28/01/2011

Carris lança site para telemóvel

A Carris lançou o carris mobile, um site adaptado ao telemóvel.

Através do endereço m.carris.pt é possivel aceder a toda a informação tarifária, rede de vendas, tempo de espera dos autocarros, simular percursos, conhecer as carreiras, e conhecer ainda outras noticias.
O site já está disponivel a partir de qualquer telemóvel com acesso à internet.

27/01/2011

Linha de Leixões encerrada a 1 de Fevereiro

Tinha sido reenaugurada em Setembro de 2009 após 43 anos do seu encerramento. Em 1966 a linha encerrava continuando apenas activa para o tráfego de mercadorias até ao Porto de Leixões.
Em 2009 o Ministério dos Transportes volta a abrir a linha aos passageiros com a promessa de abertura de novas estações.
De inicio, os comboios apenas circulariam até Leça do Balio, posteriormente seriam construídas 3 novas estações a concluir duarante o ano de 2010. A primeira seria no Hospital de S. João ligando ao Metro do Porto, uma segunda na zona industrial da Arroteia, e a terceira em Leixões onde deveria ter a configuração de uma gare intermodal de transportes.
Para a reactivação da linha a Refer investiu 6,8 milhões de euros em material circulante, e a CP gasta mais de 300 mil euros por mês com custos de pessoal.
Contudo, as promessas da construção das novas estações nunca foi cumprido. Estações que segundo estudos teriam forte impacto na conquista de passageiros para a linha como no caso da ligação ao metro no Hospital S. João, ou na Arroteia junto à fábrica da Efacec passando por grandes aglomerados populacionais como Águas Santas ficaram apenas no papel. A realidade, é que a linha de Leixões transporta apenas 4500 passageiros/mês, o que significa 150 passageiros/dia, 3 passageiros por comboio.
Com o Plano de Estabilidade e Crescimento que obrida à diminuição de custos nas empresas públicas, a linha de Leixões deixa de funcionar a partir de 1 de Fevereiro, restando apenas a ligação de mercadorias.

A 1 de Fevereiro outras linhas da CP também serão descontinuadas. Entra elas, a ligação Setil/Coruche do serviço regional da linha das Vendas Novas, reinaugurada à semelhança da linha de Leixões em setembro de 2009, e o troço T. Vargens/Marvão do serviço regional no Ramal de Cáceres.

26/01/2011

Teleférico de Gaia em testes abre até à Primavera

A garantia foi deixada hoje pelo presidente da Câmara de Gaia Luís Filipe Menezes: o teleférico de Gaia abre até à Primavera.
Depois de meses de adiamento, finalmente a paisagem ribeirinha de Gaia já reflecte as 12 cabines que circulam em fase de testes desde ontem.
Um investimento de cerca 10 milhões de euros servirá sobretudo turistas que frequentam aquele local, ligando a cota alta da cidade à zona ribeirinha num percurso de 562 metros em 5 minutos desfrutando da magnifica vista sobre a cidade do Porto.
Apesar do preço não ser convidativo; estima-se que um bilhete simples custe 6€, e o bilhete de ida e volta 9,5€; será possível usar o tarifário intermodal de transportes Andante no teleférico, ou seja, bastará adquirir um título Z2 que custa 1€ para entrar no teleférico e usar os outros transportes durante 1 hora no mínimo, ou em vez disso usar o passe.

24/01/2011

Gastos 10 milhões em máquinas que estão a apodrecer

Há já quatro anos que 60 máquinas de venda de bilhetes de comboio e de metro estão a apodrecer e a ser vandalizadas em estações e apeadeiros das linhas da CP. Um projecto de 10 milhões, da Transportes Intermodais do Porto e da CP, que nunca foi posto a uso.


Ao todo, são 60 as máquinas que há quatro anos foram colocadas em estações e apeadeiros das linhas da CP Porto com o propósito de vender bilhetes não só de comboio, mas também de metro e dos autocarros da STCP.


A ideia era implementar um sistema de bilhética sem contacto, à semelhança da que é utilizada nos comboios urbanos de Lisboa, nas várias linhas de comboios suburbanos do Porto, ou seja, Porto-Aveiro, Porto-Guimarães, Porto-Caíde e Porto-Braga. Tratou-se de um projecto na ordem dos 10 milhões de euros levado a cabo pela empresa Transportes Intermodais do Porto (TIP) e pela CP e que previa a colocação de mais 32 outras máquinas.

Os aparelhos, semelhantes a máquinas multibanco, foram ligados à electricidade, ao que foi dito por se encontrarem em fase de testes, e assim continuam. O facto é que nunca funcionaram.

Com o tempo degradaram-se, ganharam ferrugem, foram vandalizados, alguns até mesmo destruídas, acabando apenas por contribuir para a imagem de abandono que prevalece em várias estações e muitos apeadeiros.

Sem as máquinas, que quando foram instaladas entusiasmaram os utilizadores do Andante (serve para o metro, comboio e autocarros), os utentes são obrigados a procurar "pay-shops" para carregar os cartões ou a enfrentar filas e filas de gente nos poucos postos da mobilidade existentes.

A maioria recorre ao que existe na estação de Campanhã, até porque são muitos os que evitam as máquinas do metro, onde também se podem carregar os passes, por estarem em causa valores mais altos, para os quais nem sempre as ditas máquinas têm troco.

"Quem me vale é a minha mãe que trabalha no Porto e vai carregando o meu Andante. Quando fica sem viagens ela dá-me outro carregado e vamos trocando. É que se fosse enfrentar aquelas filas enormes, bem que chegava sempre atrasado às aulas", contou Gonçalo Torres, estudante.

"Normalmente entro na estação da Granja e, como depois uso o metro, não me compensa estar a comprar bilhete de comboio. Carrego o Andante, mas não na estação, porque lá não é possível. Sou obrigada a ir a um café nas imediações que, como é natural, não está aberto todo o dia", explicou, por sua vez, Michele Rocha, fisioterapeuta.

O JN tem várias vezes questionado a TIP e a CP sobre o assunto. A resposta começou por ser que decorria ainda a fase de testes, designadamente ao nível da uniformização entre hardware e software. Em 2009 foi dito que as máquinas entrariam em funcionamento no último trimestre do ano, o que não veio a acontecer.

No início do ano passado, fonte da CP disse que isso estaria para muito breve, que o tal software das máquinas estava pronto e que estavam em curso acções de formação do pessoal técnico de manutenção e de apoio à operação. Mais: foi dito que estava a ser preparada uma campanha de comunicação ao cliente sobre as alterações ao sistema de bilhética, o que também não veio a acontecer.

Na passada sexta-feira, CP e TIP reuniram-se e o assunto terá sido abordado. Mas ninguém prestou esclarecimentos.

in: jn.sapo.pt secção "Porto" de 24 Jan/11



22/01/2011

TAP pode ser vendida em breve

A TAP pode ser privatizada em breve. Segundo noticiam alguns órgãos de comunicação, 40% do capital da TAP pode ser vendido à Qatar Airways.
A TAP afirma que o processo de privatização ainda não foi aberto. O Governo nada comenta por enquanto. Mas tudo indica, a companhia de bandeira do Qatar possa entrar no capital da TAP  a breve prazo.
Tudo se parece ter precipitado com a visita do primeiro-ministro português ao Qatar na semana passada. A companhia daquele país, após reúniões entre as duas delegações governamentais mostrou interesse em voar para Lisboa a curto prazo. Ao que se sabe agora, os responsáveis governamentais do Qatar parecem estar interessados não só em voar para Lisboa, mas deter uma posição priveligiada na companhia de bandeira nacional.

15/01/2011

TAP é a quarta companhia aérea mais segura do mundo

A TAP Air Portugal ocupa o quarto lugar entre as companhias de aviação mais seguras do mundo, segundo o 'ranking' anual divulgado hoje pelo Jet Airliner Crash Data Evaluation Center (JACDEC), que analisou as quotas de segurança das 60 maiores transportadoras aéreas do mundo.



A companhia de bandeira portuguesa alcançou a pontuação máxima, 30 pontos, na lista liderada pela Qantas australiana, que surge à frente da Finnair (Finlândia) e da Air New Zeland (Nova Zelândia).


Segundo o relatório da JACDEC, a TAP só não subiu ao pódio porque a sua frota tem mais anos do que a média das frotas europeias, o que se deve, sobretudo, à aquisição da Portugália, que tinha algumas aeronaves de modelos mais antigos.

Outro fator desfavorável são algumas das rotas da TAP para aeroportos em ilhas, com condições de aterragem difíceis, de acordo com a mesma agência.

Todas as companhias referidas e ainda a Cathay Pacific Airways (China/Hong-Cong), a All Nipon Airways (Japão) e a Air Berlin (Alemanha), obtiveram 30 pontos, o que significa que não tiveram qualquer acidente nos últimos trinta anos, desde 1980.

O último acidente grave com aviões da TAP, em que morreram 131 pessoas, foi há mais de 33 anos, a 11 de novembro de 1977.

Um Boeing 727-200 da companhia portuguesa caiu no mar, no Aeroporto do Funchal, na Madeira, depois de ter aterrado sob forte chuva e vento na antiga pista, mais curta do que a atual, e não ter conseguido levantar voo de novo.

Entre as grandes companhias aéreas europeias, a britânica British Airways surge no vigésimo lugar, seguida pela alemã Lufthansa, enquanto a KLM fica-se pela 23. posição.

A Easyjet, companhia 'lows cost' criada em 1995, que tem aumentado a sua actividade em Portugal, surge à frente das grandes transportadoras do velho Continente, em 18. lugar.

A italiana Alitalia só aparece no 37. lugar da escala do JACDEC, mesmo assim à frente da gaulesa Air France (41. lugar) e da espanhola Ibéria (47. lugar).

O último posto é ocupado pela brasileira TAM, que há três anos perdeu uma aeronave num acidente em que morreram 199 pessoas, o mais grave da história da companhia.

in: sic.sapo.pt secção "dinheiro" de 14 Jan/11

STCP registou em Novembro recorde de utilizadores com título mensal desde 2007

A Sociedade de Transportes Colectivos do Porto anunciou hoje, sexta-feira, que atingiu, em Novembro de 2010, o número máximo de utilizadores com título mensal desde que a Nova Rede foi implementada em 2007.


A estratégia adoptada pela empresa, de adequação da rede à nova oferta de Metro e a adopção do tarifário Andante para todas as linhas da Sociedade de Transportes Colectivos do Porto (STCP), demonstra "a decisão correta, corroborada nos dados agora evidenciados com um claro aumento de fidelização de clientes".

Nos dados disponibilizados à Agência Lusa, a STCP destaca o crescimento substancial deste tipo de títulos no tarifário intermodal - em Janeiro de 2007, as assinaturas intermodais eram 30 mil, tendo triplicado para mais de 90 mil em Novembro de 2010.

"Os clientes demonstram assim a sua clara preferência pela possibilidade da utilização de um sistema de transporte integrado, que dá resposta às diferentes soluções de mobilidade que pretendem", considera a transportadora rodoviária.

No 3.º trimestre de 2010, a STCP registou um aumento da procura de passageiros de dois por cento relativamente ao período homólogo de 2009, o que equivale a um aumento superior a 500.000 validações.

Os meses de Outubro e Novembro de 2010 reforçam a tendência do trimestre anterior com aumentos de dois por cento e um por cento, respectivamente, num total superior a 200.000 validações.

A linha que registou maior aumento de procura no 3.º trimestre foi a 204 (Hospital de S. João -- Foz) com mais 8,3 por cento no total de validações, tendo as validações médias por dia útil aumentado 12,6 por cento em igual período.

Salienta-se o dia 11 de Outubro, em que foi atingido o número máximo de validações por dia desde a entrada na Nova Rede - 425 mil.

Em termos de clientes, obtém-se em 2010 uma média mensal no 3º trimestre de quase 450 mil clientes, comparado com os cerca de 440 mil clientes no mesmo período de 2009, destacando-se novamente o acréscimo dos clientes intermodais.

"A evolução dos clientes da STCP reflecte, uma vez mais, a estratégia seguida pela empresa como agente dinâmico da construção de um verdadeiro sistema de transportes da Área Metropolitana do Porto com os consequentes benefícios para os clientes", considera a administração da empresa.

Acrescenta que "esta estratégia continua a ser seguida actualmente através de diversos novos projectos onde se salientam os relacionados com a informação ao público, muitos deles em parceria com a Metro do Porto e a CP".

in: jn.sapo.pt secção "Porto" de 14 Jan/11

14/01/2011

Requesitar o passe em Lisboa ou no Porto é bem diferente!

Os cartões de tecnologia sem contacto, são cartões com um chip e uma antena incorporada que permitem o carregamento de títulos de transporte, cuja validação é feita pela aproximação de um validador que lê a informação do cartão através de rádio frequência.
Este tipo de tecnologia está a generalizar-se rapidamente no nosso país, e permitem o seu uso em mais de um operador de transporte.
Nas áreas metropolitanas de Lisboa e Porto, está em uso há alguns anos o carregamento e validação de títulos neste suporte.
Quer o "Lisboa Viva", quer o "Andante" em cada uma das áreas metropolitanas, tem um custo para o cliente no acto da requisição. Em Lisboa o custo do "Lisboa Viva" é de 7€ sendo que, a entrega é feita ao fim de 10 dias úteis. No caso de um pedido com carácter de urgência ou seja, com entrega imediata, o custo é de 12€ estando disponível apenas em algumas lojas.
No Porto contudo, a situação é bem melhor. O custo do "Andante" é de 5€, mais barato do que em Lisboa, e com a particularidade do cartão ser entregue na hora em qualquer um dos postos de atendimento dos autocarros, metro, ou CP.
E nós legitimamente perguntamos: porque é que em Lisboa se praticam aqueles preços? Porque é que em Lisboa não se entrega o cartão na hora sem um custo acrescido?

STCP registou em Novembro recorde de utilizadores com título mensal desde 2007

A Sociedade de Transportes Colectivos do Porto anunciou hoje, sexta-feira, que atingiu, em Novembro de 2010, o número máximo de utilizadores com título mensal desde que a Nova Rede foi implementada em 2007.


A estratégia adoptada pela empresa, de adequação da rede à nova oferta de Metro e a adopção do tarifário Andante para todas as linhas da Sociedade de Transportes Colectivos do Porto (STCP), demonstra "a decisão correta, corroborada nos dados agora evidenciados com um claro aumento de fidelização de clientes".

Nos dados disponibilizados à Agência Lusa, a STCP destaca o crescimento substancial deste tipo de títulos no tarifário intermodal - em Janeiro de 2007, as assinaturas intermodais eram 30 mil, tendo triplicado para mais de 90 mil em Novembro de 2010.

"Os clientes demonstram assim a sua clara preferência pela possibilidade da utilização de um sistema de transporte integrado, que dá resposta às diferentes soluções de mobilidade que pretendem", considera a transportadora rodoviária.

No 3.º trimestre de 2010, a STCP registou um aumento da procura de passageiros de dois por cento relativamente ao período homólogo de 2009, o que equivale a um aumento superior a 500.000 validações.

Os meses de Outubro e Novembro de 2010 reforçam a tendência do trimestre anterior com aumentos de dois por cento e um por cento, respectivamente, num total superior a 200.000 validações.


in: jn.sapo.pt secção "Porto" de 14 Jan/11

11/01/2011

Autocarro eléctrico da CaetanoBus vai iniciar testes

O autocarro eléctrico que está a ser desenvolvido pela CaetanoBus vai começar o serviço experimental de transporte de passageiros em Abril, em Vila Nova de Gaia. O primeiro veículo estará concluído no final de Fevereiro, iniciando depois a fase de testes. A produção em série terá início no segundo semestre deste ano, prevendo-se que cada unidade possa custar cerca de 500 mil euros.

A CaetanoBus irá celebrar um protocolo com a Câmara Municipal de Vila Nova de Gaia para a autarquia receber, na primeira semana de Abril, o veículo por um período de três meses. O autocarro eléctrico será monitorizado por técnicos de uma empresa participada do Grupo Salvador Caetano e da Faculdade de Engenharia da Universidade do Porto. Ainda em Abril estará concluído um segundo autocarro eléctrico que seguirá para a cidade alemã de Offenbach, onde será colocado ao serviço regular, ao abrigo do programa de testes deste modelo que representa a entrada da CaetanoBus numa área totalmente nova, uma vez que além da carroçaria também produz um chassis próprio.
 
in: http://www.transportesemrevista.com/ de 11 Jan/11

Governo garante sistema de mobilidade do Mondego

A informação veiculada pelo Ministério dos Transportes através do seu portal na internet garante alternativas à mobilidade das populações até há pouco servidas pelo ramal da Lousã.

O Governo, baseando-se em estudos, concluiu que o investimento no projecto que serviria os concelhos de Coimbra, Lousã e Miranda do Corvo não é justificado pelo número de passageiros que viriam futuramente a utilizar este meio, sendo que se atingiria um prejuízo anual na ordem dos 20 milhões de euros, mais do triplo do prejuízo do antigo ramal da Lousã.
Assim sendo, o Governo garante encontrar no mais curto espaço de tempo, e em colaboração com as respectivas autarquias, alternativas de mobilidade que satisfaçam os critérios económicos e ambientais definidos pelo Governo no Plano de Estabilidade e Crescimento.

Ryanair liga Porto a Roma Ciampino a partir de hoje

Porto e Roma vão ficar mais perto e mais barato a partir de hoje com a Ryanair.

Às 8:55 da manhã parte o primeiro vôo de baixo custo a partir da Invicta rumo à capital italiana.
São dois vôos semanais efectuados à terça e ao sábado directamente ao aeroporto de Ciampino. Este aeroporto vocacionado para receber vôos de baixo custo é, ao contrário do que é habitual na noutras cidades europeias, o que se situa mais próximo do centro da cidade.
A partir de Ciampino existem ligações directas de autocarro ao centro da cidade, ou às estações de metro e comboio, que depois ligam à cidade.
Esta ligação é uma das primeiras que a companhia irlandesa inaugura este ano a partir da base do Aeroporto Sá Carneiro.
A 28 de Março a Ryanair ligará a La Rochele em França.

07/01/2011

STCP quebra promessa

Tinha sido garantido pela STCP: até ao final do ano 2010 toda a frota da empresa que serve os concelhos do Porto, Gaia, Maia, Matosinhos, Gondomar e Valongo teria piso rebaixado.
Mais de 80% da frota da companhia tem piso rebaixado, e mais de dois terços dos autocarros têm rampa de acesso automática para cadeira de rodas, fazendo da STCP uma empresa pioneira. Contudo, circulam ainda alguns modelos Mercedes O405 de 1995 e que se encontram em excelente estado de conservação, mas que aguardam a chegada dos Man Double Decker (dois pisos) que haveriam de entrar ao serviço da empesa em Dezembro de 2009, e cuja homologação foi rejeitada pelo IMTT.
Aprovação entretanto conseguida, não impediram a STCP quebrar a promessa de ter cem por cento da frota com piso rebaixado no final de 2010.
Por enquanto, aguarda-se a chegada dos "Double Decker".

CP reorganiza serviço no Alentejo

Com vista a um corte na despesa em 40%, a CP propôs uma reorganização do serviço na região alentejana.
A primeira mudança visa efectuar o serviço entre Lisboa e Évora em automotora eléctrica, e a partir dali até Beja em automotora a diesel. Desta forma, a CP salienta que o número de ligações seria aumentado passando a população da Casa Branca a dispor de cinco ligações quer para Beja, quer para Lisboa, ao contrário das actuais duas.
Cuba, Alvito, Vila Nova de Baronia e Alcáçovas passariam a ser servidas por comboio.
O tempo de viagem entre Lisboa e Beja auentaria em sete minutos, ou seja, das actuais duas horas e vinte  cinco, para duas horas e trinta e dois minutos contando para o efeito, do tempo de transbordo em Casa Branca da automotora eléctrica para a automotora a diesel.
A CP está a reunir com as autarquias da região para anúnciar o novo plano, e a preparar os novos horários do serviço.

06/01/2011

Transtejo elimina cinco ligações Lisboa-Seixal

A Transtejo, empresa que faz a ligação fluvial entre Lisboa e a margem sul, vai eliminar cinco ligações Lisboa-Seixal no período da manhã.
A medida tem por objectivo a redução em 15% dos custos operacionais da empresa que implica, entre outras, reduzir a oferta e eliminar postos de trabalho.
A Transtejo prevê retirar uma embarcação da travessia do Tejo e consequentemente eliminar três ligações no sentido Seixal-Lisboa, e duas no sentido contrário.
Para este ano com a meta de redução dos custos em 15% imposta pelo Governo, a Transtejo prevê abater sete navios, o que pressupõe eliminar mais ligações com a margem sul, ajustando a sua oferta à procura.

04/01/2011

Falha de sinalização na linha F

A linha laranja do Metro do Porto opera pelo terceiro dia. Hoje, pouco depois das 14h o serviço esteve interrompido entre as estações do Estádio do Dragão e de Fânzeres por uma falha no sistema de sinalização.
Problema resolvido poucos minutos depois, as carruagens voltaram a circular normalmente.
Contudo, 72 horas após a inauguração da sexta linha do Metro do Porto, continuam as obras de arranjos urbanos contíguos às estações, a instalação de alguns postes de iluminação, e de alguns pórticos informativos.
Falta ainda alguns mapas da rede nas estações de Carreira e Baguim.
Nos primeiros dias de operação, as carruagens circulam cheias, muito por culpa dos que querem conhecer a nova linha.

02/01/2011

Linha F entrou em funcionamento

A linha F do Metro do Porto, a sexta a entrar em funcionamento, foi hoje inaugurada pelo ministro António Mendonça.
Desde as 14h que já é possível viajar na nova linha que liga a Sra. da Hora em Matosinhos a Fânzeres em Gondomar, passando pelo centro do Porto numa extensão de 17 quilómetros, dos quais 9,6 já existentes e que servem de tronco comum às linhas, A, B, C, E, e agora a linha F, a que se juntam 7 novos quilómetros de rede e 10 estações, e 4 novos parques de estacionamento.
Na cerimímónia de inauguração, Rui Rio e Valentim Loureiro pediram ao ministro para que o Governo avançasse com a 2ª fase da rede, ao que o ministro respondeu dizendo que todas as obras públicas estão em avaliação incluindo a 2ª fase da rede do Metro do Porto.

01/01/2011

Linha laranja inaugurada amanhã

A partir das 14 horas de amanhã entra em funcionamento a operação comercial da linha F do Metro do Porto.

Com a presença do Ministro dos Transportes António Mendonça e do Secretário de Estado Manuel Correia da Fonseca na estação do Estádio do Dragão, a nova linha laranja que se abre a partir daqui até Fânzeres ao longo de 7 quilómetros e dez novas estações, será inaugurada pelas 10h30. A partir das 14h a população em geral já poderá viajar ao longo do novo traçado até à Sra. da Hora aproveitando o tronco comum a partir do Dragão até aquela estação.
O tempo estimado em 39 minutos para percorrer toda a extensão da linha, 30 se a viagem ficar pela Casa da Música, 26 na Trindade, e 18 minutos até ao Dragão.
Nas horas de ponta a frequência de passagem das composições será de 15 minutos, e nos restantes períodos, de meia hora.
Com a nova linha a Metro abrem 4 novos parques com capacidade para 462 lugares nas estações de Lourinha, Baguim, Venda Nova e Fânzeres.
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...
Custom Search