que o aeroporto cobra à companhia aérea de baixo custo.

Espaço para escritórios e pernoita de aviões

A base da Ryanair implica a disponibilização de espaço para escritórios no aeroporto, bem como a possibilidade de os aviões pernoitarem no Sá Carneiro, com tripulação e pessoal de manutenção das aeronaves.

Aumento de meio milhão de passageiros por ano

Com uma base no aeroporto do Porto, a Ryanair garante 1,5 milhões de passageiros ao fim de um ano de funcionamento e um crescimento sucessivo, durante sete anos, de meio milhão de passageiros anuais. Estima-se que cada cliente da low cost gaste nas imediações do aeroporto entre 125 a 150 euros. O acordo tem de durar pelo menos dez anos, estabelece a companhia aérea.

Emprego a 200 pessoas

Duzentos empregos directos são garantidos pela Ryanair com a instalação da base no Porto.

in: www.jn.pt secção: Porto de 23 Nov/07

22/11/2007

Terminal 2 da Portela para vôos low-cost

A intenção foi revelada pelo Secretário de Estado das Obras Públicas Paulo Campos: direccionar os vôos low-cost para o terminal 2 do Aeroporto da Portela em 2010. Nessa altura os vôos domésticos regresserão ao terminal 1.
Até lá decorrerão obras de adaptação do aeroporto para que este esteja apto a receber o crescente aumento de companhias aéreas, até à entrada em funcionamento do novo aeroporto em 2017.

Rodoviária de Lisboa com avaliação positiva

A pontualidade é um dos aspectos mais valorizados pelos clientes da Rodoviária de Lisboa no serviço de transportes públicos, de acordo com os resultados do mais recente Inquérito à Qualidade de Serviço, realizado pela empresa. Numa escala de um a dez, aquele item alcançou um total de 8,2 valores, seguindo-se a “segurança” e a “limpeza”, o “conforto” e a “rapidez”, com valores num intervalo entre os 7,8 e os 7,2. Em relação à imagem que os clientes têm da Rodoviária de Lisboa, a satisfação média atribuída pelos inquiridos foi de 7,5 valores, um aumento de 0,6 pontos em relação ao ano passado. Na avaliação da equipa de recursos humanos, os motoristas e fiscais continuam bem classificados junto dos clientes, atingindo valores acima dos sete em itens como “aparência”, “simpatia e educação”, e “informações prestadas”. O Inquérito à Qualidade do Serviço, realizado anualmente desde 1996, indica que os clientes utilizam as carreiras da Rodoviária de Lisboa, em média, há 13,6 anos, registando-se um aumento na frequência dos passageiros que crescentemente apostam no transportador para as suas deslocações pontuais, para além das suas viagens do dia-a-dia.

in: www.transportesemrevista.com/arquivo de passageiros de 22 Nov/07

Saudades do troleicarro


Lembro-me ainda criança dos "laranjas" da STCP que passavam à minha porta, de dois andares deslizando pelas linhas eléctrificadas das ruas da cidade, de o tomar para ir para a escola...
Lembro-me ainda de outros estacionados junto à Âlfandega, de um andar apênas!
Lembro-me quando estes deixaram de circular há cerca de quinze anos atrás em algumas linhas da cidade para darem lugar a autocarros standart convencionais dotados de outro conforto.
Recordo no entanto, desses "laranjas" que com o passar dos anos me fazem recuar no tempo e lembrar com saudade o Porto da minha infância.
É com emoção que recordo os velhos troleicarros da STCP, ao encontrar em alguns pontos da Europa, como na última visita a Bucareste, veículos similares, e mesmo exemplares mais recentes, movidos a electricidade. O "eléctrico de pneus" como lhe chamava eu!

Recordam com saudade os cidadãos ao verem os antigos eléctrico voltarem a passar nas ruas da cidade, como aconteceu com a recente implantação da linha 22 na baixa da Invicta. Despertam a atenção dos turistas curiosos de vêr estes velhos veículos.

E o troleicarro?

Vendeu a STCP, a maior parte dos seus veículos para a cidade de Almaty no Cazaquistão onde mantêm ainda hoje em alguns dos casos a côr originária da antiga imagem da empresa portuense: o laranja.
Cedeu a STCP aos transportes de Coimbra (SMTUC) e bem, alguns destes exemplares, possuíndo hoje esta cidade, uma das maiores frotas de troleicarros da Península Ibérica.

E então no Porto?

A STCP pioneira no transporte público em Portugal. Proprietária destes veículos, cedendo-os por vezes de forma gratuita, não se lembrou ainda de implementar numa linha ou duas o antigo troleicarro?!

Muitas congéneres europeias continuam a apostar hoje em dia no troleicarro, tanto no antigo como no moderno, em algumas das suas linhas.

Porque não fáz a STCP o mesmo em relação ao antigo troleicarro, em vez de o ceder?!
Não exigimos novos troleicarros, embora estes fossem benvindos, mas gostavamos de voltar a vêr os "velhinhos", em vez de estarem a apodrecer nas estações de recolha da empresa, ou de vêr o nosso troleicarro a enfrentar as duras condições climatéricas do Cazaquistão.

J.A.

Nota: Para vêr algumas fotografias dos antigos veículos da STCP a operar em Almaty no Cazaquistão, clique no título desta postagem.

foto da postagem: troleicarro da RATB - Bucareste

1º-Ministro francês compara sabotagem às linhas de TGV a actos criminosos

A perspectiva de diálogo com o Governo francês - o pior cenário para os irredutíveis grevistas - poderá ter motivado as sabotagens praticadas, ao início da manhã de ontem, mais ou menos pelas 06.00, no TGV (comboio de alta velocidade). Vandalismo que o primeiro-ministro, François Fillon, comparou, na Assembleia Nacional, a "actos criminosos".

Por enquanto, ninguém acusa ninguém publicamente, só em surdina, mas a verdade é que, condenando estes "actos cobardes", os sindicatos se sentiram na obrigação de vir a terreiro em defesa da honra dos camionistas. Os suspeitos do costume em circunstâncias idênticas.

Isto depois de a confederação sindical CFDT ter, enigmaticamente, afirmado que os responsáveis pelas sabotagens "não sairão engrandecidos", na medida em que, apesar de não se terem registado vítimas, puseram em perigo a segurança da circulação ferroviária nas linhas TGV Leste, Atlântico, Norte e Sudeste.

Em "resposta", nada enigmática, em contrapartida, o sindicato Sud- -Rail pede à direcção da CFDT para fazer "prova de um mínimo de prudência nas suas declarações", dado que "não existe até agora nenhuma prova" de que as sabotagens são "obra" dos ferroviários.

O "quem" ainda está por apurar, mas o "quê" já é sabido: cabos foram incendiados e comutadores de sinalização desligados. Uma acção "coordenada de sabotagem".

Ao oitavo dia de greve nos transportes públicos (Metropolitano, autocarros e comboios) contra mudanças nos regimes especiais de reforma, iniciaram-se conversações tripartidas - Governo, patrões e sindicatos. Demasiado tarde? Hiperbólica, a presidente do patronato francês, Laurence Parisot, receia que sim e fala de "catástrofe", "sismo" (não chegou a referir a palavra "tsunami"), com um custo económico gigantesco. "Provavelmente gigantesco." Nesta frente feminina de poder sarkozyano, a conta já foi feita pela ministra da Economia, Christine Lagarde: "Entre 300 e 400 milhões de euros por dia."

in: www.dn.pt secção: internacional de 22 Nov/07

21/11/2007

Trabalhadores da STCP em greve

Os trabalhadores da STCP afectos a três sindicatos do sector iniciam, hoje, à meia-noite, uma sucessão de três períodos de greve. O primeiro compreende 26 horas e termina às duas da manhã de quinta-feira, por questões operacionais, dado que muitos serviços têm fim já depois da meia-noite. A segunda fase decorre entre a meia-noite de domingo e as duas da manhã de terça-feira, durante cerca de 50 horas.

Para "minimizar os inconvenientes causados por possíveis falhas de autocarros", a STCP informou, em comunicado, que "os clientes podem utilizar gratuitamente as assinaturas STCP no Metro e na CP". As linhas 10, 55, 61, 64, 68, 69, 70, 94, ZM e ZR não sofrerão qualquer alteração.

Os sindicatos estão a sugerir aos trabalhadores um período de paralisação de duas a três horas. "Isto não quer dizer que não possam fazer o tempo todo", disse Jorge Costa, do Sindicato Nacional dos Motoristas (SNM). "Como estamos a iniciar uma luta, que não sabemos onde vai parar, sugerimos as greves parciais para os trabalhadores não se desgastarem muito monetariamente", adiantou Manuel Alves, do Sindicato dos Trabalhadores de Transportes Rodoviários e Urbanos do Norte (STRUN).

O Ministério do Trabalho já foi informado de novas jornadas de greve, já no início do mês de Dezembro. Em causa, o Acordo de Empresa (AE), que a STCP já assinou com dois dos seis sindicatos representados. "Estamos a negociar um AE para todos os trabalhadores, os que cá estão e os vindouros", explicou Manuel Alves. A administração quer que o AE vigore, apenas, para quem está na STCP, o que significa "cavar uma sepultura para quem vier depois".

Manuel Alves responsabiliza a administração da STCP pelo que considera a "falta de dignidade, lealdade e transparência" das negociações do AE, que o STRUN não assinou, assim como o Sindicato dos Trabalhadores dos Transportes (SITRA) e o SNM, que se queixa de não ter tido uma resposta à proposta final apresentada à empresa, que "considera o processo encerrado", disse Jorge Costa.

Além do AE, os sindicatos contestam as "férias impostas sem acordo" do trabalhador e os tempos "demasiado curtos" de alguns itinerários. "Está em causa a segurança dos passageiros e dos motoristas", disse Jorge Costa. Como os condutores têm pouco tempo para fazer o percurso, aceleram para recuperar o tempo ou atrasam-se, acabando por ser suprimido um ou outro autocarro.

in: www.jn.pt secção: Porto de 21 Nov./07

20/11/2007

Greve gera caos em França

Os trabalhadores dos transportes estão em greve pelo sétimo dia consecutivo e hoje a contestação conta também com o protesto dos funcionários públicos. A paralisação regista uma forte participação dos trabalhadores da ferrovia e dos transportes que servem a capital, Paris. O protesto tem como principal objectivo o fim do regime especial de aposentação.

www.sic.pt noticias secção: mundo de 20 Nov./07

18/11/2007

Muita atenção!

Viajar na Roménia, ou qualquer outro país da Europa ou do mundo pode ser divertido.
No nosso caso, decidimos viajar até à capital Romena, Bucareste, para conhecer melhor o sistema de transportes local, e ao mesmo tempo, como é obvio, aproveitar para visitar a cidade.
Como qualquer viajante, e no nosso caso em especial, andamos de transportes públicos que por sinal na nossa opinião, são muito bons e baratos (cerca de 0.30€ bilhete de autocarro, e 0.60€ o bilhete de metro). Também andamos de táxi onde os condutores na presença de estrangeiros são "demasiado simpáticos e prestáveis"faceta caracteristica do povo romeno em geral, aproveitando a falta de conhecimento dos turistas das ruas e avenidas, para oferecerem os seus préstimos. No entanto, advertimos os nossos estimados leitores que pretendam viajar, tenham em atenção em qualquer dos casos, mas em especial nos países de leste, onde existe uma pequena "máfia" encoberta que as autoridades não controlam, ou preferem não controlar, e que exercem sobre os viajantes tarifas desajustadas, bastante inflaccionadas face ao valor real do serviço prestado.
Advertimos que, o mesmo tentaram fazer connosco.
Apesar dos taquímetros instalados a bordo, para iludir a polícia dado que é obrigatório por lei, o valor cobrado ou pedido no final é bastante superior ao realmente marcado no taquímetro.

Que fazer?

Se viajar sozinho é preferivel não fazer nada. Na maíoria dos casos, e principalmente à noite, é comum viajar a bordo da viatura outro indivíduo para além do táxista.

Aconselhámos a não utilizar este modo de transporte, por mais gentis que sejam e insistam consigo, diga que já conhece o local, e não demostre ter dúvidas.
Viage em grupo, e já agora, evite visitar estes países ao fim-de-semana e saír à noite, dado que as ruas estão vazias e a insegurança aumenta consideravelmente.
A policia não se vê, e não pode portanto, apresentar queixa.
Se nos permite o conselho, não mostre dinheiro, nem máquinas de fotografar e filmar, para não ser conotado como turista.
Quando percebem que é estrangeiro, tentam de todas formas extorquir dinheiro.
Não Acredite em histórias por mais verdadeiras e lógicas que pareçam.
NÃO ACREDITEM EM NINGUÉM!
Façam o vosso plano de viagem antes de partir para terem o menos de dúvidas possivel!
Se lhe perguntarem, diga que não tem cartões bancários, que levou dinheiro suficiente para passar um dia, ou dois. Diga que a estadia foi breve, e que já está de partida. Não aceite ofertas de serviços até ao aeroporto em circunstância alguma.
Existem diversos autocarros (131 Aeroporto / Piata Romana, 335 e 783), entre o aeroporto e o centro da cidade, cuja viagem dura sensivelmente dez minutos se se não verificar trânsito, ao qual têm ligação às estações de metro de "Arcul de Triumf", "Piaza Victoriei", e da "Piata Romana", e a partir destas com ligação às restantes linhas.

Faça boas viagens de transportes públicos, mas de confiança!

postado a partir de Bucareste

16/11/2007

Comboio liga duas Coreias

É inaugurada a 11 de Dezembro próximo a linha de comboio entre as duas coreias, cinquenta anos depois da guerra que as dividiu. Num percurso de sensivelmente 20 Km, o comboio irá passar por zonas com forte implantação industrial, como é a região de Kaesong na Coreia do Norte, uma área onde se calcula trabalhem cerca de 13 mil norte-coreanos e que faz fronteira com a Coreia do Sul.

15/11/2007

Itália reforça vigilância no sector ferroviário

Está em curso em Itália um programa de reforço da vigilância no sector ferroviário, envolvendo meios, e uma estreita colaboração entre a polícia e os responsáveis daquel sector. Entre as medidas a adoptar, está o reforço dos agentes de polícia sobretudo em horários nocturnos e em comboios regionais, que apresentam maior índice de micro-criminalidade.
Também o metropolitano, terá um reforço acêntuado da vigilância em horários de maior procura.
Estas medidas surgem depois de se ter registado um aumento significativo da pequena criminalidade de 2006 ao presente.
O programa será aplicado de acordo com as especificidades de cada região, verificando-se um maior reforço em zonas mais movimentadas.
Também na origem do aumento da vigilância, está o facto de se ter verificado um aumento de passageiros sem bilhete a circularem nos transportes ferroviários italianos.

França e Alemanha vivem os problemas da greve dos transportes

Pelo segundo dia consecutivo, a França vive o drama da greve dos transportes que ameaça paralizar parte do país até ao próximo Sábado. São milhões os franceses que se deslocam diáriamente de transportes públicos para os seus empregos, ou locais de ensino. Hoje, segundo dia de greve, estavam a circular na capital menos de um terço dos autocarros. Quanto ao metropolitano, estima-se que apênas um em cada quatro estava a circular, gerando o caos nas estações, e o desespero de quem não tinha a hipótese de entrar numa das poucas e congestionadas carruagens de metro.
Esta greve, levou ao imediato aumento do número de veículos nas estradas provocando filas de vários kilómetros nos principais acessos às cidades.
Na origem da greve, estão as intenções do novo presidente francês em aumentar para quarenta anos de serviço, o número de anos exigível para requesição de aposentação.

Também na Alemanha se vive uma greve idêntica. No entanto aqui, na origem da paralização está o facto dos trabalhadores do sectôr dos transportes exigirem mais e melhores aumentos salariais.

14/11/2007

Estação do TGV ficará no Oriente independentemente da localização do futuro aeroporto

A futura estação central de Lisboa do comboio de alta velocidade irá ficar situada na Gare do Oriente, garantiu o administrador da Rave, Carlos Fernandes. A decisão já foi tomada pela empresa pública e é independente da solução que seja encontrada para o novo aeroporto internacional de Lisboa, quer este fique situado na Ota ou em Alcochete. Segundo o administrador, a “nova” Gare do Oriente irá ser ampliada, sofrendo alterações a nível longitudinal e transversal, de modo a poder acolher os dois novos terminais de passageiros e as três novas linhas férreas. A obra irá também obrigar à reafectação de uma das plataformas da estação e à construção de uma plataforma em ilha, a poente da anterior. Esta ilha será ladeada por duas novas linhas, também a dedicar à AV. No total, as novas plataformas terão um comprimento de 415 metros. O novo projecto ficará a cargo do arquitecto Santiago Calatrava, o responsável pela construção da Gare do Oriente.

in: www.transportesemrevista.com secção: arquivo passageiros de 14 Nov/07

Cavaco acredita na independência do LNEC

O Presidente da República diz não acreditar que o Governo já tenha tomado uma decisão sobre a localização do novo aeroporto internacional na Ota, como alegou esta tarde o líder do PSD, Luís Filipe Menezes.

"Não posso acreditar nisso. A informação que tenho e que me é fornecida pelo primeiro-ministro não está nada de acordo com o que acaba de dizer", declarou Cavaco Silva, confrontado com as afirmações de Menezes, depois de presidir às comemorações dos 60 anos do Laboratório Nacional de Engenharia Civil (LNEC), em Lisboa.

Esta manhã em Matosinhos, antes de uma reunião com a direcção da Associação Empresarial de Portugal (AEP), Luís Filipe Menezes pedia ao Governo para “falar verdade aos portugueses".

"Se já está decidido que o aeroporto é na Ota, então não vale a pena fazer as pessoas perder tempo e estar a gastar mais dinheiro", afirmou o líder do PSD, numa referência ao estudo que o LNEC deverá concluir até final do ano para comparar tecnicamente as duas localizações em cima da mesa – Ota ou Alcochete.

No final da visita, e tendo a seu lado o ministro das Obras Públicas, Mário Lino, responsável pelo "dossier" do aeroporto, Cavaco Silva evitou pronunciar-se sobre a recente polémica provocada pela divulgação de um estudo da RAVE (Rede Ferroviária de Alta Velocidade), favorável à localização do aeroporto na Ota.

Francisco Van Zeller, presidente da Confederação da Indústria Portuguesa (CIP), criticou a divulgação "à última hora" deste estudo, atitude que teve a solidariedade de Luís Filipe Menezes.

Apesar de instado a pronunciar-se sobre a polémica, Cavaco Silva recusou "obviamente" pronunciar-se sobre "polémicas entre instituições ou entidades", admitindo apenas que leu "parte" do estudo da CIP, que aponta Alcochete como melhor solução.

Quanto à tarefa atribuída ao LNEC, o Presidente diz tratar-se de uma “uma grande responsabilidade” que vai determinar "uma decisão política" do Governo, que a deverá anunciar no início de 2008. No entanto, Cavaco Silva garantiu que, "pela história do LNEC, "os portugueses podem confiar na sua competência da instituição e na independência técnica e política".

in: www.publico.pt de 14 Nov/07

França vive greve nos transportes

Os trabalhadores dos transportes públicos franceses iniciaram uma greve que ameaça paralizar a França. Apesar da opinião desfavorável dos franceses quanto aos motivos que originaram esta greve, a verdade é que milhares de trabalhadores deste sector ameaçam fazer perdurar esta luta por vários dias consecutivos.
Na base das reivindicações, estão as propostas de Sarkozy que prepara reformas profundas no sector, entre as quais, equiparar os funcionários públicos aos do sector privado, ou seja, os trabalhadores, segundo a proposta de Sarkozy, passam a necessitar de quarenta anos de serviço para requererem a aposentação.

12/11/2007

Novas carreiras no munícipio de Leiria

O munícipio de Leiria anúnciou a introdução de cinco novas carreiras em 2008, através da concessionária da rede "Mobilis", a Rodoviária do Tejo.
Estas novas carreiras deverão percorrer o centro histórico, dando desta forma, resposta ao aumento da procura, e suprimir algumas falhas sentidas ao nível da mobilidade neste municipio.

Faça "Zapping" nos transportes de Lisboa

Teve início hoje a nova funcionalidade do "7 Colinas", bilhete de técnologia sem contacto utilizado para viagens ocasionais. Trata-se do "Zapping", e como o próprio nome indica, os portadores deste título podem mudar de operador de transporte, utilizando o mesmo bilhete, e o mesmo título se se encontrarem dentro da validade horária, a contar desde a primeira validação.
Numa primeira fase iniciada hoje, esta modalidade está disponível para clientes da Carris e Metropolitano de Lisboa. Para isso, basta a qualquer utente destes operadores adquirir um cartão por 0.50 cêntimos, que é carregável e válido por um período de um ano. Depois basta carregar o cartão com um minimo de 1.50€, ou um máximo de 10€, valor este que vai sendo debitado à medida que os utilizadores vão utilizando estes operadores. A qualquer momento, mesmo com saldo no cartão, os portadores do "Zapping" podem efectuar novos carregamentos, sem no entanto, ultrapassarem os 15€ de saldo no cartão.
Futuramente, a Transtejo e a Soflusa adoptarão este sistema, e os restantes operadores da Região de Lisboa, podendo os utentes dos transportes desta àrea metropolitana, beneficiar de maior flexibilidade no uso dos transportes públicos.

09/11/2007

Terminal 2 do aeroporto da Portela entra em obras

Quatro meses depois da inauguração, o terminal 2 do aeroporto da Portela entrou em obras de melhoramentos. Ou de "ajustamentos", como referiu ao DN Rui Oliveira, porta-voz da ANA-Aeroportos, a empresa que gere os aeroportos nacionais. O projecto inicial não contemplou algumas situações relacionadas com o conforto dos passageiros e dos funcionários da nova infra-estrutura.

As portas de embarque estão viradas a norte e quando se abrem o terminal é varrido por um vento frio. Os funcionários queixaram-se por diversas vezes e, no Verão, foram obrigados a trabalhar com casacos de Inverno. Agora a ANA vai construir corta-ventos para minimizar a situação antes que o Inverno chegue. Outra situação que vai ser melhorada tem a ver com os telheiros que abrigam as pessoas à chegada ao terminal. Entre a saída dos veículos até à entrada na aerogare os passageiros não têm onde se abrigar. Para reparar esta falha vão ser colocados telheiros para evitar que em dias de chuva os passageiros fiquem molhados. As melhorias "já estão em curso", disse ao DN o mesmo responsável.

Entretanto, Francisco Severino, director do aeroporto da Portela, justificou as obras com a "pressa" que foi preciso imprimir ao projecto. Em conversa recente com um grupo de jornalistas, o director do aeroporto referiu que os custos adicionais "são insignificantes". Já Rui Oliveira realça que os valores em causa não vão aumentar o investimento inicial, fixado em 18 milhões de euros. Questionado sobre o facto de apenas quatro meses depois da abertura a infra-estrutura estar já a ser alvo de melhoramentos, Rui Oliveira salienta que "só após a sua utilização é que se verificou a necessidade de realizar os ajustamentos necessários". O terminal começou a ser construído em Fevereiro e desde o início se apontou a sua abertura para o Verão, primeiro para final de Julho e depois para o início de Agosto, data que foi cumprida.

A obra foi concebida para aliviar o terminal 1, e as previsões apontam para um movimento de dois milhões de passageiros/ano. Nesta fase serve apenas os voos domésticos e a perspectiva é de que no próximo ano comece a servir também as companhias low cost.

Também no próximo ano o terminal deverá ficar servido por uma plataforma para o estacionamento dos aviões, de forma a evitar a viagem de autocarro dos passageiros desde o terminal até ao avião.

in: www.dn.pt 9/Nov. 07
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...
Custom Search